Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas INVESTIGAÇÃO

Micheque é coisa de esposa de deputado. Primeira-dama gosta é de Caixa

Promovida à primeira-dama, Michelle Bolsonaro esquece seu passado 'de Queiroz' e parte para vôos mais altos


02/10/2021 17:11

Michelle Bolsonaro
Primeira-dama Michelle Bolsonaro (foto: Agência Brasil/Reprodução)

É estupefaciente que Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, ainda seja presidente da República - ao menos oficialmente. ‘Nunca antes na história desse País’, como dizia aquele conhecido corrupto e líder de quadrilha, um Chefe de Estado fez tanto por merecer o impeachment.

Fernando Collor, o novo amigo de fé e irmão camarada do devoto da cloroquina, foi pro saco por causa de um Fiat Elba - algo como um Fiat Uno 90 nos dias de hoje. Já a Dona Doida, Dilma Rousseff, nossa eterna estoquista de vento, sucumbiu justamente por ser Dilma Rousseff, coitada.


Bolsonaro, porém, a despeito das rachadinhas e das mansões; da cloroquina e da falta de vacinas; da inflação e do desemprego; dos 1.000% e dos atos golpistas, e de motociatas, aglomerações, ameaças, queimadas, ONU, enfim, dos milhares de motivos, mantém-se no cargo.

CONGRESSO   



O fiel da balança sempre foi o Congresso Nacional, notadamente o presidente da Câmara, responsável por ‘fazer andar’ qualquer pedido de impeachment. Uma vez contrariado, o todo-poderoso atira o inquilino do Planalto aos leões, que, famintos, ou devoram a presa ou a descartam.


Jair Bolsonaro, o maníaco do tratamento precoce, ainda serve de ração para estes leões. Principalmente a raça centrão, que costuma roer até o último osso antes de abandonar a carcaça. Apenas por isso continua a desgovernar e a destruir o País, além de ajudar a matar 600 mil pessoas.


Não estivessem Arthur Lira, presidente da Câmara, e centenas de cúmplices, que se dizem deputados (são meros abutres), entupindo os bolsos de dinheiro público, o amigão do Queiroz já estaria mais morto - e enterrado! - que o poder de compra dos brasucas pobres e desempregados.


MICHEQUES



A primeira-dama Michelle Bolsonaro ficou conhecida popularmente por ‘Micheque’ após vir à tona uma série de cheques, totalizando 90 mil reais, emitidos pelo casal miliciano - e operador da família Bolsonaro - Fabrício e Márcia Queiroz, depositados em sua conta bancária.


Eram tempos difíceis aqueles, já que Bolsonaro era um relés deputado do baixíssimo clero da Câmara, e só conseguia acesso a funcionários fantasmas e rachadinhas. Porém, como quem batalha sempre alcança, o peculatário se tornou presidente, e agora o sarrafo subiu de patamar.


Reportagem da revista digital Crusoé, publicada nesta sexta-feira (1/10), mostrou que a ‘nossa’ primeira-dama deixou de lado o passado de receptora de cheques de milicianos, para exercer advocacia administrativa - atividade, em tese, criminosa - em favor de amigos interessados em empréstimos na Caixa.


IMPEACHMENT



É de tal sorte escandaloso esse caso, que não basta apenas investigação e punição. Aliás, não é a primeira vez na família. O senador das rachadinhas e da mansão de 14 milhões de reais, comprada por apenas 6 milhões (ahã), conseguiu empréstimo subsidiado em um banco estatal também.


Então, ficamos assim: ‘em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo’, pai, filhos e esposa jactam-se, ao fastio, de dinheiro público, em favor próprio ou de terceiros, e vida que segue, sem impeachment ou punição, graças aos amigos do Congresso Nacional e do - e aí, golpistas? - STF.


O Brasil está completamente destruído e à mercê dos piores políticos e governantes que já tomaram de assalto o poder em toda a nossa triste história. Mais um ano e meio disso tudo enterrará de vez o pouco que sobrou do País. Não há nada que seja pior do que não impedir essa corja imediatamente.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade