Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Alô, Bolsonaro: hora da primeira 'voadora'

Em tempo de dólar nas alturas, o jeito é esconder reais na cueca


16/10/2020 06:00

(foto: Reprodução/Twitter/Senador Chico)
(foto: Reprodução/Twitter/Senador Chico)

Que o bolsonarismo e o lulopetismo estão cada vez mais parecidos, isso ninguém duvida. Esta semana, contudo, tornaram-se, digamos, irmãos gêmeos.

O vice-líder do governo, senador Chico Rodrigues (DEM-RR), suspeito de desvio de dinheiro público destinado ao combate do novo coronavírus - aquele da gripezinha, do resfriadinho -, foi flagrado pela Polícia Federal escondendo 30 mil reais dentro da cueca. Literalmente no cofrinho, hehe.

Bolsonaro, que prometeu “dar uma voadora no pescoço” de quem, do seu governo, for flagrado roubando, deve ficar atento aos desdobramentos do caso. Caso a bufunfa seja, de fato, fruto de corrupção, o amigão do Queiroz terá que dar uma bela bicuda na jugular do seu escolhido no Senado Federal. Do contrário, estaremos diante de mais uma mentira descarada contada por este bilontra, acidentalmente aboletado na Presidência da República.

Se, de grão em grão a galinha enche o papo, de rachadinha em rachadinha; de panetone (em dinheiro) em panetone; de Micheques em Micheques; e, agora, de cueca em cueca, este governo vai construindo a mesma história imoral de todos os outros, e vai destruindo a esperança de quem, ingenuamente, acreditou se tratar de algo diferente. Até porque, desta vez não será possível culpar a “imprensa comunista”. A escolha foi do próprio presidente.

Mas nem tudo está perdido para o bolsonarista: basta correr para o STF e torcer para que seu processo caia nas mãos de Gilmar Mendes ou de Marco Aurélio Mello. Tudo o mais constante, se livrará da investigação, já que fundilho de político tem foro privilegiado. Além do mais, cada um esconde os trocados onde achar melhor. A família Bolsonaro que o diga, já que ama, como poucos, um “dinheirinho vivo”. Principalmente para a compra de imóveis.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade