Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas TRUMP E BOLSONARO

Cloroquina de Jesus: o que não é bom para os EUA, é ótimo para o Brasil

A velha máxima diz: ''o parlamento é a expressão do povo''; se palhaços somos, palhaços é o que teremos em Brasília


postado em 19/06/2020 06:00 / atualizado em 19/06/2020 07:11

Humorista Tiririca ficou famoso com 'Florentina de Jesus' e depois virou deputado federal(foto: Divulgação)
Humorista Tiririca ficou famoso com 'Florentina de Jesus' e depois virou deputado federal (foto: Divulgação)

Eu não sei ao redor do mundo, mas, no Brasil, os anos 1990 foram verdadeiramente bizarros, sobretudo no meio artístico. Era banheira do Gugu pra cá, Tiazinha pra lá, boquinha da garrafa aqui, presidente do saco roxo acolá. Se bem que, nesse quesito, nada supera o que temos hoje no Palácio do Planalto.

Um retrato dessa época foi o sucesso que fez o palhaço Tiririca, hoje (meu Deus!) deputado federal, com sua música “Florentina de Jesus”. Às vezes, não há como não reconhecer a assertividade da velha máxima que diz: “o parlamento é a expressão do povo”. Se palhaços somos, palhaços é o que teremos em Brasília.

A Agência americana FDA (Food and Drug administration) suspendeu a autorização para o uso de cloroquina no tratamento de pacientes com COVID-19. Estudos publicados pelo mundo mostraram que o remédio não só não produz efeitos contra o Sars-CoV-2, como traz sérios riscos à saúde por causa dos efeitos colaterais.

Por aqui, o ministério da Saúde seguiu na direção contrária. Pior: além de manter o medicamento como potencialmente adequado para o tratamento, ampliou seu uso às mulheres grávidas e crianças. Por quê? Baseado em quê? Bem, na falta de um ministro da saúde, resta ao general obedecer ao presidente. Bolsonaro quer e pronto.

E O TIRIRICA COM ISSO


Dias atrás, naquele patético cercadinho às portas do Alvorada, onde fãs do presidente se aglomeram em busca de um aceno ou uma simples foto, alguns, em coro, cantavam uma paródia da música Florentina: “cloroquina, cloroquina, cloroquina lá do SUS, eu sei que tu me curas, em nome de Jesus”.

Os Estados Unidos estão com um “mico” de 66 milhões de cápsulas da droga em estoque. Donald Trump já nos enviou 2 milhões delas de presente. Como não há muito país por aí, como o Brasil, onde o achismo presidencial vale mais que pesquisa médica, podemos supor que ainda restam 64 milhões de comprimidos à nossa espera. 

Fico imaginando aquela maravilha de piscina do Palácio do Alvorada, cheinha de cápsulas ‘made in USA’, e nosso Capitão Cloroquina nadando entre as caixinhas coloridas, atirando os comprimidos para o alto, tal qual fazia o Tio Patinhas em seu cofre de moedas, ao som dos bolsominions cantando: “cloroquina, cloroquina, cloroquina de Jesus...”

Pois é. 50 mil mortos, e contando. Mas "e daí", né?

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade