Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

O bolsonarismo perde seu guru, mas suas ideias têm raízes profundas

Olavo de Carvalho vivia às turras com os militares do governo e criticava duramente a aliança de Bolsonaro com o Centrão


26/01/2022 04:00 - atualizado 26/01/2022 07:12

Olavo de Carvalho morreu nos EUA aos 74 anos
Olavo de Carvalho morreu nos Estados Unidos aos 74 anos (foto: INTERNET/REPRODUÇÃO)

O escritor Olavo de Carvalho, guru do bolsonarismo militante, faleceu ontem, vítima de COVID-19, em um hospital de Richmond, no estado da Virgínia, nos Estados Unidos, onde morava, oito dias após ser diagnosticado com a doença. Era um dos expoentes do negacionismo e havia se recusado a tomar a vacina.

O presidente Jair Bolsonaro decretou luto oficial de um dia, ainda que o relacionamento entre ambos andasse estremecido em razão da saída do governo de alguns de seus principais aliados, como o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub e o ex-chanceler Ernesto Araújo. Bolsonaro lamentou a morte do escritor e prestou solidariedade aos familiares, amigos e alunos dele.

Olavo Luiz Pimentel de Carvalho, seu nome completo, dava aulas de filosofia e fez a cabeça de uma legião de empresários, executivos e intelectuais conservadores por meio de cursos, palestras, vídeos e livros. Um deles, intitulado “O mínimo que você precisa saber para não se tornar um idiota” (Record), uma coletânea de textos organizados por Felipe Moura Brasil, virou best-seller, que rivalizou com livros de autoajuda.

Carvalho nunca foi reconhecido como filósofo pela academia. Foi astrólogo e integrante de uma seita muçulmana sufista. Por meio das redes sociais, conseguiu difundir suas teses conservadoras com muito sucesso. Seu perfil no Facebook tem mais de 587 mil seguidores. Mantinha um seminário virtual, cuja mensalidade custava R$ 60.

Autointitulava-se “líder supremo do comunismo latino-americano” e dizia que "ideologia de gênero, abortismo e gayzismo" são parte de uma "revolução cultural" coordenada por comunistas.

Carvalho construía teorias conspiratórias com base em fake news. Chegou ao ponto de descrever o ex-presidente Barack Obama como um político “apoiado entusiasticamente pela Al-Qaeda, pelo Hamas, pela Organização de para a Libertação Palestina, pelo presidente iraniano [Mahmoud] Ahmadinejad, por Muammar Khadafi, por Fidel Castro, por Hugo Chávez e por todas as forças antiamericanas, pró-comunistas e pró-terroristas do mundo, sem nenhuma exceção visível”.

Misturava as ideias do norte-americano Steve Banon, ex-estrategista de Donald Trump e um dos responsáveis pela invasão do Capitólio, nos Estados Unidos, com velhas teses sobre a realidade brasileira cujas origens estão em intelectuais como Oliveira Vianna (Populações meridionais do Brasil) e Oliveiros S. Ferreira (Limites e possibilidades do partido fardado). Suas intervenções eram radicais, desbocadas e sempre agressivas.

Sua aliança com Bannon foi estratégica para a aproximação entre Donald Trump e o clã Bolsonaro, além de outros líderes de direita no Ocidente. Ex-produtor de Hollywood, Bannon editou o site Breitbart News. Recentemente, foi preso por descumprir mandado relacionado à investigação do ataque de manifestantes pró-Trump contra o Capitólio.

Olavo de Carvalho também resgatou velhas teses de Oliveira Viana sobre a elite agrária e o papel dos militares, também endossadas por Oliveiros S. Ferreira, de quem tomou a interpretação sobre o conceito de hegemonia do teórico marxista Antônio Gramsci, para construir sua narrativa sobre o chamado “marxismo cultural”, chave para entender a política de Bolsonaro em relação à educação e à cultura.

Militares


Oliveiros S. Ferreira estudou o protagonismo dos militares na República. Em O Estado de São Paulo, de 26 de junho de 1988, a propósito do regime militar, num artigo intitulado “O reconhecimento da derrota”, destacou uma carta do general Góes Monteiro ao jurista liberal Sobral Pinto, na qual o então ministro da Guerra, em abril de 1945 — ou seja, pouco antes do fim do Estado Novo —, reconhecia a derrota do “partido fardado” diante de uma nação “que não compreendia e que nunca poderia compreender”. Segundo ele, porque trouxera da Escola Militar a marca do castilhismo, “um modelo de tirania esclarecida”.

Olavo de Carvalho vivia às turras com os militares do governo e criticava duramente a aliança de Bolsonaro com o Centrão, os dois setores responsáveis pelo isolamento e substituição dos ministros Weintraub e Araújo, os mais ligados ao guru do bolsonarismo. Vinha fazendo duras críticas a Bolsonaro por não ter “destruído” o que chama de hegemonia da esquerda (“comunista”) na sociedade, que seria a base de sustentação da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Erramos - Na edição de ontem, na coluna intitulada “Bolsonaro escolhe inimigos, Lula busca aliados, Moro sofre ataques”, uma frase truncada atribuiu, indevidamente, o faturamento de 42,5 milhões do escritório Alvarez & Marsal com processos da Lava-Jato ao ex-juiz Sergio Moro, candidato do Podemos à Presidência. Segundo o relatório do TCU, o faturamento foi do escritório norte-americano. A informação foi devidamente corrigida no site do Estado de Minas e no blog, porém isso não foi possível no jornal impresso, daí a necessidade desta retificação.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade