Publicidade

Estado de Minas JAECI CARVALHO

Com gol em cobrança de pênalti, Hulk classifica o Galo

Se quiser passar pelo Palmeiras, o Galo terá que jogar muito mais, crescer muito mais, e impor o seu futebol. Atualmente, o melhor time brasileiro é o Palmeiras


05/07/2022 21:46

Hulk
Hulk bateu e, dessa vez, não errou. Galo 1 a 0 (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A)
O Galo está nas quartas de final da Copa Libertadores. Derrotou o Emelec apenas por 1 a 0, gol de Hulk, em cobrança de pênalti. Se no Equador ele perdeu a penalidade, no Mineirão não deu chances ao goleiro. Agora, o Galo vai pegar o Palmeiras, nas quartas-de-final, com o primeiro jogo no Mineirão.
 
Como o time paulista venceu o Cerro, fora de casa, por 3 a 0, é claro que já está classificado. Será a chance de o Atlético Mineiro se vingar da eliminação na semifinal, ano passado, para o mesmo Porco.

 
Era sabido que o time equatoriano jogaria todo fechado, buscando o empate para levar a decisão para as penalidades.
 
Cabia ao técnico Mohamed e aos jogadores criarem situações para furar a retranca e fazer os gols.
 
Era jogo de um time só. O Atlético em cima, mordendo, querendo o gol, e o Emelec se safando como podia.
 
A diferença técnica entre uma equipe e outra é muito grande, mas o Galo não fazia uma partida boa.
 
Pressionava pela melhor qualidade técnica, mas não era incisivo, como em outras situações.

O Emelec fazia seu papel. Se defendia com os 11, e, esporadicamente, tentava uma bola.
 
Muito raramente, aparecia perto da área alvinegra. A torcida dava a tradicional força, na certeza de que o gol sairia, mais cedo ou mais tarde.
 
Ela jamais deixou de cantar, gritar, empurrar o time para o gol. Mas o Emelec era guerreiro, muito bem postado, sem dar espaços.
 
As extremas eram a opção, mas o Galo não conseguia boas jogadas. Os cruzamentos na área não davam em nada, e o empate sem gols, foi um balde de água fria no primeiro tempo.
 
A esperança de gols, ou, de pelo menos um gol, que classificaria o Galo, ficou para a segunda etapa.

E ela começou do jeito que terminou a etapa inicial. O Atlético em cima, o Emelec mais fechado ainda, rifando bola.
 
Parecia ataque contra a defesa. O Galo martelava de um lado, do outro, e nada de o gol sair.
 
Gente, não é possível o Atlético não conseguir fazer um gol, achar uma bola, uma penetração.
 
Até Zaracho, recuperado de contusão, entrou. Empurrar o Emelec para o seu próprio gol era a tarefa alvinegra. E num lance da Vargas pela esquerda, ele cruzou, e o zagueiro pôs a mão na bola.
 
O árbitro nem precisou de VAR. Marcou a penalidade imediatamente. Hulk bateu e dessa vez não errou. Galo 1 a 0. Os pênaltis sempre salvam o Atlético, quando o time não consegue marcar em jogadas trabalhadas.
 
Porém, dessa vez não há o que contestar. A penalidade aconteceu mesmo.

O técnico Turco Mohamed tirou Vargas e pôs Neto, um volante, para segurar o resultado. Faltavam 10 minutos, mais os acréscimos.
 
Para o Emelec agora, era tudo ou nada. Precisava marcar um gol para levar a decisão para as penalidades. O Galo tentava matar o jogo, em contra-ataques.
 
O tempo foi passando, o Atlético segurando o resultado até o apito final do árbitro. O time mineiro está nas quartas-de-final, e vai enfrentar o Palmeiras, que no jogo de ida contra o Cerro meteu 3 a 0, lá no Paraguai e deverá vencer, e bem, novamente, em sua casa, no Allianz Park.
 
Se quiser passar pelo Palmeiras, o Galo terá que jogar muito mais, crescer muito mais, e impor o seu futebol. Atualmente, o melhor time brasileiro é o Palmeiras.
 
O Galo caiu muito de produção, pois vários jogadores não rendem o esperado. De qualquer forma, a Libertadores é isso, uma competição traiçoeira, onde os fracos se multiplicam, quando os fortes não estão em seus melhores dias.
 
Deu Galo, mas no sufoco e com um gol de pênalti.
 

CRUZEIRO


Em Itú, pela Série B, o Cruzeiro empatou com o Ituano, chegou aos 38 pontos e mantém sua bela campanha rumo a volta à elite. Um erro do VAR tirou a vitória azul, ao anular um gol de Edu.
 
O bandeira marcou impedimento e o VAR traçou as linhas de forma equivocada.
 
Uma “Vargonha” esse VAR no Brasil. Nada que vá afetar a maravilhosa trajetória azul, mas fica um gosto amargo quando você é prejudicado pela arbitragem.
 
Se o dispositivo existe para acabar com os erros, no Brasil, ele serve para aumentar a polêmica e prejudicar os clubes.
 
É impressionante como a CBF não consegue qualificar os árbitros, assistentes, nem tampouco o comandante do VAR.
 
A vantagem do Cruzeiro para os concorrentes continua gigantesca. Agora é pensar no Guarani, no sábado, e na terça-feira, no Mineirão, no Fluminense, pela Copa do Brasil.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade