Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Em condições normais de temperatura e pressão, Galo goleia Emelec

Este Galo é confiável o bastante para eu afirmar que na próxima fase vai encarar o Palmeiras, que também tem o jogo de volta, mas já enfiou 3 a 0 no Cerro


04/07/2022 04:00

Turco Mohamed, treinador do Atlético
Turco Mohamed, treinador do Atlético, que nesta terça-feira enfrenta o Emelec, pela Libertadores (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Que me perdoem os equatorianos do Emelec, mas, em condições normais, com a Massa lotando o Mineirão, Hulk e companhia deverão fazer a festa. Não é cantar vitória antes do tempo, é encarar a realidade de um time fraco que é o equatoriano, que só não perdeu em casa pela infelicidade de Hulk - que desperdiçou uma penalidade - e por erros infantis de Nathan Silva e Allan. O Galo foi infinitamente superior e poderia ter goleado lá também e voltado para BH classificado. 

Sei que no futebol existe o imponderável, e que a Libertadores é uma competição traiçoeira, mas não vejo como o Atlético possa perder essa classificação. Esse Galo que aí está é confiável o bastante para eu afirmar que na próxima fase ele vai encarar o Palmeiras, que também tem o jogo de volta, mas já enfiou 3 a 0 no lombo do Cerro Porteño.

Há tempos digo que a Libertadores deveria qualificar e não quantificar a competição. Somos 10 países, que tenhamos o campeão brasileiro e o campeão da Copa do Brasil e o campeão da cada um dos outros nove países e os campeões das Copas que lá existem.

Com 20 clubes apenas teríamos mais datas, jogos mais espaçados e é claro, uma competição tecnicamente mais qualificada. Emelec e Tolima, por exemplo, dificilmente chegariam.

Hoje, ela classifica até nove equipes do Brasil, oito da Argentina, e por aí vai. Dificilmente uma equipe que não seja de Brasil e Argentina vai voltar a ganhar a Libertadores. Essa é uma realidade que poucos querem enxergar. E olha que só tem dado time brasileiro nos últimos três anos. Nem mesmo Boca e River têm sido páreo para nossas equipes.

Mas é claro que a Conmebol quer quantificar a competição e ganhar mais dinheiro e mais patrocínio. Que "se danem" os jogadores, pois para as entidades eles são máquinas e robôs. A Conmebol e a CBF não os veem como seres humanos, de carne e osso, que não podem jogar a cada três dias. É uma vergonha.

A Copa do Mundo de 2026 terá 48 seleções. Já tivemos apenas 16 e agora chegaremos a três vezes esse número. Vejam como é uma competição de qualidade ruim. Apenas a partir das quartas de final temos os verdadeiros e grandes jogos. As fases anteriores são feitas para "inglês ver", a não ser que haja um clássico mundial nas oitavas. Volta e meia acontece. 

A Fifa é uma entidade bilionária graças aos patrocínios que recebe. Haja vista a quantidade de corrupção em que esteve envolvida no passado, com dirigentes presos e banidos.

As entidades que gerem o futebol não devem ser bilionárias, pois não são bancos. Devem usar todo o dinheiro recebido no futebol, nas seleções, nos clubes. 

Entretanto, o que a gente vê são dirigentes voando em primeira classe, ficando em hotéis 5 ou 6 estrelas, comendo caviar e tomando champagne com o dinheiro que deveria ser destinado a clubes e seleções. E eles tomam o poder sem o menor pudor. São eleitos em conchavos entre si próprios, sem que o torcedor tenha direito a voto. Está tudo errado.

Voltando ao jogo de terça-feira, o Atlético, vai passar o "trator", como dizem os torcedores. Claro que os jogadores e o técnico sabem disso e entre eles devem falar da fragilidade do Emelec.

Se houver uma surpresa negativa, no que não acredito, vão dizer que sabiam que no futebol de hoje as equipes se equivalem muito. Porém, não fico em cima do muro. Acredito em goleada alvinegra, e em mais uma bela exibição no Mineirão. Não posso pensar diferente, quando vejo a distância técnica que separa o time mineiro do equatoriano. Vai dar Galo na cabeça, e com goleada.

E, pra fechar, onde estão os torcedores e parte da imprensa que pediam a demissão do Turco Mohamed? No Brasileirão o Atlético está a dois pontos do líder Palmeiras e continua sua luta pelo tricampeonato. Na Copa do Brasil, vai bem, obrigado, e tem a vantagem sobre o Flamengo, podendo jogar pelo empate para avançar. E na Libertadores, vai "passar o rodo" amanhã. 

Aqueles que tentaram fabricar crise, se deram mal. Porém, não se iludam: se houver uma zebra amanhã e se o Galo for eliminado pelo Flamengo, os mesmos voltarão a pedir a cabeça do treinador.

O futebol brasileiro é assim, cheio de gente que analisa os 90 minutos e julga o técnico culpado ou inocente. Nossa cultura não muda, o que é péssimo para os dirigentes que têm projetos a médio e longo prazo e que acreditam no trabalho de verdade. Enfim, como diz um amigo meu, "é o que temos, por enquanto". "Vai pra cima deles Galo!"

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade