Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DE JAECI CARVALHO

Galo dá show, faz 4 a 0 e é praticamente campeão da Copa do Brasil

Alvinegro tem mais time, mais grupo, mais banco, mais técnico, mais tudo.


12/12/2021 19:37

Hulk abriu o placar em mais uma cobrança de pênalti
Hulk abriu o placar em mais uma cobrança de pênalti (foto: Ramon Lisboa/EM/D. A Press)
 
O Atlético não deixou o Furacão respirar. Fez dois gols no primeiro tempo, com Hulk e Keno, deixou o adversário atordoado, e no começo da etapa final marcou o terceiro, com Vargas, que também marcou o quarto. Uma vantagem gigantesca, uma goleada espetacular que põe o time mineiro como bicampeão da Copa do Brasil, não tenho a menor dúvida disso. 

Quarta-feira, na Arena da Baixada, vai fechar, com chave de diamante, uma das temporadas mais brilhantes de sua história. O torcedor está em êxtase. Nunca foi tão feliz em sua vida, num ano pra lá de especial. E não duvidem se o Galo for campeão com mais uma grande vitória. 

Como escrevi, o Alvinegro tem mais time, mais grupo, mais banco, mais técnico, mais tudo. 

O Galo foi a campo com sua força máxima, exceto Nathan Silva, que já jogara a Copa do Brasil pelo Atlético Goianiense. Ígor Rabello era o substituto. Não entendi o árbitro cumprimentando os treinadores. Pra quê? A gente não vê isso na Europa. Os árbitros não dão a menor atenção aos técnicos. A arbitragem no Brasil é caótica, terrível, inclusive o VAR. 

O Athletico também vinha com sua melhor formação. O Mineirão lotado era a certeza de que a massa, aquela verdadeira e anônima, iria empurrar do começo ao fim. Em seu terreiro, o Galo tem sido quase imbatível. Ambos os times, buscavam o bicampeonato da Copa do Brasil. 

Como era de se esperar, o Atlético começou com pressão total. O goleiro Santos quase entregou o ouro. Na saída de bola, entregou nos pés de Diego Costa, que tocou para Hulk cabecear e Thiago Heleno afastar para escanteio. Que erro grave de Santos. Thiago Heleno tomou cartão amarelo com 10 minutos. O Mineirão era um caldeirão fervendo! O árbitro era fraco. Por que a CBF não escalou um juiz de mais nome e mais pulso. 

Diego Costa sentiu e saiu para a entrada de Vargas. Diego Costa tem tido contusões simultâneas. Embora seja um grande jogador, é preciso uma avaliação melhor, já que ele mesmo não garantiu sua permanência no clube. 

O Athletico era só defesa. Pouco chegava na área alvinegra. Vale lembrar que não existe o gol qualificado. Se o jogo está apertado, pênalti. A bola, realmente, bateu no braço de Léo Citadini. Hulk bateu no cantinho e fez Galo 1 a 0. As penalidades têm sido decisivas para o Atlético, e Hulk, dificilmente erra. 

Era jogo de um time só. O Athletico tinha muitas dificuldades e nem se aproximava do gol de Everson. E a massa foi ao delírio, quando Keno fuzilou, de fora da área, e a bola entrou no cantinho 2 a 0. Só dava Galo! 

As melhores jogadas do Athletico foram uma cobrança de falta feita por Terans, que Everson espalmou para escanteio, e uma cabeçada de Eric, livre, no último lance dos primeiros 45 minutos. No mais, só deu Galo. Vitória justíssima! 

O Galo voltou para o segundo tempo, sabendo que se marcasse mais um gol praticamente definiria o título. E esse gol veio aos 10 minutos. O Athletico saiu jogando errado, a bola sobrou para Hulk, que chutou forte. Santos espalmou e Vargas empurrou para o fundo das redes. 3 a 0. 

A torcida estava enlouquecida. O Furacão estava entregue, na lona, nas cordas, sem a menor possibilidade de reação. O Galo poderia aproveitar para fazer mais gols e garantir a taça. Eu escrevi na coluna de sábado que com dois gols de diferença o Galo não perderia a taça. Com três, então, não havia a menor dúvida. 

Mas o Galo estava mesmo a fim de garantir a taça no Mineirão. Bela jogada de Hulk, que tocou para trás e Vargas empurrou, novamente, para o gol. 4 a 0. 

No futebol existe o imponderável, mas, o time do Atlético é tão forte e consistente, dentro ou fora de casa, que é improvável qualquer tipo de ameaça. O Atlético sobrou, deu show, foi preciso e cirúrgico. Aproveitou-se da sua competência e das falhas individuais do adversário. 

Quarta-feira será um jogo para o Galo fechar o ano com chave de diamante.  Ainda que o rival paranaense seja muito forte em casa, é inimaginável o Galo perder essa conquista. Acabou! "E o Galo? O Galo venceu"! É bicampeão da Copa do Brasil! 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade