Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Galo continua com a faca, o queijo e a goiabada nas mãos

'Atlético tem aproveitamento excepcional, e se não bobear nessa reta final, ganha a taça com os pés nas costas'


04/10/2021 06:00 - atualizado 08/10/2021 10:50

Keno saiu do banco para marcar o gol e garantir vitória do Galo sobre o Internacional
Keno saiu do banco para marcar o gol e garantir vitória do Galo sobre o Internacional (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O Galo voltou ao Mineirão, depois da eliminação na semifinal da Copa Libertadores da América. O adversário era o Internacional, pelo Brasileirão. E o Atlético ganhou por 1 a 0, gol de Keno, mantendo-se distante do segundo e terceiro colocados, com uma boa gordura para queimar.

Há algum tempo eu digo que o Atlético deveria perseguir o título brasileiro, que não ganha há 50 anos. Copa do Brasil e Libertadores ele faturou em 2013-14, sob a batuta de R10 - , que não estava na conquista da Copa do Brasil - , Tardelli e outras feras, comandados pelo maior e mais vencedor presidente da história do clube, Alexandre Kalil.

No Brasileirão o Galo bateu na porta várias vezes. Em algumas foi derrotado por sua própria incompetência. Em outras, por encarar adversários mais qualificados e, em algumas, por erros crassos da arbitragem. Lembram quando enfrentou o Corinthians? Venceu o primeiro jogo por 3 a 2, perdeu o segundo por 2 a 0, e no terceiro, em São Paulo, houve empate por 0 a 0? Pois é! Naquele jogo o zagueiro Índio, do time paulista, meteu a mão na bola, dentro da área, como se estivesse jogando basquete, e o árbitro da partida, de frente para o lance, não marcou a penalidade.

Voltando um pouco mais no tempo, em 1985, Luiz Carlos Félix não deu o gol de Reinaldo, contra o Coritiba - a bola ultrapassou a linha do gol - e eliminou o Galo de chegar à final. Tem mais erros por aí. Porém, é bom lembrar que os árbitros erram contra e a favor, e é preciso o torcedor acabar com esse complexo. Estão errando até com o VAR!

O importante é que o atual time, sob o comando de Cuca, um baita treinador, está disparado no Brasileiro, consistente e disposto a acabar com o jejum que incomoda sua torcida. No Mineirão, venceu oito jogos, empatou um e só perdeu um no Brasileirão. Tem aproveitamento excepcional, e se não bobear nessa reta final, ganha a taça com os pés nas costas.

Esse mês será decisivo, pois o Flamengo perderá vários jogadores para as seleções da América do Sul. Dessa forma, ficará enfraquecido para alcançar o Galo. Arrascaeta, Islas, Gabigol e Everton Ribeiro vão estar fora em vários jogos. Somente o Flamengo foi a favor do adiamento dos jogos. Os outros 19 clubes mandaram seus jogadores assinarem um termo, exigindo férias e o fim do Brasileiro na data marcada.

A vitória sobre o Inter foi muito importante sob o aspecto emocional. Era preciso faturar os três pontos, para mostrar ao torcedor que o time ficou triste pela eliminação na Libertadores, mas que está bem vivo no Brasileirão. O próximo adversário é a Chapecoense, que deverá ser rebaixada, na casa dela.

O Galo tem que vencer. Não se pode perder pontos para times da parte debaixo. Cuca ficou feliz com a resposta. É esquecer Libertadores, ganhar os jogos restantes no Brasileirão, sem dar chance a Flamengo e Palmeiras, e se preparar para a semifinal da Copa do Brasil.

O Atlético está maduro para tal, e conta com a experiência de Rodrigo Caetano, executivo do mais alto nível, trabalhador, honesto, correto com seus princípios e objetivos. Os empresários têm até medo dele, pois não aceita propina, não faz conchavos e visa sempre o interesse do clube.

Além de conhecer futebol, como poucos, Caetano tem, mapeados, os principais jogadores do mundo. É um craque no que faz. Com ele e Cuca, acho difícil o Galo não faturar, ao menos, um título na temporada. E que seja o Brasileirão.

Pedrinho dispara


O mecenas do Cruzeiro, Pedro Lourenço, disparou contra o atual presidente do Cruzeiro e sua diretoria, taxando-os de 'incompetentes e que não ouvem ninguém', em entrevista ao repórter, Thiago Reis. Pedrinho tem salvado o clube, injetando grana. Mas, é claro, colocando como patrocínios futuros.

Até 2023 o espaço máster pertencerá ao seu grupo de empresas. Ele tem razão. A atual diretoria é das piores da história do clube, pois deixá-lo ficar três anos na Segundona é uma vergonha sem precedente. Não há desculpas!

Montaram time de Série B na Série B, e essa foi a principal causa de o clube não voltar à elite. Se não houver a transformação do Cruzeiro em empresa, o clube vai fechar as portas, segundo o advogado, Bruno Volpini, responsável por ajustar, juridicamente, a transformação do clube em empresa.

Há uma corrente forte, pedindo que Pedrinho cuide do futebol e que o atual presidente fique apenas como gestor administrativo. Talvez seja uma boa solução para 2022. O torcedor não vai suportar quatro anos na Segundona, caso o clube não suba para a elite em 2023. 2022, esqueçam, é na Segundona mesmo!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade