Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Em jogo sonolento, Galo derrota o São Paulo por 1 a 0

Tem gente que fala que a competição está só começando, mas, vale lembrar que em campeonato de pontos corridos, cada jogo é uma decisão


13/06/2021 18:14 - atualizado 14/06/2021 17:58

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )

O Galo derrotou o São Paulo, no Mineirão por 1 a 0, gol de Jair, e chegou aos 6 pontos no Brasileirão. Um jogo terrível, com duas equipes preocupadas em marcar, sem nenhuma criatividade. Se Atlético e São Paulo são mesmo candidatos aos títulos, precisam mostrar muito mais. Tem gente que fala que a competição está só começando, mas, vale lembrar que em campeonato de pontos corridos, cada jogo é uma decisão. Na temporada passada, o Galo não foi campeão por 3 pontos.


O jogo era muito ruim, sem inspiração por parte dos jogadores. Bola tocada para os goleiros, o tempo todo. Muita marcação, pouca criatividade. Porém, aos 15 minutos, belíssima jogada de Hulk, que avançou e tocou na direita. Hyoran cruzou e Jair, livre, empurrou para o gol. Galo 1 a 0. O São Paulo parecia ter medo de atacar. Tocava bola para trás, e pouco ousava. Quando chegava, pelas extremas, os laterais se livravam da bola. Como anda feio o futebol brasileiro. A criatividade ficou no passado. Hoje, os caras não treinam tabelas, não treinam cobranças de faltas, não treinam absolutamente nada. Acham que sabem tudo.

Leia também: Os argentinos é quem temem o Galo

É um futebol burocrático, onde o gol vira “um detalhe”. O Galo começa a ter a cara do Cuca. Como o Guga melhorou na marcação com o treinador. Até Ígor Rabelo tem feito bons jogos. E tinha torcedor querendo a demissão de Cuca. Gente, com 25 minutos, os goleiros não trabalhavam. Esse futebol atual, de posse de bola e toques para trás, impede as equipes de chegarem ao gol. Se isso é futebol moderno, eu desisto! Sim, não reclamem, sou saudosista mesmo. Vi os melhores do mundo. A geração “nutella” não sabe o que é futebol. E se contenta com qualquer coisa. O São Paulo ameaçava muito pouco, e conseguiu um bom lance, no final do primeiro tempo, que não deu em nada. Jogo fraquíssimo, para duas equipes que sonham com a conquista da taça.

No segundo tempo, esperava-se um pouco mais. Afinal, time que quer a taça tem que mostrar futebol de primeira linha. Mas o jogo continuava do mesmo jeito. Pouca imaginação dos jogadores, excesso de preciosismo e pouca objetividade. O São Paulo explorava contra-ataques. Criava muito pouco. O São Paulo quase chegou, em chute de fora de área de Rigoni. A bola foi a escanteio. O tal futebol moderno se baliza por posse de bola e pouca agressividade. Toca pra lá, toca pra cá, e nada. E tem gente que vai na onda chamando os caras de “externos, falando em segundo terço ou coisa parecida”. A nomenclatura é ruim, assim como o futebol apresentado. Quando você pega uma partida em que os goleiros não fazem uma defesa difícil, realmente tem que questionar.

A segunda bola era sempre do time paulista. Sabe o que isso queria dizer? Absolutamente nada! Que joguinho ruim. Se realmente Atlético e São Paulo são candidatos ao título, terão que melhorar muito. Jogo sofrível! Estava dando sono. Não gosto desse negócio de posse de bola. Isso é a maior balela que já inventaram. Futebol é bola na rede, e, nesse quesito, nosso futebol anda muito pobre. Os técnicos são previsíveis, não existe nada de novo. Sejamos honestos: assistir a um Atlético x São Paulo em que não houve uma defesa difícil por parte dos goleiros, é realmente frustrante.

Esse é o futebol que os dirigentes, insensíveis com a COVID-19, impõe goela abaixo da gente. Quase 500 mil mortos por essa terrível doença, e parece que está tudo normal. E seguem os jogos, segue o baile. No país da corrupção, da mentira e da falcatrua, as pessoas acham isso normal. Para os torcedores, porém, o importante é que o Atlético chegou a sua segunda vitória em 3 jogos. Eu sempre digo: não há o que comemorar. Num momento tão delicado da humanidade, o futebol “é a coisa mais importante, entre as menos importantes da vida”.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade