Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas JAECI CARVALHO

Guerra na Colômbia. Conmebol insensível

Já são quase duas semanas de protestos e paralisações em todo o território colombiano


13/05/2021 22:21 - atualizado 13/05/2021 22:41

Jogo entre América de Cáli-COL e Atlético foi interrompido no primeiro tempo(foto: AFP)
Jogo entre América de Cáli-COL e Atlético foi interrompido no primeiro tempo (foto: AFP)
O ser humano chegou a um ponto em que a vida não vale mais nada. O Atlético foi encarar o América de Cali, na Colômbia, país que vive uma espécie de guerra civil por causa do anúncio do governo de uma reforma tributária que aumentaria impostos em plena pandemia de Coronavírus. Já são quase duas semanas de protestos e paralisações, em todo o território colombiano. E, do lado de fora do estádio onde o Galo atuava, manifestantes e policiais se enfrentavam, e a todo momento, bombas de efeito moral eram lançadas, e o gás era levado para dentro do estádio, irritando os olhos dos jogadores.
 
A partida foi paralisada por 3 vezes, no primeiro tempo. Na terceira, foram 6 minutos. Os jogadores desceram para o vestiário, mas retornaram para finalizar os primeiros 45 minutos. E no finzinho, mais uma paralização. Todo mundo coçando os olhos. Que mundo é esse!

Enquanto a bola rolou, o jogo foi bom. O América é fraquíssimo e o Galo teve inúmeras chances de liquidar a fatura, mas o goleiro colombiano Graterol, estava em noite inspirada. Mesmo assim, Hulk fez 1 a 0, de cabeça, em cruzamento de Nacho Fernández. O América empatou logo em seguida. Contra-ataque puxado pelo meio, Moreno recebeu na direita, invadiu a área, driblando e chutou rasteiro, no canto de Everson, que para mim, falhou. Aos trancos e barrancos, depois de 5 paralizações, o primeiro tempo terminou empatado.

Lembro-me de um jogo do Flamengo, no Maracanã, pelo Campeonato Carioca, ano passado, em pleno pico da pandemia, em que os jogadores rubro-negros comemoravam gols, e ao lado, no hospital de campanha, montado, pessoas morriam pela Covid-19. Ou seja: para os dirigentes, a vida vale pouco.
 
E olha que teremos Copa América, na Colômbia, no próximo mês. Será que teremos mesmo? Fosse a Conmebol uma entidade preocupada com a vida, e já teria cancelado a competição naquele país, mudando a sede. Vejam que na Uefa a coisa funciona. A final da Champions League, marcada para Istambul, dia 29, foi transferida para a cidade do Porto. Manchester City e Chelsea decidirão a taça no estádio do Dragão. A cidade turca não tem condições de receber as delegações e jornalistas, por causa do aumento da pandemia do Coronavírus. No Porto, serão liberados 12 mil torcedores no estádio.

Eu esperava a suspensão da partida do Galo, mas não foi o que aconteceu. Os protestos continuavam, do lado de fora, e o jogo foi reiniciado. Será que havia policiamento suficiente para garantir a integridade dos jogadores, técnicos e todo o pessoal que trabalhava na partida? E se os manifestantes resolvessem invadir o estádio? Que vergonha!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade