Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Coluna do Jaeci

Sampaoli será subordinado a Rodrigo Caetano e diretoria

Rodrigo Caetano, novo diretor executivo do Galo, se reuniu com o presidente Sérgio Coelho


06/01/2021 20:19

Rodrigo Caetano tem uma imagem limpa no mercado(foto: Ricardo Duarte/Divulgação Inter)
Rodrigo Caetano tem uma imagem limpa no mercado (foto: Ricardo Duarte/Divulgação Inter)
Rodrigo Caetano, novo diretor executivo do Galo, se reuniu com o presidente Sérgio Coelho e ouviu dele o seguinte: o Atlético tem um projeto transparente, de propostas claras e objetivas, para tornar-se um grande ganhador de taças no futebol brasileiro.

Com a inauguração do estádio, prevista para 2022, o clube se tornará superavitário, pois os recursos para a construção do mesmo são do próprio clube, sem nenhuma dívida com bancos. Uma das exigências do novo presidente é a de que o diretor executivo não seja ligado a empresários e que não privilegie ninguém. Como ele próprio pediu ao conselho deliberativo que sua gestão seja auditada, do primeiro ao último dia, não vai admitir nenhum tipo de falcatrua.

Como Rodrigo Caetano tem uma imagem limpa no mercado, e jamais foi acusado de fazer conluio com empresário nenhum, Sérgio Coelho recebeu por parte de várias pessoas que consultou, as melhores informações sobre o novo diretor.

Rodrigo Caetano vai trabalhar em conjunto com Renato Salvador, homem Forte do futebol, e outra exigência do novo presidente é a de que o técnico Sampaoli tenha sempre diálogo com os diretores do clube: “Aqui tem hierarquia. Todos os funcionários têm direitos e deveres, e um deles, no caso da comissão técnica, é o diálogo aberto com todos nós. Eu sou um presidente ativo. Gosto de ir ao CT, de estar na sede. Meus filhos tocam minhas empresas, eu sou o presidente do conselho, e, dessa forma, tenho muito tempo para cuidar das coisas do Galo. Transparência na minha gestão é a palavra de ordem”.

O próprio presidente já teve reuniões com o treinador, que, dessa vez, entendeu que há um dirigente presente e que manda no clube. Rodrigo Caetano é muito respeitado por Jorge Sampaoli, que sabe a importância que ele tem para o futebol, por seus trabalhos anteriores.

Com Renato Salvador o diálogo com Sampaoli é franco e aberto, já que esteve presente em todas as reuniões para a contratação de Sampaoli, em São Paulo, e em sua casa, em Belo Horizonte.

Vale lembrar que Renato Salvador não terá nenhum tipo de remuneração – essa foi uma exigência dele para se tornar o homem que comandará o futebol do clube –, sempre em consenso com os outros 3 Rs, Ricardo Guimarães, Rubens e Rafael Menin.

Rodrigo Caetano é o executivo mais respeitado no país, e as conversas com ele aconteceram ainda em Porto Alegre, pois era um desejo do grupo que comanda o Galo, tê-lo no futebol.

A demissão do antecessor já estava programada, conforme antecipei há dois meses, desde que Sérgio Coelho foi o escolhido para ser o novo presidente. Ele só trabalha com gente de sua confiança, e esse é um direito de todos os dirigentes que assumem cargos executivos.

Já o Cruzeiro anunciou André Mazzuco, que tem histórico no Coritiba, e, seu último trabalho foi no Vasco da Gama. Sinceramente, não conheço a história desse rapaz, e, portanto, seria injusto avaliá-lo. Como o Vasco está numa situação delicada no Brasileirão, com riscos iminentes de queda, o torcedor do Cruzeiro não vê com bons olhos essa aquisição.

Porém, é importante dizer que se um clube não der a estrutura necessária, ninguém, consegue realizar um grande trabalho. É fato que o Cruzeiro, no ano do seu Centenário, vai continuar na Série B, o que é uma frustração para a torcida. A pergunta que o torcedor deve fazer é a seguinte: o Cruzeiro terá time de Série A na disputa da B, ou vai manter a mediocridade dessa temporada, jogadores de qualidade duvidosa, sem nenhuma história no futebol brasileiro?

Em janeiro passado eu avisei que, com esse grupo, o Cruzeiro não subiria e que ele precisava ter um técnico e um time de Série A na B. Brincaram com a verdade e o resultado est á aí. Muitas das vezes, as pessoas são bem intencionadas, mas é preciso mais que isso.

É necessário entender realmente de futebol. Eu disse que Felipão seria o técnico ideal para levar o Cruzeiro à elite, caso fosse contratado quando sugeri, logo após a queda de Enderson Moreira. Demoraram e contrataram Ney Franco.

Quando seguiram meu conselho, já era tarde, Felipão foi contratado para impedir a queda do time para a Série C. Isso ele vai conseguir. Espero que com planejamento e qualidade nas contratações, o Cruzeiro monte um time competitivo, pois Felipão vai começar um trabalho, como gosta de fazer.

Repito o que disse quando ele chegou: ele é treinador, não é milagreiro. Se não derem as peças necessárias, nada feito, o objetivo não será atingido. O Cruzeiro ainda tem o melhor orçamento da Série B, mas precisa usar criatividade na hora de contratar. Não é com jogadores como Sassá, Régis e outros menos votados, que conseguirá voltar aos seus melhores dias.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade