Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Alternativas japonesas

"O consumidor comum, na maior parte do mundo, ainda reluta em acreditar nas promessas de felicidade sem esforço"


postado em 02/11/2019 04:00

Nova geração do Honda Fit foi apresentada no Salão de Tóquio, mas só chegará ao Brasil em 2021(foto: Charly Triballeau/AFP)
Nova geração do Honda Fit foi apresentada no Salão de Tóquio, mas só chegará ao Brasil em 2021 (foto: Charly Triballeau/AFP)


O Salão do Automóvel de Tóquio, que se encerrará segunda-feira, é bienal, mas está em sua 46ª edição. Sempre voltado às nove principais marcas nacionais e, em muito menor escala, às de luxo: Lexus (Toyota), Acura (Honda) e Infiniti (Nissan). As três nunca empolgaram os compradores locais. Este ano, a exposição apresenta poucas novidades, embora sirva de palco aos avanços a serem demonstrados nos Jogos Olímpicos do próximo ano, em especial os autônomos e elétricos.
 
Foram reconhecidas as limitações ao transportar atletas e pessoas ligadas à 22ª Olimpíada. Esse tipo de veículo só circulará em rotas específicas, a baixas velocidades e sem interação com o tráfego de carros convencionais. As fabricantes locais sabem perfeitamente das restrições e preferem deixar as badalações sobre automóveis sem motorista para outras plagas.
 
Entre os modelos de alta produção, destacaram-se dois que chegarão ao Brasil em breve: as novas gerações do Honda Fit (em 2021) e do Nissan Versa, já no próximo ano. Ambos evoluíram bastante em termos de estilo, equipamentos e recursos tecnológicos, mas o Nissan virá do México. O Versa atual, produzido em Resende (RJ), continuará em linha rebatizado de V-Drive. O compacto da Honda terá versão híbrida (apenas a gasolina), assim como o topo de linha Accord.
 
O presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva, é um executivo que expõe ideias sem grandes rodeios. Até já admitiu que o Kicks terá opção igual à do Note japonês, líder de vendas no país de origem sem contar os subcompactos. Trata-se de um elétrico híbrido, também chamado híbrido em série. Com tração 100% elétrica, dispensa baterias caras e recargas demoradas: o motor a combustão (flex, aqui) apenas aciona um gerador. É só abastecer em um posto convencional para obter alcance superior a 1.000 quilômetros.
 
Silva surpreendeu ao admitir que outra solução vem evoluindo. Em até cinco anos seria possível abandonar a bateria em favor da pilha a hidrogênio, sem toda a infraestrutura custosa e específica de abastecimento. Hoje, o processo exige um reformador no veículo, volumoso e caro, para a partir do etanol produzir hidrogênio. Este abastece a pilha, que entrega energia elétrica ao motor. Único subproduto é vapor d’água. Ele revelou em Tóquio que o reformador poderá ser eliminado, o que abriria novo horizonte aos elétricos sem complicações e dúvidas existentes.
 
A Toyota exibiu um ultracompacto que batizou de BEV (sigla em inglês para veículo elétrico a bateria), em princípio para o mercado japonês. O simpático modelo de dois lugares, projetado para uso urbano, tem velocidade e alcance limitados. Visa atender à procura crescente por parte de pessoas idosas que buscam mobilidade independente. A empresa tem avançado com cautela nesse campo. Afirma que, à exceção da China, o automóvel dependente de bateria não garante modelo de negócio sustentável para fabricantes.
 
O consumidor comum, na maior parte do mundo, ainda reluta em acreditar nas promessas de felicidade sem esforço. E desconfia de subsídios elevados que governos podem retirar sem nenhum pudor, se algo der errado.

ALTA RODA

PARECE que agora vai. Se fracassou o noivado Renault-FCA, a PSA (Peugeot, Citroën e Opel) agora pode se fundir com o grupo ítalo-americano, segundo o bem-informado Wall Street Journal. A possível união criaria uma empresa com capacidade de produzir nove milhões de unidades/ano, 10% menos que os Grupos VW e Toyota, primeiros colocados em nível mundial.
 
MERCEDES-BENZ GLC (R$ 294.900 a 329.900) e GLC Coupé (R$ 362.900) acirram a concorrência entre SUVs premium. Grades, lanternas e novas saídas de escapamento marcam o ano-modelo. GLC estreia motor diesel 2,1-L, 194 cv/40,8 kgfm. Com tração 4x4 é pesado (1.835 kg) para esse trem de força, mas câmbio de 9 marchas ajuda. Assistência por voz (MBUX) é ponto de destaque.
 
VOLVO S60 apresenta boas soluções internas desde multimídia de tela vertical fácil de operar aos bancos dianteiros de primeira linha, além da atmosfera a bordo. Motor turbo 2-L, 254 cv oferece respostas vigorosas. Suspensões firmes e freios eficientes. Estilo evoluiu bem frente aos antigos Volvo. Condução semiautônoma é precisa, mas porta-malas deveria ser maior.
 
DESENHO da carroceria continua meio superado no Suzuki Jimny Sierra. Motor tem agora mais potência (108 cv) e torque (14,1 kgfm), embora o câmbio automático de só quatro marchas seja inimigo do silêncio a bordo em estrada. Veterano SUV compacto ficou um pouco menos duro. Espaço interno é bem limitado e porta-malas tem inexpressivos 85 litros. R$ 103.990 a 111.990.
 
AMIT LOUZON, presidente da Ituran Brasil, afirma que sua empresa de rastreamento conseguiu diminuir de 55 para 26 minutos o tempo de resposta ao ponto de localização de um veículo roubado ou furtado. “Sofisticados algoritmos de grande complexidade resultam em análises comportamentais superprecisas, facilitando o trabalho das equipes de recuperação”, afirma.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade