Publicidade

Estado de Minas NOSTALGIA

10 momentos que ajudam a contar os 35 anos do Fiat Uno no Brasil

Compacto da Fiat foi lançado em 1984 e se mantém em produção até hoje, ainda em sua segunda geração. Marca italiana soma aproximadamente 4 milhões de unidades produzidas do hatchback no país


postado em 05/10/2019 04:00 / atualizado em 04/10/2019 16:22

O Fiat Uno completou 35 anos de Brasil com aproximadamente 4 milhões de unidades produzidas, todas saídas da fábrica de Betim. O modelo chegou por aqui em 1984, apenas um ano depois de seu lançamento no mercado italiano. Atualmente, o Fiat Uno ainda é exportado para Argentina, México, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Chile, Uruguai, Bolívia e Peru. Confira 10 momentos que ajudam a contar a história do Uno no Brasil.

 

Fiat Uno SX era a versão de topo em 1984(foto: Fiat/Divulgação)
Fiat Uno SX era a versão de topo em 1984 (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

 1) O começo

O Fiat Uno foi lançado no mercado brasileiro em 1984. O design assinado por Giorgetto Giugiaro trazia linhas retas e aerodinâmicas, com bom aproveitamento do espaço interno. No início eram oferecidas duas motorizações, com 1.050cm³ de cilindrada e 1.300cm³. No início eram três versões: a de entrada S (Super), a intermediária CS (Confort Super) e a esportiva SX (Sport Experimental). Esta última trazia sob o capô motor 1.300 com carburador de corpo duplo que oferecia mais potência: 71,4cv com gasolina e 70cv com etanol). O painel tinha instrumentos adicionais, como conta-giros e manômetro de óleo. Por fora, o para-choque tinha um discreto defletor e faróis de longo alcance.

 

A perua Fiat Elba foi lançada em 1986(foto: Fiat/Divulgação)
A perua Fiat Elba foi lançada em 1986 (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

2) A família 

 

Logo o modelo ganhou uma família, a começar pela chegada do sedã Premio (em 1985), seguido pela perua Elba (em 1986). Estes modelos trouxeram a motorização 1.5, de 71cv, para a gama. Os utilitários vieram só em 1988, com a picape e furgão batizados de Fiorino, além do Uno Furgão, versão comercial sem bancos e revestimentos traseiros que “abriam” um volume de carga de 1.300 litros.

 

A versão esportiva 1.5R foi lançada em 1987(foto: Fiat/Divulgação)
A versão esportiva 1.5R foi lançada em 1987 (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

3) Versão esportiva 

 

A versão esportiva chegava em 1987, o icônico Uno 1.5R. O design era caprichado, com faixas laterais, rodas esportivas, tampa traseira em preto e cintos de segurança vermelhos. O motor 1.5 era um pouco mais vitaminado, com 86cv, que levavam o veículo até os 162km/h, acelerando até os 100km/h em 12 segundos. Dois anos depois, com a maior capacidade volumétrica do motor, a versão passa a ser denominada 1.6 R.

 

Uno Mille foi o primeiro carro popular do Brasil nos anos 1990(foto: Fiat/Divulgação)
Uno Mille foi o primeiro carro popular do Brasil nos anos 1990 (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

4) Popular

 

Na onda dos carros populares, que enquadrava os automóveis com motorização até 1.000cm³ em uma alíquota de IPI reduzido, a Fiat lançou o Uno Mille em agosto 1990. A resposta da Fiat ao programa foi rápida graças ao motor 1.050, que foi adaptado. O preço era convidativo, o consumo de combustível baixo e o modelo vendeu bastante, sendo um dos responsáveis pelo crescimento da marca. Mas o desempenho era sofrível: 48cv de potência e 7,4kgfm de torque.

 

Versão esportiva 1.6R com a frente baixa, reestilização que estreou na linha 1991(foto: Fiat/Divulgação)
Versão esportiva 1.6R com a frente baixa, reestilização que estreou na linha 1991 (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

5) Reestilização

 

A linha Uno de 1991, assim como o Prêmio e a Elba, ganhou uma reestilização na dianteira, quando recebeu a chamada frente baixa. Faróis e grade ganharam perfil mais baixo, inspirados na versão italiana do modelo.

 

Uno Mille Eletronic, de 1992, trazia como novidade a ignição eletrônica(foto: Fiat/Divulgação)
Uno Mille Eletronic, de 1992, trazia como novidade a ignição eletrônica (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

6) Eletronic

 

Pressionada para atender às normas de emissões da época (e sem o uso do catalisador!), em 1992 o motor 1.0 ganha ignição eletrônica. A denominação Eletronic muitas vezes é confundida como a chegada da injeção eletrônica de combustível no modelo (o que só viria em 1995), mas na verdade o veículo ainda adotava um carburador de corpo duplo, o que resultou no aumento de potência para 56cv e 8,2kgfm de torque.

 

O Uno foi o primeiro automóvel do Brasil a sair de fábrica equipado com motor turbo, em 1994(foto: Fiat/Divulgação)
O Uno foi o primeiro automóvel do Brasil a sair de fábrica equipado com motor turbo, em 1994 (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

7) Turbo

 

O Uno foi o primeiro automóvel do Brasil a sair de fábrica equipado com motor turbo, em fevereiro de 1994. Importado da Itália, o propulsor tinha 1.372cm³ de cilindrada, com 118cv e potência e 17,5kgfm de torque. Era o suficiente para acelerar até os 100km/h em 9,2 segundos e atingir a velocidade máxima de 195km/h.

 

Novos faróis e grade mais robusta marcaram a reestilização de 2004(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press)
Novos faróis e grade mais robusta marcaram a reestilização de 2004 (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press)
 

 

8) Outro tapa

 

Em 2004, para comemorar seus 20 anos, o compacto passou por uma nova reestilização, desta vez um pouco mais profunda. A dianteira ganhou novos faróis e uma grade mais robusta. Atrás, as lanternas também foram redesenhadas, e a placa foi deslocada da tampa para o para-choque.

 

Segunda geração foi lançada em 2010 com o conceito de design %u201Cquadrado redondo%u201D(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press)
Segunda geração foi lançada em 2010 com o conceito de design %u201Cquadrado redondo%u201D (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press)
 

 

9) O novo

 

A nova geração do modelo foi lançada em 2010 com o conceito de design “quadrado redondo”, uma bem-sucedida releitura do modelo original, consagrando-o como um autêntico clássico nacional. A novidade foi muito bem recebida pelo público, e as primeiras unidades a circular roubavam a cena por onde passavam.

 

Uno %u201Cclássico%u201D se despediu em 2013 com a versão especial Grazie Mille(foto: Fiat/Divulgação)
Uno %u201Cclássico%u201D se despediu em 2013 com a versão especial Grazie Mille (foto: Fiat/Divulgação)
 

 

10) A despedida

 

Mesmo com a chegada da nova geração, o Uno “clássico” durou até 2013, quando o guerreiro resolveu pendurar as chuteiras. Para homenageá-lo, a Fiat lançou uma versão especial de despedida, batizada Grazie Mille, com tiragem limitada a 2 mil unidades numeradas. O veículo ganhou rodas de liga leve de 13 polegadas, sistema de som com subwoofer, tapetes acarpetados, além de bancos e portas com revestimentos mais requintados. 

 

 


Publicidade