Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas padecendo

Por que as mães não fazem sexo

Quando a mulher se sente valorizada pelo que ela é, a libido não vai embora. Ela até aprecia aliviar as tensões fazendo sexo


(foto: Depositphotos)
(foto: Depositphotos)


Há uns 20 anos, me hospedei na casa de uma senhora; ela já tinha até bisnetos. Ela me mostrou a casa. Era casada há décadas, mas, para minha surpresa, no quarto do casal havia duas camas de solteiro. E ela, sem a menor cerimônia, me disse: “Há muitos anos separei as camas, eu não sou depósito de esperma”.

Eu havia acabado de conhecê-la e ela já estava jogando aquela verdade na minha cara. Sem eu ter perguntado nada. Recado dado; ela não era obrigada e separou as camas para deixar isso bem claro.

Vinte anos depois, estamos no meio de uma pandemia e a vida sexual de muitos casais vem sendo afetada. O isolamento social altera a libido. A pandemia forçou os casais a passarem mais tempo em casa, isso aumentou a convivência entre o casal e os filhos. Mais convívio, mais conflitos, mais divórcios. A maioria dos pedidos de divórcio parte das mulheres.

As mães não estão a fim de transar. A questão não é só falta de libido, é cansaço. O acúmulo de jornadas de trabalho, o desgaste emocional. Dividir-se entre o home office, as aulas on-line das crianças, fazer as refeições da família, a preocupação com a renda, preocupação com os hospitais lotados, com as pessoas doentes. Insônia.

E os padrões de beleza? Aqueles padrões inatingíveis que a gente vê na mídia? Corpo sarado, cabelo escovado, unhas feitas. Mais um turno para manter a imagem? Ou é possível fazer as pazes com o espelho sem se encaixar em padrões? A opinião do marido também conta muito e tudo isso interfere em como uma mulher vai viver a sua sexualidade.

É tanta sobrecarga, que sexo acaba saindo da lista de prioridades das mães. Já os pais usam o sexo com válvula de escape. Eles não são de conversar, de dividir os problemas com amigos como nós mulheres fazemos.

Por medo de perder o parceiro, tem mulher que acaba cedendo a fazendo sexo sem vontade. E essa função depósito de esperma não ajuda em nada. Pode ser até bem dolorosa.

Por outro lado, tem casais relatando que o relacionamento melhorou com a pandemia, apesar de tudo. Esses casais dividem as tarefas domésticas e as responsabilidades com os filhos. Eles sabem o valor do trabalho de cuidado e entendem que ele não é remunerado, mas é fundamental.

Quando a mulher se sente valorizada pelo que ela é, a libido não vai embora. Ela até aprecia aliviar as tensões fazendo sexo. Aliás, sexo é mesmo uma excelente válvula de escape quando é feito por prazer, e não por obrigação.

Mães só não fazem sexo quando o relacionamento as sufoca. O primeiro passo para mudar isso é entender que cuidados com casa e filhos é responsabilidade do casal. É dever de ambos. Homem que ajuda em casa, que cuida dos filhos, não está fazendo mais que a obrigação.

Marido lavando louça ou trocando fralda fica muito sexy porque diminui o peso sobre os nossos ombros. Quando conseguimos descansar, o sexo volta para a lista de prioridades.

Senhores casados que não movem uma palha em casa, que acham que são mais bonitos que as esposas e que podem se dar ao luxo de nunca lavar um copo, nunca lavar um banheiro, nunca ajudar um filho na aula on-line, vocês não são a última limonada do deserto! Dividam as obrigações que o prazer vem em dobro!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade