Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Bolsonaro reclama de perseguição política no combate à pandemia de COVID

Presidente disse também que o governo brasileiro não tem mais de onde comprar imunizantes contra a doença


19/03/2021 04:00 - atualizado 19/03/2021 07:54

Bolsonaro reclamou com apoiadores das pressões que vem sofrendo sobre a atuação do governo(foto: ALAN SANTOS/PR)
Bolsonaro reclamou com apoiadores das pressões que vem sofrendo sobre a atuação do governo (foto: ALAN SANTOS/PR)


“Qual país do mundo que está tratando bem a questão da COVID-19? Aponte um. Em todo local está morrendo gente. Agora, aqui, virou uma guerra contra o presidente. Um dos raros países onde querem derrubar o presidente é aqui. Eles não apresentam soluções. Quando eu digo, né: Me apresente um país onde está dando certo o combate à COVID. Não tem, tá. Esses caras que querem me derrubar, o que vocês fariam no meu lugar? Ah, comprar vacina. Onde é que tem vacina para vender? Onde tem vacina para vender?” As declarações são do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O governo precisa fazer algo diferente? “Já está sendo feito. O diferente é seguir as recomendações da ciência. O presidente escolheu um médico para o ministério, um médico que é oriundo de uma sociedade científica, a Sociedade Brasileira  de Cardiodlogia, que foi sempre quem protagonizou a medicina baseada em evidência”. Dessa vez é novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

E foi ele quem deixou claro: “A expectativa é que consigamos ampliar cada vez mais a vacina. A vacina, como sabemos, não vai resolver a curto prazo esses óbitos. O que resolve? Política de distanciamento social inteligente e melhorar a qualidade de assistência nas unidades de terapia intensiva (UTIs)”. Fica então a pergunta ao novo ministro Marcelo Queiroga: combinou com o presidente da gripezinha?.

Resposta rápida – pesquisa Datafolha divulgada ontem informa: impeachment, não. Pelo menos por enquanto. Mas outros dados mostram que cresceu para 56% o número de brasileiros que consideram o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incapaz de liderar o país. Na pesquisa anterior, realizada em janeiro, 50% dos entrevistados haviam dado essa resposta.

Já que é assim, melhor trazer uma notícia que vem da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ). “Ao mesmo tempo em que os hospitais e unidades especializadas enfrentam o desafio de garantir o acesso para atender pacientes da COVID-19, há procedimentos essenciais que devem ser garantidos, especialmente no que se refere às gestantes.”

Bastaria, mas ela acrescentou: “É fundamental para detectar precocemente patologias que podem representar um risco tanto para a mãe quanto para o feto”. A deputada Luziane Bayer (PSB-RS) fez coro: “Enquanto perdurarem as medidas de isolamento e quarentena para contenção da pandemia da COVID-19, as gestantes e puérperas devem ter acesso facilitado a cuidados intensivos e à internação em leitos de UTI”.

Audiência pública

O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara, informou que o colegiado apresentou requerimento de sua autoria para realização de audiência pública com os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Defesa, Fernando Azevedo. “Nossa expectativa é que os ministros atendam ao nosso convite rapidamente. As audiências serão abertas a todos os deputados. No que depender de mim, a CREDN terá uma ação proativa nas questões da política externa brasileira e de defesa nacional, com todas as suas inúmeras conexões com a vida cotidiana dos brasileiros. Neste momento, em especial, na busca de melhores condições para o enfrentamento dessa crise sanitária sem proporções que o mundo e o Brasil estão vivendo”, afirmou o parlamentar mineiro em mensagem nas redes sociais.

COVID-MG

A deputada estadual Ana Paula Siqueira (Rede) citou estudo da Rede Análise COVID-19, que reúne especialistas e acadêmicos, que fazem previsão de uma mortalidade diária de 4 mil pessoas para abril em todo o país. “Já há também uma preocupação com a falta de oxigênio”, lamentou. Já o deputado Carlos Pimenta (PDT) alertou para a possibilidade de que se esgotem, em poucos dias, medicamentos essenciais para combater a pandemia nos hospitais do Norte de Minas. O deputado Arlen Santiago (PTB) também cobrou equipamentos para hospitais da região.

A assinatura

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, enviou carta ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 26 de fevereiro. No entanto, a relação entre os presidentes só foi revelada agora, isso mesmo, ontem. O fato é que a carta só foi divulgada pela equipe de comunicação da Presidência da República mais de 20 dias depois do recebimento. “O presidente Biden saudou a oportunidade para que ambos os países unam esforços, tanto em nível bilateral quanto em fóruns multilaterais, no enfrentamento aos desafios da pandemia e do meio ambiente...” Quem assina? A Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom).

Pêsames

O senador Sérgio Olímpio Gomes estava internado desde 2 de março no Hospital São Camilo, em São Paulo. Em 5 de março, foi transferido para uma unidade de tratamento intensivo (UTI). A triste informação veio na sua conta do Twitter: “Com muita dor no coração, comunicamos a morte cerebral do grande pai, irmão e amigo, senador Major Olímpio (PSL-SP). Por lei, a família terá que aguardar 12 horas para confirmar o óbito e está verificando quais órgãos serão doados. Obrigado por tudo que fez por nós, pelo nosso Brasil”.

Cancela tudo

Depois da morte do senador Major Olímpio, o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro (ainda sem partido) cancelou a sua ida ao Congresso, o ato simbólico de entrega das medidas provisórias (MPs) que permitem a volta do auxílio emergencial. De acordo com a Secretaria Especial de Comunicação Social, a MP sobre o auxílio emergencial será encaminhada, ainda hoje, só que será pelas vias administrativas.

PINGA FOGO

  • “Minha solidariedade à família e amigos… Infelizmente mais uma vítima da COVID-19”, lamentou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O senador petista Humberto Costa seguiu o tom. Lamentou a perda e lembrou que o Senado perde seu terceiro integrante vítima da pandemia.

  • “Recebi com enorme tristeza a notícia da morte do amigo Major Olímpio, meu companheiro de lutas no Senado Federal. A sua figura combativa fará falta ao Congresso e à política nacional.” Desta vez é o senador Lasier Martins, ressaltando ter recebido a notícia do companheiro de várias lutas.

  • Falando em Lasier Martins, ele foi diagnosticado com a COVID-19 no início do mês, na mesma semana em que os senadores Major Olímpio e Alessandro Vieira (Cidadania-SE) também testaram positivo para o novo coronavírus. Lasier teve alta médica ontem.

  • Já sobre a nota ‘A assinatura’ vale a pergunta: será saudade de Donald Trump?. Ou, efeito Lula, já que em entrevista o ex-presidente chegou a chamar Joe Biden de um “sonho ou o novo respiro para a democracia?”.

  • Para encerrar: “O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, decidiu restringir, por duas semanas, a presença física dos parlamentares e funcionários no plenário, comissões e dependências da Casa”. Sendo assim, só resta encerrar. FIM!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade