Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Áreas 'esquecidas' do corpo devem ser adequadamente protegidas do sol

Especialista recomenda filtro solar, em primeiro lugar. Pés, mãos, nuca, nariz, pálpebras, lábios e orelhas merecem atenção especial


01/12/2021 04:00 - atualizado 01/12/2021 07:19

Mulher toma sol na praia com óculos e chapéu
Mulher toma sol na praia com óculos e chapéu (foto: Pixabay)


Os raios solares causam danos e, por consequência, envelhecimento biológico e molecular da pele. Cuidado: algumas regiões são mais suscetíveis ao surgimento de manchas, sinais de envelhecimento, lesões e câncer de pele.

A exposição solar sem a fotoproteção adequada é o mais importante agressor da pele, pois leva a um dano cumulativo, causando mudanças nas bases do DNA celular que provocam reações de mutação, com consequente fotoenvelhecimento precoce, inflamação e cancerização.

“A melhor forma de proteção é o filtro solar, mas regiões do corpo são esquecidas e podem sofrer queimaduras solares ou, por conta do dano cumulativo, alterações mais graves”, alerta a especialista Roberta Padovan, pós-graduada em dermatologia e medicina estética.

Conheça a seguir as particularidades de sete áreas do corpo esquecidas na fotoproteção:

. Pálpebras e canto interno dos olhos
Ambas são preocupação mundial pelo aumento da incidência de câncer de pele, que já chega a 10% nessas áreas frequentemente negligenciadas, apontou pesquisa da Universidade de Liverpool. De acordo com o estudo, ao passar filtro solar no rosto, a tendência é esquecer cerca de 10% da face – incluindo pálpebras e a região entre o canto interno do olho e o nariz.

“A proteção solar adequada deve ser feita com a cobertura de todo o rosto, além do uso de chapéus e principalmente óculos de sol, pois a área dos olhos tem pele extremamente fina e suscetível a danos, inclusive câncer”, informa Roberta Padovan. O paciente deve priorizar produtos oftalmologicamente testados, protegendo a área sem correr risco de reação.

. Cantos e ponta do nariz
Um dos pontos altos do rosto, o nariz é um dos primeiros a ficar vermelho, a sofrer queimaduras e, no futuro, adquirir manchas e até mesmo câncer. O paciente deve espalhar bem o filtro por toda a extensão do nariz, incluindo os cantos, afirma a médica.

. Região da boca e lábios
Ao redor dos lábios e do bigode, o fotoprotetor deve ser bem aplicado para prevenir a formação de manchas e evitar ou suavizar o famoso “código de barras”. No caso dos lábios, batons ou hidratantes labiais com FPS podem ser usados, recomenda Roberta.

. Orelhas
As mais esquecidas na proteção solar. Ao longo do tempo, podem apresentar feridas por conta do sol. “Preste atenção para aplicar e reaplicar o protetor em cada curva e cantinho. Use chapéu com abas largas para protegê-las”, diz Roberta Padovan.

. Nuca
Não acredite que o cabelo longo te protege. Use fotoprotetor, lembre-se de aplicar generosamente o produto.
. Dorso dos pés
Os pés podem sofrer queimaduras se forem negligenciados. Na praia, o corpo geralmente fica na sombra, mas o pé recebe a radiação diretamente. Espante o medo de que a areia cole nos pés e aplique o filtro.

. Mãos
Talvez seja uma das regiões que mais sofrem com o processo de envelhecimento fotoadquirido. Não é à toa que essa pele é uma das primeiras a apresentar rugas, flacidez e manchas. O melhor remédio é o filtro solar.

A exposição solar tem horários recomendados: até as 10h e depois das 16h, pois há menor incidência da radiação ultravioleta B. O filtro deve ser aplicado no mínimo 30 minutos antes da exposição solar direta, além de ter FPS de no mínimo 30. Peles mais claras devem usar FPS 50.

“O protetor deve combinar filtros químicos e físicos. Filtros físicos são partículas inorgânicas que refletem ou dispersam a radiação, já os químicos são partículas orgânicas que absorvem o fóton de energia”, explica a especialista. “O filtro deve ter proteção eficiente contra as radiações UVA e UVB, mas também deve proteger da luz visível e da Infrared”, recomenda Roberta Padovan.

Por fim, a reaplicação do protetor é indicada a cada duas horas ou após 20 minutos na água.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade