Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas coluna

Laranja em excesso aumenta risco de câncer de pele

Estudo conclui que comer duas frutas por dia aumenta em 63% risco de câncer de melanoma


15/06/2021 04:00

Estudo conclui que comer duas laranjas por dia aumenta em 63% risco de câncer tipo melanoma(foto: Reprodução da internet)
Estudo conclui que comer duas laranjas por dia aumenta em 63% risco de câncer tipo melanoma (foto: Reprodução da internet)

A laranja é a bola da vez. Estudo publicado em março no British Journal of Dermatology diz que o psoraleno, substância presente nessa fruta tão gostosa, torna pele mais sensível à radiação ultravioleta e tem propriedades fotossensibilizantes e fotocarcinogênicas, sendo encontrado em abundância em produtos cítricos. Segundo os pesquisadores, comer duas laranjas por dia aumenta em 63% risco de câncer de pele melanoma.

Ovo, café, carne vermelha, manteiga e abacate foram alguns dos muitos alimentos que estiveram, por anos, na lista de coisas que prejudicam a saúde. Hoje, a recomendação é que cada pessoa coma pelo menos três ovos por dia para ser saudável. Ficou provado que a gordura do abacate é boa, o café tem inúmeros benefícios, e por aí vai.

Até então, no meu raso conhecimento do assunto, só tinha ouvido falar em duas recomendações com relação à ingestão de frutas. A primeira é que não se deve comer mais de duas frutas por dia por causa do excesso de frutose, que se transforma em açúcar no sangue, e a segunda é que pessoas com problemas renais não devem consumir carambola.

Agora chegou essa novidade. “Indivíduos que consomem mais frutas cítricas, principalmente laranja e suco de laranja, correm maior risco de melanoma em comparação com aqueles que não consomem”, de acordo com a pesquisa publicada. Os resultados sugerem que o consumo de mais de duas porções de frutas cítricas por dia está associado a um risco 63% maior de melanoma em relação àqueles que não consomem frutas cítricas.

A dermatologista Letícia Bortolini pondera: “Os resultados não estão bem estabelecidos internacionalmente pela comunidade científica, ainda mais pelo modelo do estudo. Esse é um risco que devemos considerar, que não era imaginado. Pelo contrário, quantas vezes já ouvimos falar que a vitamina C é um ótimo antioxidante, mas nunca se pensou nos psoralenos. Mas serve como alerta de que tudo precisa de harmonia e equilíbrio e é bom evitar os excessos”.

Melanoma é o tipo de câncer de pele com o pior prognóstico e o mais alto índice de mortalidade. “Embora a principal causa do melanoma seja genética, a exposição solar também influencia no aparecimento da doença –principalmente com os elevados índices de radiação, que atingem níveis considerados potencialmente cancerígenos, onde ocorre exposição à radiação UVA/UVB e IR (infravermelho)”, completa a médica.

Usando dados do UK Biobank, os pesquisadores foram capazes de revisar uma amostra de 198.964 pessoas, composta de 1.592 pessoas com diagnóstico de melanoma e 197.372 controles. Os dados de ingestão de cítricos foram coletados por meio de cinco rodadas de questionários. A pesquisa descobriu que aqueles que consumiram mais de uma porção de laranja por dia tiveram um risco 79% maior de melanoma em comparação com aqueles que não consumiram. Os que consumiram mais de uma porção de suco de laranja aumentaram o risco em 54%.

Segundo Letícia, essa pesquisa, desde que confirmada em mais estudos posteriores, pode ajudar os profissionais médicos a aconselharem melhor os pacientes que já estabeleceram fatores de risco, como histórico familiar de melanoma, para reduzir a ingestão de frutas cítricas. Apesar das limitações desse estudo, os dados de uma grande amostra de base populacional, controlando variáveis sociodemográficas, fornecem as primeiras evidências em apoio a uma associação entre o alto consumo de frutas cítricas e o risco de melanoma.

Vamos ver até quando a laranja e os cítricos ficarão na berlinda. Esse é só o começo. Pelo padrão do que ocorreu com os demais alimentos, serão anos de castigo.

(Isabela Teixeira da Costa/Interina)


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade