Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Minha preferência pela baguete tem razão

O emblemático pão da gastronomia francesa é candidato ao patrimônio cultural imaterial da Unesco


03/04/2021 04:00

Em pé de igualdade com o vinho e o queijo, a baguete é um dos símbolos típicos da França e, particularmente, de sua capital(foto: Fred TANNEAU/afp)
Em pé de igualdade com o vinho e o queijo, a baguete é um dos símbolos típicos da França e, particularmente, de sua capital (foto: Fred TANNEAU/afp)

 
Sempre gostei de pão. Comecei minha preferência com os italianos, que levam sempre uma camada de torresmo e que por aqui não existem. Só em São Paulo. Mas quando fui a Paris pela primeira fez, apaixonei-me pela baguete, que só conhecia de cinema. Minha ligação com os pães é diferente. Quando me mudei para uma casa, consegui logo um valente que passava bem cedo entregando pão vindo direto da padaria.
 
O tempo passou, o entregador sumiu, adotei então a prática de minha saudosa e querida amiga Raquel Cohen: compro um tanto de pãezinhos, coloco bem embrulhado no congelador e vou usando de acordo com a necessidade. Primeiro pedia na padaria, por telefone, agora, a entrega só é feita por quem usa celular. Deixei a prática de lado e tenho comprado nas mercearias.
 
Mas a minha história mais famosa de pão aconteceu com minha adoração pela baguete: estava em Paris, no aeroporto de Orly, encontrei uma padaria, comprei várias baguetes e trouxe comigo, já sonhando com um café da manhã em casa, com baguete quente e muita manteiga. Como cheguei da viagem altas horas da noite, deixei as baguetes na mesa de jantar. No dia seguinte, quando fui cumprir meu gosto, encontrei uma cestinha cheia de torradas. Minha cozinheira de 40 anos de casa viu aqueles pães dormidos e transformou em lindas torradinhas.
 
A baguete tipo francesa custou a chegar por aqui. Foi trazida pelo primeiro Carrefour, onde passei a fazer minhas compras de mercearia mensais só para trazer os pães comigo. O tempo passou, a demanda aumentou e o pão perdeu sua graça, acho que passou a ser feito na máquina, em lugar de usar a mão dos padeiros. Deixei pra lá a mania.
 
Agora fico sabendo que minha preferência pela baguete tem razão. O emblemático pão da gastronomia francesa é candidato a patrimônio cultural imaterial da Unesco, através de inscrição ao concurso realizada pelo Ministério da Cultura francês. Se este reconhecimento for alcançado, a inscrição da baguete "permitiria sensibilizar de que uma prática alimentar que faz parte da vida cotidiana, partilhada por todos e tida como certa, constitui um patrimônio em si", afirma o comunicado.
 
O diabo é a demora – a decisão da Unesco só será anunciada no final de 2022. A decisão do governo da França tem uma razão bem séria: o ministério lembrou que o número de padarias na França "continua diminuindo, especialmente nas comunidades rurais. "Em 1970, havia 55 mil padarias artesanais (uma para cada 790 habitantes) em comparação com as 35 mil hoje (uma para cada 2 mil), muitas vezes se beneficiando da venda de baguetes produzidas industrialmente". A conquista do título não é fácil. Todos os anos, a Unesco inscreve quase uma centena de bens no patrimônio imaterial mundial. Uma das condições de aceitação é que o objeto candidato diga respeito a toda uma comunidade, como é o caso dos padeiros para a baguete.
 
E para quem gosta do assunto, e não conhece, vale trazer aqui a história da baguete, que começou em 26 Brumário do ano 2 da Revolução Francesa – data que, no calendário gregoriano, corresponde a 15 de novembro de 1793. A Convenção aprovou um decreto que tornava obrigatório o acesso de todo cidadão francês a um mesmo tipo de pão, denominado “pão da igualdade”. 
 
Era instituída, então, a famosa baguete. As medidas do pãozinho são precisas: 80 centímetros de comprimento, de 6 a 7 centímetros de largura e peso entre 250 e 300 gramas. O lançamento foi um fracasso. Em 1856, Napoleão III tentou reinstituir o pão longo e crocante, sem muito sucesso a mais. Foi somente após a libertação dos nazistas, em 1944, que a baguete (inicialmente um fenômeno só parisiense) se ampliou em todos os cantos da França.
 
No mundo inteiro, a baguete é um dos símbolos típicos da França e, particularmente, de Paris. Em pé de igualdade com o vinho, o queijo e a boina, a baguete ganhou fama, apesar da imensa variedade de outros pães. Para democratizar a baguete e baixar seu preço, o leite foi suprimido dos ingredientes. O pão se assenta e toma a forma dos cestos onde é colocado. Leve e crocante, a baguete vai bem em quase todas as mesas e é o único pão em todo o mundo que assumiu esta forma tão alongada.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade