Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

O sal é importante para a saúde, mas deve ser usado com moderação

A eliminação total do sódio da alimentação pode causar dores de cabeça, fraqueza muscular, vômitos, diarreias e até arritmia cardíaca


22/03/2021 04:00

Médicos recomendam o consumo diário de 5g de sal(foto: Ciclovivo/reprodução)
Médicos recomendam o consumo diário de 5g de sal (foto: Ciclovivo/reprodução)

 
Você já deve ter ouvido falar que sal e açúcar em excesso são os vilões da dieta. Mas isso não necessariamente deve entrar em sua cabeça como proibição. “A exclusão total do sódio da alimentação e dietas extremamente restritivas podem levar ao problema conhecido como hiponatremia, que é a diminuição, no sangue, do sódio em relação à água. Isso pode causar edema cerebral e crises convulsivas. A ausência desse mineral também pode ser o motivo de dores de cabeça, desidratação intensa, fraqueza muscular, vômitos, diarreias e até mesmo de arritmia cardíaca”, afirma a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).
 
No caso de praticantes de exercícios físicos, a falta de sódio dificulta a contração muscular, piora o desempenho e causa cãibras. “Nosso organismo precisa de sódio, mas em baixas quantidades. Segundo a Organização Mundial da Saúde, devemos ingerir cerca de 2,4g de sódio por dia (5g de sal, aproximadamente). Em países tropicais, com clima mais quente, transpiramos mais e perdemos mais sal. Então, zerar sua ingestão não é recomendado”, afirma a médica.
 
O brasileiro adulto ingere, em média, 12g diárias de sal, mais que o dobro do reco- mendado. Portanto, para a população em geral, a orientação de reduzir o consumo de sal é correta. Em muitas situações, o limite de 5g deve ser reduzido, mas sempre com orientação médica.
 
Mineral importante, o sódio atua em funções do organismo como o equilíbrio de líquidos, impulsos nervosos, ritmo cardíaco e contração muscular, entre outros. “Sódio e potássio no sangue desempenham a função ativa de transportar nutrientes em níveis celulares. Na prática, isso significa que o sódio ajuda na troca de nutrientes no meio celular, sejam eles aminoácidos, glicose ou água. Por isso, ele é fundamental no processo de contração muscular durante um treino ou esforço físico, por exemplo, e também na recuperação”, explica Marcella Garcez.
 
No caso de praticantes de musculação, a baixa ingestão ou eliminação total do sódio pode prejudicar o processo de contração muscular, além da qualidade dos treinos.
 
A ideia equivocada de zerar a ingestão de sódio é cópia de estratégias adotadas por fisiculturistas antes de competições para desidratar o corpo e melhorar a definição muscular. “Mas isso é nocivo para o organismo”, adverte a médica.
 
Tudo deve ser feito com equilíbrio, pois sal em excesso prejudica a função renal, pode causar problemas cardíacos e o desequilíbrio hídrico no corpo. A grande questão para você se precaver do consumo excessivo é estar atento aos rótulos dos produtos alimentícios.
 
Geralmente presente em temperos industrializados e comidas industrializadas, o sódio também está embutido em alimentos doces, como refrigerantes. Até água com gás pode ter muito sódio. Em excesso, ele contribui para o aumento da pressão arterial, fator de risco para doença cardiovascular e problemas circulatórios, além de aumentar muito a retenção hídrica.
 
Se você tem uma dieta muito rica em sódio, começa a inchar e reter muito líquido no organismo. Isso pode levar a problemas como edema, pernas pesadas e cansadas, informa a médica Aline Lamaita, integrante da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.
 
O segredo de tudo é a moderação. “Uma dieta individualizada, equilibrada, variada e o mais natural possível sempre trará mais benefícios ao organismo do que dietas baseadas em restrições e excessos”, conclui a nutróloga Marcella Garcez.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade