Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Tratamento de feridas ganha centro de referência em BH

Serviço tem como objetivo acolher e cuidar de pacientes com algum tipo de ferida, seja ela recente ou crônica


24/09/2020 04:00

Unidade do Mater Dei no Santo Agostinho passa a contar com o Centro de Feridas e Hiperbárica(foto: Jackson Romanelli/EM/D.A Press %u2013 24/9/10)
Unidade do Mater Dei no Santo Agostinho passa a contar com o Centro de Feridas e Hiperbárica (foto: Jackson Romanelli/EM/D.A Press %u2013 24/9/10)

Os leitores desta coluna já devem ter percebido que não acontece nada na Rede Mater Dei de Saúde que eu não registre aqui. Tenho prazer em fazer isso porque retribuo o que recebo do hospital. Desde que tive meu primeiro câncer até nos últimos seis anos, tudo que acontece na minha família passa pelo hospital. Esse tipo de atendimento e de carinho merece toda a minha consideração, com Salvador, Norma, Henrique e o corpo médico da instituição, porque de todos recebo o mesmo tratamento. Então, não deixo nada que acontece por lá sem relatar aqui, porque não só serve a mim como por aos demais usuários da Rede.

E a última novidade de lá é a inauguração do Centro de Feridas e Hiperbárica da instituição. O serviço está localizado no Mater Dei Santo Agostinho e tem como objetivo acolher e cuidar de pacientes com algum tipo de ferida – seja ela recente ou crônica. O tratamento acontece por meio dos cuidados habituais das feridas, associado à oxigenoterapia hiperbárica, que é uma modalidade terapêutica na qual o paciente inala oxigênio puro em uma pressão maior que a pressão atmosférica normal, dentro de uma câmara hermeticamente fechada.

Para a vice-presidente assistencial e operacional, Márcia Salvador Géo, a Rede Mater Dei busca, constantemente, "investir em novas tecnologias e serviços para que as equipes assistenciais possam oferecer o melhor tratamento e os melhores recursos às pessoas que confiam em nossa Rede, além de buscar atestar sua qualidade e segurança, seguindo padrões internacionais, como certificar a Rede pela JCI – Joint Comission Internacional", destaca.

Segundo o médico coordenador do Centro de Feridas e Hiperbárica da Rede Mater Dei de Saúde, Roberto Zambelli, o Centro de Feridas e Hiperbárica será pioneiro em Belo Horizonte. “Somos o primeiro hospital a contar com a oxigenoterapia hiperbárica dentro da instituição hospitar. Normalmente, esse tipo de serviço é executado em ambiente extra-hospitalar, em clínicas. Com isso, a Rede Mater Dei reforça seu diferencial: atendimento integrado, contando com o suporte de várias clínicas e de toda a tecnologia disponível, atuando juntos em benefício do nosso paciente”. As câmaras hiperbáricas são individuais e possuem janelas de acrílico que permitem ao paciente assistir à televisão e visualizar o exterior, minimizando, assim, a sensação de desconforto que muitas pessoas podem ter em ambientes fechados.

As sessões de oxigenoterapia hiperbárica podem aumentar em até 20 vezes o volume do oxigênio transportado pelo sangue. Esse sangue, riquíssimo em oxigênio, produz diversos benefícios no organismo, pois combate infecções causadas por bactérias e fungos, compensa a deficiência de circulação sanguínea causada pelo entupimento dos vasos ou a destruição dos mesmos em casos de esmagamento e amputação de braços e pernas. Além disso, ele também pode neutralizar substâncias tóxicas e toxinas, potencializando a ação de alguns antibióticos e, consequentemente, ajudando na cicatrização de feridas agudas ou crônicas, de difícil cicatrização.

A oxigenoterapia hiperbárica tem uma série de indicações, entre elas, para feridas de difícil cicatrização, como úlceras de perna, feridas nos pés diabéticos, feridas nas nádegas ou outras regiões do corpo de pessoas acamadas por longo período; incisões cirúrgicas que não cicatrizam; infecções graves com destruição de músculos, pele ou gordura subcutânea; lesões na bexiga, intestinos, ossos e cérebro causadas por radioterapia, esmagamento e/ou amputações traumáticas; infecções crônicas dos ossos, conhecidas como osteomielites; procedimentos de cirurgia plástica reparadora (enxertos com sofrimento); e presença de bolhas de ar na corrente sanguínea, complicação passível de ocorrer devido a alguns procedimentos médicos (embolia gasosa arterial).

É indicada ainda para queimaduras extensas; abcessos intra-abdominais ou intracranianos; anemias agudas ou crises de anemia falciforme; preparo para regiões que receberão enxertos; vasculites alérgicas ou causadas por picadas de insetos, aranhas e/ou serpentes; envenenamento por monóxido de carbono, cianeto ou derivados; gangrena gasosa (mionecrose fulminante; síndrome de Fournier);cegueira súbita por oclusão da artéria central da retina; perda neurossensorial aguda (surdez súbita); e doença descompressiva, que aco- mete mergulhadores e profissionais que trabalham em profundidades, como em mineradoras.

Quem pensa que é só isso não conhece o amplo espectro desse tipo de medicina, que atende a todo o corpo e inúmeras dificuldades. Quem quiser se informar melhor, ou agendar tratamento, deve ligar para o Centro de Feridas e Hiperbárica, pelo telefone (31) 3339-9595. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade