Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Homme ofice faz aumentar a demanda por cirurgias plásticas

Especialista diz que a possibilidade de permanecer em casa estimula pacientes a operar o nariz e o queixo. Neste caso, máscaras devem ser usadas com orientação médica


12/08/2020 04:00

Médicos recomendam cuidado no uso de máscaras durante o período pós-operatório(foto: Oded Balilty/AFP)
Médicos recomendam cuidado no uso de máscaras durante o período pós-operatório (foto: Oded Balilty/AFP)
Apesar do aumento vertiginoso de buscas no Google pelo termo “rinoplastia” nas últimas semanas, as pessoas têm muitas dúvidas quanto à realização desse e de outros procedimentos cirúrgicos faciais em meio à pandemia. Uma delas tem a ver com o uso da máscara de proteção para evitar o contágio pelo novo coronavírus: afinal, ela pode interferir no resultado de uma cirurgia no nariz ou queixo?.

“O uso de máscara não impede a realização do procedimento. É só tomar cuidado para que ela não aperte muito a região. Da mesma forma que o uso de óculos deve ser evitado nos primeiros dois meses após a rinoplastia, o uso de máscaras mais apertadas não é recomendado nos primeiros três meses. O ideal é ter um período de recuperação em casa”, explica o médico Paolo Rubez, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, especialista em rinoplastia estética e reparadora pela Case Western University e mestre em cirurgia plástica pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Segundo o especialista, o trabalho em home office contribui para o aumento da demanda por cirurgias plásticas faciais, pois é favorável à recuperação do paciente. “O home office vem trazendo diversas pessoas aos consultórios justamente porque permite que elas se recuperem em casa, sem se afastar completamente do trabalho”, afirma Rubez. Antes, os pacientes precisavam pedir férias ou dias de folga para o repouso adequado.

“Há procura principalmente por cirurgias faciais, que causam maior inchaço e podem ser feitas neste momento porque os hospitais seguem protocolo muito rigoroso para evitar a COVID-19, inclusive testando os pacientes e a equipe responsável pela cirurgia”, explica o médico.

Após a cirurgia, o ideal é a pessoa ficar em casa pelo menos 15 dias sem usar o equipamento de proteção. Além disso, o repouso doméstico ajuda a evitar a exposição solar, que pode comprometer o resultado. “Depois desse período, quando for usar máscara, é necessário optar por uma que não pressione a estrutura operada, pois ela fica frágil, sobretudo nos primeiros seis meses. Isso vale principalmente para as cirurgias de mentoplastia (queixo), rinoplastia (nariz) e perfiloplastia (queixo e nariz)”, afirma Paolo Rubez.

Além das recomendações gerais com relação ao coronavírus e às orientações convencionais, que incluem permanecer em repouso e evitar exposição ao sol, o paciente recém-operado deve tomar cuidados para evitar o contágio por agentes patógenos e adotar medidas para acelerar a recuperação e o processo de cicatrização.

“No período pós-operatório, a imunidade fica reduzida, pois o sistema imune está com suas forças voltadas para o processo de cicatrização”, explica o médico. “Então, o ideal é permanecer em quarentena total de 14 dias após o procedimento, mantendo a higienização constante da residência e de todos os objetos que lá entrarem.”
Também recomenda-se beber dois litros de água diariamente, no mínimo, e reduzir o consumo de açúcar e sal, que prejudicam o processo de cicatrização. Outros hábitos que devem ser repensados no período pós-operatório são o tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas.

“O cigarro, além de aumentar a produção de radicais livres, causa constrição dos vasos sanguíneos, com a consequente diminuição do aporte de oxigênio e nutrientes para a pele, o que dificulta a cicatrização e recuperação do paciente”, comenta o cirurgião. “Já o álcool causa um processo inflamatório na pele que retarda a cicatrização, além de favorecer a vasodilatação, aumentando os riscos de sangramento e prolongando o processo de recuperação pós-operatória.”

Porém, o mais importante é o paciente seguir as recomendações do médico, pois a preparação e a recuperação das cirurgias podem ser diferentes, dependendo da pessoa. “Em caso de dúvidas, pergunte novamente quais são as orientações em vez de pesquisá-las na internet, pois o ambiente digital está repleto de informações incorretas que podem colocar sua saúde física e mental em risco”, recomenda Paolo Rubez.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade