Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Confira dicas para evitar dormir ao volante

Durante as férias, aumenta o risco de acidentes nas estradas devido a distúrbios relacionados ao sono


postado em 13/01/2020 04:00

O período de férias chegou e as estradas ficam ainda mais movimentadas. Com o aumento de veículos nas rodovias, todo cuidado é pouco para evitar transtornos. Nesta época, um dos grandes vilões é o sono ao volante, que pode provocar acidentes graves e acabar com a tão esperada viagem com a família ou amigos. Antes de pegar a estrada, o motorista deve estar bem-disposto e decidir o melhor horário para passar horas na direção. Especialistas em distúrbios do sono aconselham: o condutor precisa estar descansado e optar por um horário em que se sinta bem para dirigir.

Em muitos casos, os melhores horários para fugir dos congestionamentos são os mais arriscados. O risco de morte é quatro vezes maior em acidentes noturnos. Durante a madrugada, a gravidade dos desastres costuma ser ainda maior. Nesse período, o trânsito melhora, veículos aumentam a velocidade e os motoristas ficam mais sujeitos a cansaço e sonolência. Isso ocorre porque a temperatura do corpo cai de madrugada e os condutores ficam mais propícios à perda de coordenação motora e reflexo.

Além disso, o motorista não deve se arriscar e sair à noite depois de um dia inteiro de trabalho para enfrentar horas de viagem. Se a única opção for viajar após o expediente, a dica é tirar uma soneca de aproximadamente 15 minutos antes de pegar a estrada. Outro cuidado é evitar comer em excesso antes de dirigir, pois alimentos pesados e em demasia podem aumentar a sonolência.

O motorista usa três funções importantes para dirigir – cognitiva, motora e sensório-perceptiva. A primeira está ligada à atenção, concentração e agilidade mental. A segunda permite realizar movimentos de cabeça, braços, pernas, etc. A terceira está relacionada à sensibilidade tátil, visão e audição. O sono deve estar em dia para que as funções atuem de maneira adequada e o condutor esteja preparado para enfrentar adequadamente as rodovias.

Quem sofre de sonolência excessiva diurna e sente vontade incontrolável de dormir durante atividades rotineiras ou em momentos inoportunos deve ficar mais atento ainda. Adormecer numa reunião de trabalho ou no cinema pode ser desagradável, mas a situação se agrava quando o sono surge ao volante. Na verdade, a sonolência excessiva diurna deve ser levada muito a sério e suas causas precisam ser investigadas para evitar consequências significativas. A prevalência da sonolência diurna, que afeta aproximadamente 30% da população adulta, traz problemas para a saúde, prejudica o desempenho profissional e acadêmico e compromete as funções psicossociais.

A causa mais comum da sonolência excessiva diurna é a privação crônica do sono. Estimativas indicam que dormimos 25% menos do que nossos antepassados, há um século. No nosso caso, isso é intencional, muitas vezes impulsionado por fatores sociais ou econômicos. As opções de compra no período noturno, a internet e a televisão incentivam, cada vez mais, a privação do sono. 


Publicidade