Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Campanha pelo velho e bom sabão de coco

Lava-roupas ocuparam o lugar do antigo produto de limpeza, mas consumidores devem ficar atentos aos rótulos dos novos detergentes, pois alguns componentes químicos podem causar complicações à saúde da pele


postado em 14/09/2019 04:00


Quem é atento aos meios de comunicação já deve ter percebido que o tradicional sabão de coco está fazendo campanha persistente para voltar a ser usado como antigamente. Os sabões modernos, criados especialmente para máquinas de lavar, estão ocupando o seu lugar. E o lava-roupas é um item imprescindível no dia a dia do brasileiro, tornando muito mais fácil conseguir peças limpas e brancas sem a necessidade de esfregá-las.

Porém, o que poucos sabem é que esses produtos contêm componentes químicos agressivos que podem causar uma série de complicações à saúde da pele. “Detergentes e sabões para lavagem das roupas são compostos por químicos tóxicos, conservantes, fragrâncias e pigmentos artificiais. Eles podem desencadear uma série de reações adversas na pele, como dermatites de contato, principalmente em pessoas que já têm histórico de eczema e outras alergias”, explica a especialista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

O uso excessivo do produto pode torná-lo ainda mais prejudicial. Quando aplicados em grandes quantidades, sabões podem ficar impregnados entre as fibras do tecido e entrar em contato direto com a pele. Logo, você precisa ter certeza de que está usando apenas a quantidade necessária do produto. “Geralmente, a irritação surge em forma de erupções parecidas com eczemas, ou seja, tendem a tornar a pele seca, vermelha e descamativa”, ressalta a dermatologista.

Mas, afinal, como saber se o sabão é realmente o culpado pelo problema? De acordo com a médica, a primeira coisa que se deve fazer é analisar itens básicos que podem causar alergias. Usou esmalte? Foi picado por algum inseto? A que produtos para a pele você tem recorrido? Preste atenção principalmente a hábitos que o tenham desviado da rotina habitual, como um cosmético novo comprado recentemente.

“Caso nenhuma dessas possibilidades seja a causa do problema, deve-se analisar o local da alergia. Se for no rosto, o lava-roupas pode ser o culpado, caso você durma de lado e tenha trocado lençóis recentemente. O mesmo vale para as roupas, caso a dermatite tenha surgido nos braços ou tronco”, alerta.

Outro motivo que pode indicar se o produto é culpado pela irritação é a recente troca de marca. Porém, é importante ressaltar que você pode desenvolver alergia a um certo ingrediente a qualquer momento, mesmo se já utiliza o produto há anos.

Para determinar de modo definitivo a causa do problema, o ideal é consultar um dermatologista ou alergista, pois apenas ele poderá unir suas observações com exames clínicos para elaborar o diagnóstico correto, indicando o melhor tratamento. “O médico poderá fazer um teste de contato, no qual os componentes do produto são individualizados e aplicados na pele. Após isso, espera-se 48 horas e é medido o nível de vermelhidão, descamação e irritação que esses componentes causaram no local de aplicação”, destaca a dermatologista.

Geralmente, o tratamento de alergias causadas por contato com ingredientes agressivos consiste no uso de medicamentos antialérgicos tópicos e orais, cosméticos formulados com ativos calmantes e a interrupção do uso do produto que causou a irritação. No lugar do sabão que causou a alergia, pode-se optar, por exemplo, por produtos mais naturais e menos sintéticos.

“Pelo fato de as dermatites de contato causadas por esse tipo de produto não serem incomuns, fabricantes de lava-roupas estão desenvolvendo fórmulas hipoalergênicas para que você possa usá-los sem maiores preocupações. Em caso de dúvida, fique atento ao rótulo e procure por substâncias como amônia, petrolato, parabenos, formaldeídos e fragrâncias e pigmentos artificiais”, conclui Paola Pomerantzeff.


Publicidade