SIGA O EM

João Leite e Kalil promovem ataques sem trégua pelo voto em BH

Alexandre Kalil e João Leite mantêm o corpo a corpo com eleitores na reta final de campanha, defendem algumas propostas de governo, mas não perdem oportunidade para trocar acusações

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1082035, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Cristina Horta e Jair Amaral /EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Kalil visitou \xe1rea sem saneamento no Bairro Palmeiras, enquanto Jo\xe3o Leite se reuniu com servidores da Prefeitura de BH: em meio a propostas, ataques ao advers\xe1rio ', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/25/817442/20161025090956555822u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 25/10/2016 06:00 / atualizado em 25/10/2016 09:10

Maria Clara Prates , Marcelo da Fonseca

Cristina Horta e Jair Amaral /EM/D.A Press
 

Os dois candidatos a prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS) e João Leite (PSDB), começaram a última semana de campanha com nova troca de acusações. Enquanto o empresário tratou de atacar mais uma vez a administração do PSDB na Secretaria de Saúde da capital, o deputado tucano disse que, se eleito, vai obrigar o adversário a pagar cada centavo da dívida que ele tem com o IPTU. João Leite afirmou que tem obrigação de mostrar ao eleitor as mentiras do seu oponente e não poupou termos pejorativos para classificá-lo: “plagiador”, “condenado”, “debochado”. Kalil prometeu terminar a campanha falando apenas de propostas, mas avisou que vai se defender quando atacado: “Se ele vier (me atacar) tem pra ele, como sempre teve. Porque para falar dos outros é preciso ser limpo e correto e ele tem muitos defeitos”.

Nessa segunda-feira (24), em campanha no Bairro Palmeiras, Região Oeste da capital mineira, o ex-presidente do Atlético visitou o Córrego Buritis, no Bairro Palmeiras, local com péssimas condições de saneamento e que aguarda obras há mais de duas décadas, segundo os moradores. Kalil prometeu que os investimentos em saneamento básico serão prioridade em sua gestão, caso eleito prefeito, mas afirmou que só fará promessas quando tiver certeza de que a prefeitura terá dinheiro para fazer obras. O candidato disse ainda que os problemas de saneamento estão diretamente ligados aos problemas de saúde da população mais carente e aproveitou para emendar mais uma crítica ao adversário. Segundo ele, o PSDB comanda a pasta da saúde há oito anos e não tem administrado bem as verbas do setor. “Tem dinheiro para a saúde. Neste ano o orçamento teve R$ 2,4 bilhões para saúde. Mas não podemos deixar mais os desvios imorais que acontecem na secretaria do PSDB.”

João Leite pediu votos nessa segunda-feira (24) aos servidores da PBH. Em encontro no Teatro da Cidade, Região Centro-Sul, ele prometeu um canal aberto de diálogo permanente. “Vamos discutir as carreiras sem privilégio para uma ou outra. É importante que o servidor tenha conhecimento de como será seu futuro. Um futuro que será definido sempre conversando com eles. Terei um espaço aberto para a discussão e valorização do servidor público, que é importante para a população”, afirmou. Em entrevistas depois do evento, ele voltou a atacar o candidato do PHS: “A população já sabe que o candidato Kalil não paga seus trabalhadores. Tem R$ 140 milhões de dívidas com os trabalhadores. E agora, uma semana antes do fim da campanha, pega R$ 2,2 milhões e coloca na sua campanha”, afirmou.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
gloria
gloria - 25 de Outubro às 10:49
Ah, pelos comentários parece que o Kalil vai trabalhar de graça ,não vai custar nada a BH, me poupe.
 
Eduardo
Eduardo - 25 de Outubro às 10:35
Vejo que Kalil está totalmente enrolado na justiça. Me pregunto como um candidato desse não foi enquadrado na lei da ficha limpa. Quantos aos defensores do Falil, ano que vem caso ele ganhe, vai chegar a conta para todos pagarem as dividas dele.
 
Full
Full - 25 de Outubro às 10:34
O que leva uma anta a votar num desqualificado como esse Kalil? Só pode ser m.... na cabeça.
 
Ricardo
Ricardo - 25 de Outubro às 10:27
O melhor exemplo que tenho do João Leite foi a sua atuação desastrosa na Comissão dos Direitos Humanos. Candidato que defende marginais não tem meu voto
 
Antônio
Antônio - 25 de Outubro às 09:45
Debate entre o parasita que só sabe sugar nossos impostos com mordomias absurdas. Cada deputado mineiro custa mais de um milhão para os cofres de minas, e o sofredor, pagador de impostos, que sustenta essas mordomias absurdas.
 
Antônio
Antônio - 25 de Outubro às 09:42
O candidato parasita só sabe atacar Alexandre Kalil! Não responde quanto custa suas mordomias na assembleia mineira. E aí Deputado é verdade que você recebe de salário e auxílios, moradia, gasolina, querosene, correios, telefone, paletó dentre outra mordomias mais de trezentos mil reais? É verdade que seu gabinete pode ter até mais de trinta e seis assessores de livre nomeação e exoneração? Você custa para o povo mineiro só de salários e mordomias mais de um milhão por mês? Acha isso legal? Acha isso moral? Pois eu que pago imposto acho isso de uma imoralidade e desonestidade sem tamanho!
 
Druso
Druso - 25 de Outubro às 10:36
ô seu jegue, então vote direito, escolha melhor seus deputados para que eles possam mudar este estado de coisa. A culpa é sua, que escolheu mal, e não do deputado que está lá. Mula!
 
Eduardo
Eduardo - 25 de Outubro às 10:32
Caro Antonio, e para o deputado Paulo Lamac, vice do Kalil, você faria as mesmas perguntas acima?
 
Mário
Mário - 25 de Outubro às 09:15
Se o Kalil deve, o João Leite também deve, por receber salários indevidamente, mais de 60 mil/mes entre 1999/2003: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2009/12/16/interna_politica,140327/deputados-que-receberam-supersalarios-sofrem-nova-derrota.shtml
 
gloria
gloria - 25 de Outubro às 10:38
Credo! Se esse Kaiu rsrs ganhar vamos ser a piada nacional por termos colocado o PT na prefeitura de BH. Já não basta a vergonha que passamos com o PT no governo.