SIGA O EM

Em visita ao Mercado Central, Kalil promete 'não meter o nariz' nas polêmicas

O candidato disse ter ouvido dos comerciantes e dirigentes sobre um projeto de construir mais alguns andares no mercado central, mas disse que isso eles terão de apresentar, fazer audiência pública e ver com a Justiça

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1066284, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Edesio Ferreira/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/08/22/796212/20160822191942871762i.JPG', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 22/08/2016 14:44 / atualizado em 22/08/2016 19:20

Juliana Cipriani /

Edesio Ferreira/EM/D.A Press

O ex-presidente do Atlético Alexandre Kalil (PHS), candidato à prefeitura de BH, se reuniu na manhã desta segunda-feira com a direção do Mercado Central, no Centro da capital, e fez o tradicional corpo a corpo com os lojistas e consumidores. A única proposta que ele disse ter para o local é “não meter o nariz”, sem interferir em nenhuma questão, inclusive na polêmica da venda de animais, que gera constantemente várias manifestações dos defensores dos bichos.

Kalil visitou inclusive o setor dos animais, que tinha vários pássaros em uma mesma gaiola, cachorros e outros bichos, um ambiente sem divisão com outros setores com odor bastante fétido. Questionado se era a favor da venda dos bichos naquelas condições, Kalil disse que é a favor de não intervir. “Se você tem um passarinho que é permitido na gaiola, se ele é permitido na minha casa, ele é permitido na gaiola em qualquer lugar. Você não encontra aqui no mercado um canário chapinha porque é crime. Se uma ararinha pode ficar na gaiola da minha casa ela pode, não podemos interferir em nada”, disse. O candidato comparou a situação ao fechamento de supermercados aos domingos. Disse que ambos “não são assunto da prefeitura”.

Kalil disse ter ouvido dos comerciantes e dirigentes sobre um projeto de construir mais alguns andares no mercado central, mas disse que isso eles terão de apresentar, fazer audiência pública e ver com a Justiça. “Explicamos para eles que não se faz em uma canetada”, disse. Na sua andança pelas lojas, Kalil tomou um cafezinho e comeu queijo. Tirou fotos e brincou com alguns que passavam por ele, ora dizendo que eram cruzeirenses, ora dizendo que eram atleticanos. Alegando estar com problema no estômago, o candidato se recusou a degustar o tradicional abacaxi.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
SAMUEL
SAMUEL - 23 de Agosto às 21:26
E ainda me aparecem uns babacas, como esse Giovani, pra usar este espaço pra promover a candidatura desse safado.
 
MARCONI
MARCONI - 23 de Agosto às 14:33
Pilantra!
 
Guilherme
Guilherme - 22 de Agosto às 20:54
O mundo evolui, felizmente, mas como algumas pessoas são lentas. Se vivesse na época da escravidão certamente seria dos que diriam: "se o senhor da terra comprou o escravo e possui toda a documentação necessária, não vejo problema algum."
 
Guilherme
Guilherme - 22 de Agosto às 20:49
Tem canário-chapinha sim e muito mais. Pode perguntar em qualquer loja que eles te arrumam o que quiser. Sei da época que ainda fazia sacanagem com os bichos e mantinha algumas aves presas. Se você encomendar eles te arrumam o que quiser, de aves a répteis nativos e alguns chegavam a manter esses animais lá mesmo, nos andares superiores das lojas. Outro dia avistamos e fotografamos um cardeal na praça Raul Soares, ave nativa do Pantanal e da região sul do país, que certamente escapou de alguma loja no Mercado Central.
 
MARCONI
MARCONI - 22 de Agosto às 20:11
O grande desafio deste safado vai ser convencer o eleitorado esclarecido de que ele é honesto.
 
Carlos
Carlos - 22 de Agosto às 17:36
Não quer proibir aquela crueldade que é venda de animais no Mercado Central, então não terá o meu voto. e ainda vou trabalhar contra.
 
Júlio
Júlio - 22 de Agosto às 17:32
Diz que não vai meter o nariz em polêmica ? Olha o nível desse candidato .Quer dizer que vai sentar na cadeira de prefeito pegar seu salário no fim do mês e não vai se envolver com polêmica,que se dane os problemas da que envolvam polêmica então.Ver o absurdo daqueles animais no mercado expostos a crueldade não tem polêmica alguma,é crueldade,mas como todo politico safado quer ganhar votos até do capeta se possível.
 
Giovani
Giovani - 23 de Agosto às 07:26
Ler é uma coisa entender é outra. O que vemos hoje é candidato dando opinião em setores que não é de sua responsabilidade. Aí vem o eleitor desinformado e vota no cara que tirou os bichos do mercado central, mas que não cuidou dos "bichos hunanos" com suas políticas públicas. O cara foi no mercado assim como outros irão, pq é ponto de concentração de pessoas.
 
Giovani
Giovani - 23 de Agosto às 07:26
Ler é uma coisa entender é outra. O que vemos hoje é candidato dando opinião em setores que não é de sua responsabilidade. Aí vem o eleitor desinformado e vota no cara que tirou os bichos do mercado central, mas que não cuidou dos "bichos hunanos" com suas políticas públicas. O cara foi no mercado assim como outros irão, pq é ponto de concentração de pessoas.
 
Altarimo
Altarimo - 22 de Agosto às 16:56
Eu só gostaria de fazer uma pergunta pro Kalil: Se na PBH ele fará igual no Atlético, joga as dívidas pra frente pra fazer bonito agora e, que se lasque o resto todo! Vamos gastar e resolver o "meu mandato"
 
Giovani
Giovani - 23 de Agosto às 07:32
Reparcelamento de contas é como estar devendo o cartão de crédito, nome sujo e sem poder comprar. O correto é renegociar a dívida e continuar sobrevivendo, e investir no presente. Ruim se fosse ele quem tivesse feito as dívidas. Gestor que pega empresa devendo, pra começar a governar tem que renegociar o que se deve, não tem nada errado nisso.
 
ALFREDO
ALFREDO - 22 de Agosto às 15:56
Deixar este safado ser prefeito é o mesmo que deixar a raposa tomar conta do galinheiro.
 
SERGIO
SERGIO - 22 de Agosto às 14:55
Se pudesse o cara nem faria campanha: era só contar com a "massa" e pronto... Mas não é tão fácil ganhar a prefeitura assim e na hora de apresentar proposta... "não aguenta!" kkkkkkkk