SIGA O EM

Marcio Lacerda faz visita surpresa em posto de saúde

Prefeito foi verificar a qualidade do serviço, conversa com pacientes, questionar funcionária, mas nega campanha durante expediente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/07/2012 06:00 / atualizado em 11/07/2012 07:56

Juliana Cipriani /

Cristina Horta/EM/D.A PRESS


Em tempos de campanha e com integrantes do campo adversário dentro de casa, o prefeito Marcio Lacerda (PSB) resolveu fiscalizar, literalmente de perto, o andamento dos trabalhos na Prefeitura de Belo Horizonte. Um dia depois de ameaçar de demissão os que prejudicarem a imagem da PBH ou fizerem campanha em horário de trabalho, recado dirigido especialmente aos cerca de 900 petistas lotados na sua administração, o socialista fez uma visita surpresa a um posto de saúde e uma farmácia que fornece medicamentos para os usuários do SUS na Região de Venda Nova. Acompanhado de uma equipe de auditoria, Lacerda visitou as dependências do posto e questionou funcionários e pacientes sobre a eficácia dos serviços prestados. Anunciou uma auditoria na área de saúde e que cerca de 1,5 mil usuários por dia receberão telefonemas para saber como foram recepcionados nos 147 postos da capital.

Segundo o prefeito, aumentaram as críticas sobre o atendimento em postos de saúde. “Dado o clima, é importante que eu esteja mais perto dos problemas para que as ações tenham o conteúdo adequado. Tenho receio dessa questão política”, disse. Segundo ele, há algum tempo pessoas do PT estariam prejudicando sua administração. “Não fizemos nenhuma ação mais drástica porque o adversário trabalha muito com a versão dos fatos, fala que é perseguição”, disse.

Sobre as demissões dos petistas lotados na PBH, que começaram a ser publicadas ontem no Diário Oficial, Lacerda afirmou que todos os apadrinhados estarão fora. Quem for apenas filiado mas não exercer miltância política, em tese, fica. “Exceto em casos de militância dentro da prefeitura, de prejuízo à população, usar o cargo em função das eleições, não vamos exonerar ninguém, temos que respeitar a opção política das pessoas. Evidentemente, sendo cargo de confiança, de indicação política, vamos exonerar todos. Essa é a prática”, disse.

Por volta das 15h, os usuários do Centro de Saúde Rio Branco foram surpreendidos com a chegada de um prefeito simpático, que lhes perguntava sobre a satisfação no atendimento e pedia lista de remédios para conferir. Em seguida, Lacerda constatou nas dependências do posto que apenas uma médica atendia no local. “Eu, como executivo, tenho dificuldade de entender como você, com apenas duas médicas, bota uma de férias”, disse se dirigindo à gerente da unidade, Andrea Helena Morais, que explicava que a equipe estava desfalcada. À noite, a assessoria da PBH informou que Andrea Morais foi exonerada. Acompanhado do secretário de Saúde, Marcelo Teixeira, do PSDB, Lacerda quis saber como era o controle do estoque de medicamentos e por que faltava dipirona na unidade. Lacerda negou que a visita em horário de trabalho fosse campanha. “Estou fazendo o meu trabalho, isto aqui não é evento de campanha. Apenas, naturalmente, quando o prefeito trabalha, vai a determinado lugar, muitas vezes convida a imprensa”, disse.

Enquanto isso, petistas dão adeus


Conforme anunciado e pedido pelos próprios petistas o Diário Oficial do Município (DOM) publicou ontem a exoneração de seis funcionários em cargos de confiança ligados ao PT. Foram exonerados: a secretária adjunta de Assistência Social, Elizabeth Leitão; a secretária adjunta de Planejamento Urbano, Gina Rende; o secretário de Políticas Sociais, Jorge Nahas; a secretária de Educação, Macaé Evaristo; o secretário municipal de Infraestrutura e Obras, Murilo Valadares, e o secretário de Planejamento, Orçamento e Informação, Paulo Bretas. Foram designados para os postos: Afonso Celso Renan Barbosa (Educação), Flávio Duffles (Políticas Sociais), Gelisson Souza (Planejamento, Orçamento e Informação), Marcello Faulhaber (Desenvolvimento) e Marcelo Mourão (Políticas Sociais).