Publicidade

Estado de Minas Aniversário

Fiat comemora 45 anos no Brasil com a liderança em automóveis e comerciais

Montadora teve cinco modelos entre os 10 mais emplacados em junho, e no acumulado do ano tem a picape Strada como um fenômeno de vendas


10/07/2021 04:00 - atualizado 09/07/2021 18:54

Primeiro SUV, o compacto Pulse, baseado no Argo(foto: fiat/divulgação)
Primeiro SUV, o compacto Pulse, baseado no Argo (foto: fiat/divulgação)


A Fiat comemorou ontem seus 45 anos de história no Brasil, desde que, em 1976, inaugurou sua fábrica em Betim. De lá pra cá, a montadora viveu períodos de altos e baixos, enfrentando diferentes políticas econômicas e as variações do mercado mundial. Agora, em meio à pandemia da COVID-19, a Fiat se beneficia com a interrupção ou redução da produção de alguns de seus principais concorrentes, e, com isso, assume a liderança nas vendas de automóveis e comerciais leves no país, com 22,23% de participação no acumulado do ano. Em junho, a montadora teve cinco modelos entre os 10 mais emplacados, com a picape Strada na liderança geral. E para este semestre, a montadora lançará o Fiat 500 elétrico e o SUV compacto Pulse. Para 2022, a promessa é mais um SUV, baseado no conceito Fastback, apresentado no último Salão do Automóvel de São Paulo.
 
Agora a montadora de Betim se prepara para trazer o 500 elétrico(foto: fiat/divulgação)
Agora a montadora de Betim se prepara para trazer o 500 elétrico (foto: fiat/divulgação)
 
 
Para Antonio Filosa, presidente da Stellantis na América do Sul – grupo que engloba a Fiat Chrysler Automóveis (FCA) e a Peugeot/Citroën (PSA) –, a história da Fiat no Brasil reforça “a trajetória fantástica da marca fora do seu país de origem, a Itália”. Ele relembra que os 15 mil funcionários da planta de Betim já viveram momentos difíceis, mas nos últimos anos estão participando do processo de retomada. A marca Fiat permaneceu em segundo plano no mercado brasileiro por algum tempo, depois da criação da FCA, que destacou os produtos Jeep.
 
O novo SUV da Fiat anunciado para 2022 deve ser baseado no conceito Fastback, apresentado no Salão do Automóvel de 2019
O novo SUV da Fiat anunciado para 2022 deve ser baseado no conceito Fastback, apresentado no Salão do Automóvel de 2019
 
 
Filosa relembra que há três anos a Fiat tinha 13% de participação no mercado brasileiro, mas com o projeto de retomada a situação foi mudando, principalmente depois da chegada da nova Strada, da fábrica de motores turbo e da nova Toro. “A comemoração dos 45 anos coincide com os bons resultados obtidos em junho, quando registramos 26,2% de market share (na soma de automóveis e comerciais leves)”, disse Filosa. Ele destaca que com a entrada da Fiat no segmento de SUVs, com o lançamento do Pulse em setembro, e outro modelo no ano que vem, a tendência é melhorar ainda mais a participação da marca no mercado brasileiro.
 
Tudo começou em 1976, com o icônico hatch 147, um sucesso de vendas(foto: Marlos Ney Vidal/em/d.a press)
Tudo começou em 1976, com o icônico hatch 147, um sucesso de vendas (foto: Marlos Ney Vidal/em/d.a press)
 
 
Essa é a mesma opinião de Herlander Zola, diretor do Brand Fiat e Operações Comerciais Brasil, que relembra que desde 2007 a montadora não alcançava uma participação de mercado tão significativa quanto a registrada em junho. Ele lembra que a Fiat dobrou o volume de vendas no primeiro semestre em relação a igual período do ano passado, com um crescimento de 105%. “A renovação do portfólio e a modernização da marca contribuíram muito para que alcançássemos os bons resultados”, afirma Zola.

EMPLACAMENTOS Em junho, a Fiat encerrou o mês na liderança do segmento de automóveis, com 19,93% de participação, seguida pela Volkswagen (14,12%), Hyundai (12,33%) e Jeep (10,19%). No segmento de comerciais leves a Fiat teve 49,29% de participação, bem distante dos 10,69% da VW e os 9,81% da General Motors. Na soma dos dois segmentos, a Fiat liderou em junho com 26,21% de participação, seguida pela VW (13,38%) e Hyundai (9,87%). No acumulado do ano, de janeiro a junho, a Fiat foi a marca que mais emplacou, somando automóveis e comerciais leves, com 22,23% de participação, à frente da VW (16,42%) e da GM (12,38%).
 
Entre os 10 modelos mais emplacados em junho, a Fiat garantiu o primeiro lugar com a picape Strada, com 9.697 unidades, e o segundo com o Argo (9.382 unidades). Mas a marca ainda colocou no ranking dos 10 mais de junho o Mobi (7.529), a Toro (5.909) e o Cronos (5.404). No acumulado do ano, de janeiro a junho, os 10 mais emplacados foram Fiat Strada (61.064 unidades), Hyundai HB20 (45.408), Fiat Argo (41.926), Chevrolet Onix (41.510), Jeep Renegade (40.607), Fiat Mobi (39.356), VW Gol (36.969), Fiat Toro (34.089), Hyundai Creta (33.493) e Jeep Compass (32.554).
 
Nos seis primeiros meses do ano, a Fiat tem ainda o Uno na 17ª posição, com 15.340 unidades emplacadas, e o Cronos na 26ª colocação, com 10.249 unidades. O Fiat Mobi passou o VW Gol em junho e agora é o hatch compacto de entrada mais emplacado. O Fiat Argo também reagiu e já é o segundo hatch compacto premium mais emplacado, perdendo apenas para o Hyundai HB20, mas na frente do Chevrolet Onix, que ainda está com a produção interrompida, e do VW Polo, os principais concorrentes. No segmento de picapes, a Fiat é líder absoluta com a compacta Strada e a intermediária Toro, que vendem bem mais que os modelos médios.

CRESCIMENTO Herlander Zola destaca o fato de a Fiat ter colocado cinco modelos entre os 10 mais emplacados em junho, chamando a atenção para a Toro, que teve um crescimento de 30% nas vendas depois do lançamento do modelo 2022, e também do Cronos, que vem melhorando sua participação nos últimos meses. O diretor do Brand Fiat destaca também o crescimento das vendas do Argo e do Mobi, dois hatches compactos que estão entre os mais vendidos.
 
NOVIDADES Para o segundo semestre deste ano, Zola afirma que as expectativas são boas. Ele revela que uma das novidades será o Fiat 500 elétrico, um modelo de nicho, de pouco volume, mas muito importante para a marca. Outro destaque esperado para setembro é o Fiat Pulse, que chegará com o novo motor 1.0 turbo, inaugurando o segmento de SUVs compactos na marca, embora há quem diga que o modelo está mais próximo de um Argo aventureiro. A Fiat ainda confirmou a chegada de um segundo SUV, que será lançado em 2022. O modelo dever ser baseado no conceito Fastback, que foi mostrado no último Salão do Automóvel de São Paulo, em 2019.
 
De acordo com Zola, a Fiat traçou uma estratégia para se manter sólida no mercado, com um portfólio competitivo e foco nos SUVs. A ideia é tentar permanecer na liderança do mercado brasileiro por alguns anos. Ele concorda que o comprometimento da produção de marcas concorrentes nos últimos meses influenciou nos bons resultados da Fiat. “Mas é um fator circunstancial e temos que levar em consideração que todas as marcas foram prejudicadas pelo desabastecimento de componentes”, afirma Zola.
 
Questionado sobre quais os outros fatores que teriam levado a Fiat aos bons resultados no primeiro semestre, Zola disse que o lançamento da nova Strada foi um divisor de águas, ajudando a alavancar as vendas da marca. Mas ele destacou também o reposicionamento do portfólio, os preços, conteúdos, opcionais e versões dos modelos Fiat. “Tudo muito bem pensado para atender o público consumidor”, afirmou.
 
Para o diretor do Brand Fiat, os novos SUVs da marca, os motores turbo, que vão equipar outros modelos, e o novo câmbio CVT vão ajudar a impulsionar ainda mais as vendas. “A falta de SUVs no portfólio da marca foi um problema por muito tempo, mas em breve isso vai começar a mudar”, afirma Zola. Com a chegada dos SUVs, ele acredita que a participação da Fiat no segmento de comerciais leves deve cair um pouco, mas mantendo os volumes atuais. Zola revela que a picape Strada quatro portas responde por 35% do volume vendido do modelo e que as versões de topo de linha têm boa procura.
 
Herlander Zola confirma que atualmente a Fiat não tem conseguido atender à demanda de pedidos dos consumidores. Ele ratificou a apuração do VRUM, revelando que a picape Strada demora cerca de 120 dias para ser entregue. Já a Toro pode levar de 45 a 90 dias para chegar às mãos do comprador. O diretor do Brand Fiat revelou que se o cliente optar por comprar o produto do estoque da concessionária, poderá recebê-lo mais rapidamente. Mas se fizer um pedido específico, a espera pode ser longa. “Nossa preocupação é com a acessibilidade, por isso estamos nos esforçando para produzir modelos para todos os bolsos”, concluiu.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade