Publicidade

Estado de Minas Primeiras impressões

Tapinha no aventureiro

Dirigimos o Honda WR-V 2021, que mudou pouco no visual e preservou o conjunto mecânico, mantendo como atrativos o bom espaço interno e o desempenho satisfatório. Mas é caro!


03/10/2020 04:00

(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)


A Honda deu um tapa no visual do WR-V na linha 2021, mas sem mudar a identidade do hatch aventureiro, que mantém o estilo, a praticidade do espaço interno e o conjunto mecânico. Fizemos um teste de primeiras impressões com o modelo nas proximidades de Belo Horizonte e colocamos lado a lado o novo WR-V e o anterior, confirmando que é preciso olhar com atenção para perceber as alterações no visual. O motor 1.5 e o câmbio CVT permaneceram na linha 2021, mas o carro ganhou assistências eletrônicas e chega às concessionárias com preços ainda mais salgados.
Interior ganhou detalhes em black piano e multimídia com tela de sete polegadas(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Interior ganhou detalhes em black piano e multimídia com tela de sete polegadas (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
A primeira coisa que fizemos ao chegar na concessionária Honda em BH para retirar o WR-V para um teste rápido foi colocá-lo ao lado do modelo anterior, só para ter a dimensão das mudanças feitas no carro. Observando a frente de ambos, percebe-se que a faixa cromada que emoldura a grade no novo WR-V ficou mais estreita, conferindo mais leveza ao modelo. A parte interna da grade agora é composta por barras horizontais paralelas, pintadas em preto brilhante, e a entrada de ar ficou maior.
Os faróis mantêm o formato e tamanho, mas ganharam novo desenho interno e projetor de LED nas versões EX e EXL, que também trazem auxiliares de neblina em LED. A versão de entrada LX, mais simples, traz faróis halógenos, mas conta com luz diurna em LED, presente também nas outras duas. Na traseira, as lanternas também tiveram o desenho interno modificado e ganharam LED nas versões EX e EXL. Ali, o para-choque ficou mais robusto, aumentando o comprimento do carro em 6,7cm. O friso sobre a placa traseira, que era cromado, agora é pintado na cor da carroceria. As rodas de liga leve de 16 polegadas com detalhes em preto brilhante são exatamente as mesmas no modelo antigo e no novo.
 
Nas laterais, não foram feitas modificações, e as rodas são de 16 polegadas(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Nas laterais, não foram feitas modificações, e as rodas são de 16 polegadas (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
O interior do hatch aventureiro é basicamente o mesmo, em todos os sentidos. Para não dizer que não tem novidades, o painel tem, além de muito plástico rígido, alguns detalhes em black piano e cromados. O volante tem ajuste de altura e distância, comandos para o sistema de áudio, controlador de velocidade e acesso ao celular. Mas para acessar o computador de bordo é preciso usar um pino que fica no painel de instrumentos, atrás do volante. Nada prático!
 
Lanternas traseiras ganharam novo desenho interno e luzes de LED(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Lanternas traseiras ganharam novo desenho interno e luzes de LED (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
A Honda informou que as versões LX e EX trazem o revestimento dos bancos com nova padronagem de tecido. A unidade que testamos era a EXL, com bancos revestidos em couro, sendo o do motorista com ajuste de altura. O modelo mantém o sistema Magic Seat, que permite diferentes configurações dos bancos dianteiros e traseiro, tornando o espaço interno do WR-V ainda mais amplo e prático. O porta-malas tem capacidade de 363 litros, que é um bom volume para um hatch compacto.
 
O sistema Magic Seat permite diferentes configurações dos bancos(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
O sistema Magic Seat permite diferentes configurações dos bancos (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

DIRIGINDO O conjunto mecânico do WR-V 2021 é composto pelo motor 1.5 i-VTEC FlexOne, que desenvolve 115cv e 15,2kgfm de torque com gasolina. Com etanol, são 116cv e 15,3kgfm de torque. O propulsor atua em conjunto com o câmbio automático do tipo CVT, que simula sete marchas. Dirigindo na cidade, o novo WR-V continua proporcionando desempenho satisfatório, com boas respostas em arrancadas e gestão eficiente do câmbio, que faz as mudanças de forma imperceptível. Já na estrada, o motor exige mais aceleração para se obter um desempenho melhor, e à medida que o giro sobe o propulsor grita e o ruído incomoda. Nas versões EX e EXL, o motorista tem a opção de fazer trocas manuais nas aletas atrás do volante, que deixam a condução um pouco mais prazerosa.
 
Com o banco traseiro na posição normal, o porta-malas tem volume de 363 litros(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Com o banco traseiro na posição normal, o porta-malas tem volume de 363 litros (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
Por ser um pouco mais alto que o Honda Fit, hatch do qual o WR-V deriva, o modelo exige um pouco mais de atenção nas curvas. As suspensões são um pouco mais duras e chegam a transferir um pouco das irregularidades do solo para dentro, mas sem chegar a comprometer o conforto. O modelo traz desde a versão de entrada os controles de tração e estabilidade, que ajudam a mantê-lo agarrado ao chão em curvas feitas em velocidades mais elevadas. Outros itens de série incorporados em todas as versões são o auxílio de partida em rampa, alerta de frenagem de emergência e sensor crepuscular, com acendimento automático dos faróis.
 
O motor 1.5, com 116cv com etanol, garante desempenho satisfatório(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
O motor 1.5, com 116cv com etanol, garante desempenho satisfatório (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 

A versão LX (R$ 83.400) traz de série dois airbags, freios ABS, ar-condicionado, direção com assistência elétrica, vidros e retrovisores elétricos, rádio com Bluetooth e câmera de ré. A EX (R$ 90.300) tem na lista de equipamentos de série ar-condicionado digital, sistema multimídia com tela tátil de sete polegadas e conectividade do Android Auto e Apple CarPlay, volante revestido em couro, paddle shifts para trocas de marchas, sensor de estacionamento traseiro e quatro aibags. A topo de linha EXL traz seis airbags, bancos revestidos em couro, navegador GPS e sensores de estacionamento dianteiro e traseiro. Comparando com os preços anteriores, as versões EX e EXL
tiveram um acréscimo de R$ 3.400. Ou seja, o modelo, que já era caro, ficou um pouco mais.
 
O modelo novo ao lado do anterior: as diferenças são bem discretas(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
O modelo novo ao lado do anterior: as diferenças são bem discretas (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade