Publicidade

Estado de Minas YAMAHA

Elegância no caos

Com porte avantajado, o scooter XMax 250 tem iluminação em LED, banco tipo sofá, generoso porta-malas e motor de um cilindro equipado com controle de tração


postado em 07/03/2020 04:00

Téo Mascarenhas *
Itu (SP)
 
(foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
(foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
 

A família MAX da Yamaha, que já tem o scooter NMax 160 (a marca também já importou o TMax 535 e conta lá fora com o XMax 300 e 400), ganhou o novo modelo XMax 250, com preço sugerido de R$ 21.990, sem frete. O scooter segue o perfil da família, com porte e dimensões avantajadas, além de incluir itens de conforto e praticidade, para rodar no caótico trânsito dos grandes centros urbanos e também pegar uma estrada com elegância, se necessário. Para tanto, conta com motor de um cilindro, 249cm³ e quatro válvulas, equipado com arrefecimento líquido
 
O banco, estilo sofá, fica a 795mm do chão(foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
O banco, estilo sofá, fica a 795mm do chão (foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
A potência atinge 22,8cv a 7.000rpm e o torque um pico de 2,5kgfm a 5.500rpm, o que permite arrancar na frente dos carros e se distanciar, nos semáforos, por exemplo, ou manter velocidade de cruzeiro, compatível com as máximas permitidas nas estradas, embora tenha fôlego para ir muito além. Para dosar o motor e aumentar a segurança, o XMax 250 conta com o artifício do controle de tração (presente em motos maiores), que impede a roda traseira de patinar nas acelerações, em pisos de baixa aderência, reduzindo momentânea e, automaticamente, a potência.
 
O parta-malas tem grande capacidade e luz de cortesia em LED(foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
O parta-malas tem grande capacidade e luz de cortesia em LED (foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)

COMODIDADES O câmbio tem a mordomia do tipo automático CVT, continuamente variável, bastante progressivo (até demais), exigindo uma dose de esportividade na hora de abrir o gás, justificando o controle de tração, que, porém, pode ser desligado. Outra comodidade urbana inédita para scooters de cilindrada semelhante é a regulagem mecânica da posição do guidão em até 20mm e a altura do para-brisa em até 50mm, ajustando a ergonomia para a estatura do piloto. Conta também com o cavalete central para inclusive substituir o freio de estacionamento na hora de parar.
 
Outra comodidade urbana é a chave inteligente (smart key), que pode ficar no bolso ou na mochila, destravando a ignição, a tampa do tanque de combustível e o banco. Porém, o destaque é o enorme porta-malas sob o assento. No compartimento cabem, por exemplo, dois capacetes fechados com folga, e conta com luz de cortesia em LED e haste para manter o banco aberto.  O generoso espaço foi possível com adoção de uma roda traseira em liga leve com aro de 14 polegadas de diâmetro, equipada com pneu de medida 140/70. Na dianteira, aro de 15 polegadas calçado com pneu 120/70.
 
A chave inteligente permite ligar o motor sem o contato(foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
A chave inteligente permite ligar o motor sem o contato (foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)

SOFÁ O banco é do tipo sofá. Em dois níveis, fica a 795mm do solo e tem encosto lombar e uma largura bastante avantajada, que proporciona o conforto de uma espécie de poltrona na hora de andar. Porém, na hora de parar, a largura exige pernas mais esticadas, assim como o elevado túnel central (onde também fica a tampa do tanque de combustível, com ótima capacidade de 13,2 litros), no embarque e desembarque. Por outro lado, o escudo frontal, conta com dois porta-trecos, um deles com tranca e saída USB para transportar e conectar o celular.
 
O painel completo mistura elementos analógicos e digitais(foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
O painel completo mistura elementos analógicos e digitais (foto: Caio Mattos/Honda/Divulgação)
O porte impõe respeito no trânsito, mas não prejudica a agilidade. Contribui o visual, com ampla carenagem e duplo farol em LED na dianteira. Na traseira, também dupla lanterna, que até lembra o desenho usado em carros. O painel é completo, com toque de esportividade com o conta-giros e o velocímetro em relógios analógicos. No centro, tela em LCD com computador de bordo. Os freios são a disco, com sistema ABS. A suspensão dianteira tem tubos de 33mm e 110mm de curso. Na traseira, duplo amortecimento, com 92mm de curso e cinco regulagens na pré-carga.

*Viajou a convite da Yamaha
 


Publicidade