Publicidade

Estado de Minas TX4

Troller com câmbio automático? Saiba por que o jipe não vai te entregar o conforto prometido

Pneus 'duros', suspensão off-road e motor barulhento são os principais incômodos do veículo quando usado no cotidiano, como sugere o emprego do câmbio automático. Além do preço salgado, R$ 167.530, marca insiste em não equipar o jipe cearense com airbags


postado em 11/01/2020 04:00 / atualizado em 10/01/2020 11:12

 

(foto: Troller/Divulgação)
(foto: Troller/Divulgação)

 

O Troller Extreme 4 (TX4) já chegou às concessionárias da marca com preço sugerido de R$ 167.530, de acordo com o site oficial, enquanto o Troller “normal” é vendido a partir de R$ 140.900. A versão foi apresentada como veículo conceito no Salão do Automóvel de 2018, e, além do visual exclusivo, traz como diferencial o câmbio automático de seis marchas.

 

As linhas do jipinho cearense são as mesmas, mas alguns detalhes o diferenciam, a começar por vários componentes em azul Naval, como para-choques dianteiro e traseiro, grade do radiador, capô, coldura dos faróis, teto, detalhes nas laterais e tampa traseira, que podem ser combinados a três cores de carroceria: marrom Trancoso, verde Maragogi e prata Geada.

Outros detalhes vão além da estética, como o snorkel (que faz a admissão de ar em um ponto mais alto para transpor trechos alagados), faróis auxiliares de LED, estribos laterais com design que facilita a limpeza, pneus lameiros e para-choques em aço, com encaixe para macaco Hi-Lift, pontos de ancoragem e protetor frontal.

 

O motor é o mesmo de sempre, um 3.2 a diesel com 200cv de potência e 47,9kgfm de torque, agora em conjunto com o câmbio automático de seis marchas, que tem três modos de condução (Drive, Sport e Manual). A tração nas quatro rodas conta com reduzida e bloqueio de diferencial, acionado eletricamente por meio de um botão no console central, que transmite parte da força da roda sem tração para as que estão em contato com o solo.

É DURO!
O emprego do câmbio automático sugere o uso cotidiano do jipe e “vende” a ideia de conforto, mas, na prática, não é isso que o veículo vai entregar. Pneus lameiros costumam ser “duros”, assim como a suspensão off-road, e o motor a diesel é bastante ruidoso. Sem falar que o preço da versão TX4 ficou muito salgado.

O interior tem bancos personalizados, com a inscrição “TX4”, e costura laranja. O console central também foi adaptado para receber a alavanca do câmbio. Com forração em vinil, a cabine pode ser lavada, facilitando manutenção. Entre o conteúdo, a nova versão também conta com acendimento automático dos faróis, mas, infelizmente, continua a não oferecer airbags.
 
 
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade