Publicidade

Estado de Minas

Variações sobre um pony car

Desde que foi lançado, há 55 anos, o Ford Mustang serviu de inspiração para muitos projetos, mas muitos permaneceram como conceitos, servindo apenas de estudo de design


postado em 04/01/2020 04:00



Quando se fala em Ford Mustang, a primeira associação que se faz é com um autêntico pony car, ou muscle car para alguns, esportivo em sua essência, um ícone dos anos 1960. Mas, recentemente, a montadora norte-americana mostrou que o modelo pode ter variações ao apresentar o Mustang Mach-E, um SUV elétrico que traz o DNA de um puro sangue. O que muita gente não sabe é que este não é o primeiro modelo derivado do pony car, já que logo após o seu lançamento, em 1964, alguns conceitos foram revelados, mas não passaram de simples objetos de estudo da marca e sequer foram para as ruas.
 
 
PERUA Um desses modelos foi a versão station wagon do Mustang, que teve um protótipo construído em 1966, trazendo estilo europeu, um pouco distante das linhas do cupê norte-americano. Com três portas e sem a coluna B, a perua se destacava pela frente alongada e a ampla linha do teto, que resultava em generosa área envidraçada nas laterais. A traseira chapada mais parecia a tampa de um furgão ou carro funerário. Mas vista de frente, a station wagon revelava a sua origem inspirada no Mustang. Mas a perua não passou de um estudo, porém, seus elementos de design foram incorporados em outros modelos da marca no fim dos anos 1960.
 

DOIS LUGARES De 1961 a 1962, a Ford desenvolveu um protótipo de dois lugares do Mustang conversível. Com referências ao Thunderbird, o modelo teve o banco traseiro retirado para diminuir o peso, privilegiando o espaço apenas para o motorista e o passageiro. Mas o Mustang conversível de dois lugares também não passou de um estudo e nunca chegou a ser produzido.
 

ALLEGRO Já o Mustang Allegro, de 1962, foi um protótipo desenvolvido pelo time de design comandado por Gene Bordinat. Com a frente longa e o habitáculo compacto, as linhas e proporções do modelo serviram de base para as próximas gerações do Mustang nas cinco décadas seguintes.

AVANTI Em 1963, a Ford desenvolveu o conceito denominado Mustang Avanti-Allegro, que manteve a frente longa, mas com o teto marcado por acentuada inclinação, formando conjunto harmônico com a traseira curta, que tinha lanternas circulares. O amplo vidro traseiro e as grandes janelas laterais (sem coluna B) privilegiavam a visibilidade.
 

QUATRO PORTAS O Mustang sempre foi conhecido como um autêntico pony car, um cupê de linhas esportivas e duas portas, que usava a plataforma do compacto Falcon. Mas em 1965, a Ford resolveu arriscar e apresentou o Mustang de quatro portas, com linhas mais retas e teto plano. Mas a ideia não agradou aos inúmeros fãs do modelo.
 

MACH Em 1966 foi a vez do conceito Mustang Mach 1, que apresentava indicativos de como seria o modelo de 1968. O longo e imponente “nariz” foi inspirado no Mustang II de 1963. O conceito Mach 1 foi apresentado no Salão do Automóvel de Detroit de 1967 e já trazia as linhas do Mustang de produção. Mas o teto curto e o bocal de abastecimento semelhante ao dos carros de competição são elementos que nunca foram usados no carro de produção.
 

RELEITURA O conceito Allegro II, de 1967, foi uma releitura do modelo apresentado em 1962. Com estilo speedster e uma espécie de asa nas laterais, o modelo tinha a traseira bem diferente, fugindo da proposta original. No mesmo ano, a Ford mostrou o Mustang Mach II, um projeto de parceria entre o chefe de design Gene Bordinat e o Grupo de Veículos Especiais. Equipado com motor V8 de 289HP, o esportivo de dois lugares apresentava um layout que o capacitava como possível sucessor do Shelby Cobra. Mas o Mach 2 nunca passou a barreira dos salões do automóvel.
 
MILANO E RAMBO No início dos anos 1970, a Ford mostrou o conceito Mustang Milano, com traseira horizontalizada e frente alongada. Mas as linhas do protótipo nunca foram vistas em um Mustang de produção. Já o Mustang RSX 1980 foi desenvolvido pelo estúdio italiano Ghia. Era um modelo concebido como um carro de rali, baseado na terceira geração do Mustang, apresentada em 1979. Tinha a distância entre-eixos menor e outros requisitos exigidos nos ralis europeus. Em 1990, foi a vez do conceito Rambo, que tinha linhas consideradas extremas para justificar sua produção.

MACH III Em 1992, o Mustang Mach III mostrou para o público a nova direção de design da quarta geração do Mustang. Mas enquanto o Mustang 1994 mantinha os elementos clássicos, o Mach III de dois lugares trazia soluções de design que jamais foram vistas no Mustang de produção.


Publicidade