Publicidade

Estado de Minas CAOA CHERY TIGGO 5X 1.5 TXS

Entre argumentos e um dilema

SUV reúne design atraente, acabamento esmerado, bom pacote de conteúdos e um conjunto mecânico dos sonhos. Mas será que faz frente aos utilitários-esportivos de marcas tradicionais?


postado em 14/12/2019 04:00 / atualizado em 13/12/2019 17:47

(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)


Lançado em fevereiro, depois de ser apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo no fim do ano passado, o Tiggo 5X se tornou o modelo mais vendido da Caoa Chery, totalizando 6.920 emplacamentos até novembro. O SUV compacto fabricado no Brasil reúne design interessante e um conjunto mecânico dos sonhos, vendidos a partir de R$ 88.990 (a unidade testada era da versão de topo TXS, com preço sugerido de R$ 99.990). Porém, o estigma de carro chinês sempre liga a luz de advertência quanto à qualidade do veículo em todos os seus aspectos.
 
A dianteira é invocada, com capô alto e vincado, além das laterais com caixas de roda encorpadas, sugerindo força. Já a traseira é mais elegante. O conjunto óptico tem luzes de rodagem diurnas, faróis e lanterna de neblina, cornering e lanternas de LED. As rodas são de 18 polegadas. Rack de teto, spoiler e molduras nas caixas de roda completam o visual. A coluna C é larga e, junto ao diminuto vidro traseiro, prejudica a visibi- lidade. Mas o modelo é equipado com câmera de ré e sensores traseiros de estacionamento.
 
 
As laterais têm vincos marcantes e formas volumosas, que deixam o modelo mais robusto(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
As laterais têm vincos marcantes e formas volumosas, que deixam o modelo mais robusto (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

A BORDO O interior tem acabamento caprichado, com couro nos bancos e na porção superior do painel, assim como no volante e no apoio de braço central. Também há plástico de toque macio nos painéis de porta, além de aplique imitando fibra de carbono no centro do painel e acabamentos cromados. Os tapetes são acarpetados. O teto solar panorâmico reforça a sofisticação, porém, o vidro não abre, e em dias muito quentes esquenta a cabine mesmo com a cortina fechada. O teto panorâmico e os painéis de porta dianteiros trazem iluminação em LED azul. O banco do motorista conta com ajustes elétricos, inclusive lombar, mas o volante regula apenas em altura.
 
O SUV chinês tem a frente invocada, com o capô alto, mas a coluna C larga na traseira prejudica a visibilidade(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O SUV chinês tem a frente invocada, com o capô alto, mas a coluna C larga na traseira prejudica a visibilidade (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
 
Mas nem tudo são flores, e este utilitário-esportivo também dá suas escorregadas. O sistema de ar-condicionado é um bom exemplo, pois, apesar de poder ser controlado pela tela do sistema multimídia, não é digital, não sendo possível definir uma temperatura específica e nem botão para desembaçar os vidros ou resfriar rapidamente o interior. Entre as divisões do fluxo de ar, também não existe uma opção que direciona ao mesmo tempo para o para-brisa, passageiros e pés. Também fazem falta travas automáticas das portas.
 
O espaço interno é bom para um SUV compacto. O banco traseiro oferece conforto relativo até para o passageiro do meio e também conta com saída de ar-condicionado e duas tomadas USB. O porta-malas é um dos menores do segmento, mas ao menos guarda estepe (de uso temporário) sobre uma tampa rígida, e tem revestimento e iluminação. Para ampliar o espaço, o encosto do banco traseiro rebate fracionado, mas sem formar uma superfície plana. O veículo tem apoios de cabeça e cintos de segurança de três pontos para todos.
 
Interior tem acabamento sofisticado, multimídia com tela de nove polegadas e teto panorâmico(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Interior tem acabamento sofisticado, multimídia com tela de nove polegadas e teto panorâmico (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

RODANDO O motor 1.5 turbo demonstra fôlego, com bom torque em baixas rotações, mas existe um pequeno atraso nas retomadas, o que melhora um pouco quando o câmbio está em modo esportivo. O câmbio automatizado de dupla embreagem tem boa relação de marchas, procurando sempre manter o motor com giros baixos para reduzir o consumo de combustível, mas não demora a reconhecer a necessidade de reduzir marchas para não comprometer o ritmo. Existe opção de trocas manuais de marcha pela alavanca. Para completar a boa configuração mecânica, a suspensão traseira é do tipo multilink, com boa capacidade de filtrar as oscilações, dando conforto aos ocupantes, e sem susto nas curvas.

VEREDITO Quanto ao conteúdo, destaque para as rodas de 18 polegadas, seis airbags, controles de tração e estabilidade, teto panorâmico, bancos elétricos, chave presencial e multimídia com tela de nove polegadas (confira a avaliação da central na página 2). É um bom pacote, que fica devendo aos concorrentes apenas o ar-condicionado digital, e, junto às demais características, pode convencer o comprador. A experiência com o Tiggo 5X foi positiva, o que fica no ar são aspectos quanto à durabilidade do veículo, seu valor de revenda e a permanência da marca no Brasil.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade