Publicidade

Estado de Minas RADIADOR

Cuidados para não ferver


postado em 23/11/2019 04:00 / atualizado em 22/11/2019 18:05

Esquecer da manutenção do sistema de arrefecimento pode resultar em prejuízo grande no bolso. É preciso usar o aditivo específico para evitar danos ao motor(foto: divulgação)
Esquecer da manutenção do sistema de arrefecimento pode resultar em prejuízo grande no bolso. É preciso usar o aditivo específico para evitar danos ao motor (foto: divulgação)


Os cuidados com o carro no dia a dia exigem atenção do motorista. Ao entrar no posto para abastecer o tanque de combustível é comum encontrar um prestativo frentista que passa a oferecer outros tipos de serviços. Enquanto enche o tanque, faz sempre a tradicional pergunta: “Posso conferir a frente, doutor?”, diz ele se oferecendo para checar alguns itens no compartimento do motor, como reservatório de água do limpador de para-brisa, nível de óleo e o radiador.
 
A atitude usual do frentista na checagem do radiador é sempre de completar o nível de água do reservatório de plástico que fica na parte alta do motor. Para isso, normalmente é usado aquele velho galão, que fica junto às bombas de abastecimento, com água que nem sempre é tão limpa. Parece que não há nada de errado no procedimento, mas há. A atitude “cuidadosa” do frentista pode trazer problemas futuros ao motor, resultando em prejuízo para o dono do carro.
 
FERRUGEM Se você usar apenas água para completar o nível do radiador, vai chegar uma hora que só terá água no sistema de arrefecimento e o carro poderá apresentar problemas. Dessa forma, o líquido certamente se tornará mais corrosivo, enferrujando alguns componentes do sistema.
 
A reposição deve ser feita com o produto específico, um aditivo que tem como base o etilenoglicol, que serve para elevar o ponto de ebulição da água. Mas antes de completar o nível do reservatório é preciso ficar atento à proporção da mistura aditivo/água. Existem no mercado vários tipos de aditivos para radiador, alguns que são oferecidos de forma concentrada e outros já misturados com água na proporção correta.

MANUTENÇÃO O nível do reservatório do sistema de arrefecimento deve ser checado semanalmente e sempre com o motor frio. As montadoras recomendam a troca completa do líquido do radiador a cada 30 mil quilômetros, mas antes da reposição é importante fazer a limpeza do sistema. Existem produtos específicos para remover a ferrugem e a sujeira do sistema. Basta colocá-los no radiador, junto com o líquido sujo, com o motor funcionando por 10 minutos. Depois é só retirar o líquido e a sujeira, fazendo em seguida uma lavagem de todo o sistema com água limpa.
 
Na reposição da mistura, é importante ficar atento à proporção de 50% de aditivo e 50% de água. Sem o aditivo na proporção certa, a água evapora rapidamente, além de enferrujar a válvula termostática e a bomba d’água. Só para se ter uma ideia, uma bomba d’água de um carro com motor 1.0 custa em média R$ 500, mas pode chegar a R$ 2 mil nos automóveis mais caros. Alguns aditivos já têm em seu frasco a indicação da proporção da mistura ou já vêm prontos para o uso.

SUPERAQUECIMENTO O sistema de arrefecimento tem a função de manter a temperatura ideal de funcionamento do motor. Sem os devidos cuidados com a manutenção, pode ocorrer superaquecimento, queimando a junta do cabeçote do motor. Em casos extremos, o motor pode fundir. Os gastos com a retífica podem ultrapassar R$ 10 mil. Além disso, as alterações de temperatura podem provocar o desgaste prematuro de outras peças e aumentar o consumo de combustível. Por isso, vale a pena ficar atento à manutenção do sistema.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade