Publicidade

Estado de Minas DE LEVE!

Civic também recebe "tapinha"


postado em 10/08/2019 04:00 / atualizado em 09/08/2019 18:45

Versão Sport deixa de ser a de entrada e ganha grade exclusiva(foto: Fotos: Honda/Divulgação)
Versão Sport deixa de ser a de entrada e ganha grade exclusiva (foto: Fotos: Honda/Divulgação)


Lançada há três anos, a décima geração do Honda Civic representou um dos saltos mais ousados que o modelo deu ao longo de sua trajetória, assumindo um visual bastante esportivo, com seu capô anabolizado, teto arqueado e lanternas em formato de bumerangue. Agora chega a vez de a marca apresentar a reestilização que caracteriza a meia-vida do sedã, não por acaso próximo ao lançamento da nova geração do seu arquirrival Toyota Corolla.
 
Porém, as mudanças são mínimas. O para-choque dianteiro recebeu apliques cromados nas molduras dos faróis de neblina, enquanto o traseiro ganhou barra cromada na porção inferior, que dão a impressão de que o veículo é mais largo. As versões LX, EX, EXL e Touring têm grade cromada, além de novas rodas de liga leve de 10 raios com 17 polegadas e acabamento em grafite brilhante. Nas versões EXL e Touring, as colunas de portas são em preto          brilhante.
 
Já a versão Sport deixa de ser a de entrada, ganhando visual ainda mais agressivo, com grade e retrovisores em preto brilhante, além de um inédito aerofólio na tampa traseira. As rodas de liga leve de cinco raios têm acabamento diamantado escurecido. Por dentro, todas as versões passam a adotar revestimento do console central e painéis de porta em couro. Enquanto os modelos LX e Sport trazem bancos em tecido na cor preta, as demais versões passam a ter duas opções de revestimento dos bancos em couro, preto ou cinza, dependendo da cor externa.

VERSÕES A linha 2020 marca o retorno da versão 2.0 LX como a de entrada, a partir de R$ 97.900. Entre os itens de série, destaque para ar-condicionado digital, freio de estacionamento eletrônico com função Brake-Hold, controle de cruzeiro, sistema de áudio com tela de cinco polegadas e comandos no volante, câmera de ré e monitoramento de pressão dos pneus. O pacote básico de segurança também é de respeito: airbags frontais, laterais e de cortina; controles de tração e estabilidade; assistente de partida em aclive; luzes de rodagem diurna; e lanternas em LED. A versão 2.0 Sport (R$ 104.100) passa a trazer acendimento automático dos faróis e sistema multimídia com tela tátil de 7 polegadas e conectividade pelo Apple CarPlay e Android Auto.
 
O pacote seguinte é 2.0 EX (R$ 107.600), que recebeu sistema de áudio com oito alto-falantes, bancos em couro e retrovisor interno fotocrômico. O modelo 2.0 EXL (R$ 112.600) incorporou ainda sensor de chuva e chave presencial para destravar as portas e acionar o motor, além de saídas do ar-condicionado para os ocupantes do banco traseiro, que integra a climatização de dupla zona presente na versão. O topo de linha 1.5 Touring (R$ 134.900) tem áudio com 10 alto-falantes e 452 watts de potência, sistema de recarga de celulares sem fio no console central (por indução) e banco do motorista com ajustes elétricos (incluindo lombar).

MOTORES Do ponto de vista mecânico, a única novidade é que o Civic passa a não oferecer mais a opção de câmbio manual, antes disponível na versão Sport. Os dois conjuntos que equipam o modelo são: o motor 2.0 FlexOne, com até 155cv de potência e 19,5kgfm (com etanol), e câmbio automático CVT, que nas versões Sport, EX e EXL simula sete marchas, que podem ser trocadas por aletas; além do motor 1.5 com turbo e injeção direta, de 173cv e 22,4kgfm, com transmissão CVT. As suspensões são independentes, com multibraços montados no subchassi traseiro. A direção tem assistência elétrica com relação variável.


Publicidade