Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Merecia mais capricho

Volkswagen finalmente apresenta o T-Cross na versão 200 TSI, equipada com motor 1.0 de três cilindros, com turbo, e câmbio manual ou automático. Desempenho é satisfatório, mas...


postado em 30/03/2019 05:10

As versões de entrada têm acabamento mais simples, com muito plástico de qualidade questionável no interior, mesmo na mais cara (foto: Fotos: Enio Greco/EM/D.A Press)
As versões de entrada têm acabamento mais simples, com muito plástico de qualidade questionável no interior, mesmo na mais cara (foto: Fotos: Enio Greco/EM/D.A Press)


Demorou, mas finalmente a Volkswagen apresentou o SUV compacto T-Cross nas versões 200 TSI, equipadas com o motor três-cilindros 1.0 turbo, que pode vir acoplado à transmissão manual ou automática, ambas de seis marchas. Os preços vão de R$ 84.990 a R$ 99.990, e todas as versões pecam por trazer um acabamento interno bem simples, com muito plástico. Pelos preços, o carro merecia um pouco mais de qualidade no acabamento. O motor dá conta do recado, mas sem muito brilho, mas traz como ponto positivo o baixo consumo de combustível.


Quando lançou recentemente o T-Cross, a VW fez questão de enfatizar num primeiro momento a versão 250 TSI, equipada com motor 1.4 turbo, de 150cv e 25,5kgfm de torque, que têm preços que vão de R$ 109.990 a R$ 125 mil, com todos os opcionais. Mas a expectativa era pelas versões equipadas com motor 1.0 turbo, pois ficava a dúvida se o motor daria conta do recado. É o mesmo propulsor usado no up! e do Golf, porém, recalibrado para gerar mais potência e torque.


Com 116cv com gasolina e 128cv com etanol, o motor gera o mesmo torque de 20,4kgfm com ambos os combustíveis. Com o câmbio manual de seis velocidades, a máxima é de 189km/h e a aceleração até 100km/h é feita em 9,6 segundos. O consumo combinado cidade/estrada com gasolina é de 13,1km/l, e com etanol, 9,1km/l. Já com o câmbio automático de seis marchas, a máxima é de 184km/h e a aceleração até 100km/h é feita em 10,4 segundos. O consumo combinado cidade/estrada é de 12km/l com gasolina e 8,4km/l com etanol.

PRIMEIRO CONTATO
Dirigindo o VW T-Cross 200 TSI no trecho entre a cidade do Rio de Janeiro e Mangaratiba, foi possível perceber que o motor 1.0 turbo dá conta do recado, mas sem brilho. Testamos primeiro a versão equipada com o câmbio automático de seis marchas, que tem um comportamento mais ameno, sem muito vigor nas arrancadas e retomadas de velocidade. Mas o SUV compacto anda bem tanto no trânsito urbano quanto na estrada, até mesmo com o ar-condicionado ligado.


Já com o câmbio manual, o carro fica mais esperto, pois é possível esticar mais as marchas e subir o giro, atingindo uma performance um pouco melhor. O porém é que ao fazer isso os números de consumo também mudam e o SUV bebe mais. De uma maneira geral, o T-Cross 200 TSI é um carro agradável de dirigir. Ele transmite a sensação de que você está dirigindo um hatch compacto, pois proporciona boa estabilidade em curvas e um rodar relativamente confortável. As suspensões conseguem filtrar as imperfeições do solo de maneira satisfatória, sem comprometer o conforto.


A Volkswagen enxerga algumas vantagens do seu SUV compacto em relação aos seus principais concorrentes, que ela aponta como sendo o Honda HR-V, o Hyundai Creta e o Jeep Renegade. A montadora compara principalmente os números de desempenho e consumo, além de chamar a atenção para o conteúdo das versões do T-Cross. Mas a VW só não explica muito bem por que economizou tanto no acabamento interno do T-Cross 200 TSI, em que o plástico predomina e não é da melhor qualidade. Um carro que pode chegar a R$ 100 mil merecia pelo menos um painel emborrachado e materiais melhores no acabamento.

PACOTES A versão de entrada 200 TSI com câmbio manual tem preço sugerido de R$ 84.990, e traz entre os itens de série seis airbags, ar-condicionado, assistente de partida em rampa, controles de tração e estabilidade, bloqueio eletrônico do diferencial, sistema de som Media Plus, suporte para smartphone, banco do passageiro da frente rebatível, banco traseiro com encosto rebatível bipartido, direção com assistência elétrica e volante com ajuste de altura e distância, luz diurna de LED no farol de neblina, lanternas traseiras de LED, travamento elétrico das portas e porta-malas, faróis de neblina com função cornering ligth, sensores de estacionamento traseiro, sistemas de fixação de cadeiras infantis Isofix e Top Tether, limpeza automática dos discos de freio, computador de bordo, vidros elétrcos com função “um toque” e volante multifuncional.


Com câmbio automático, a versão 200 TSI sobe para R$ 94.490 e acrescenta sistema de som Composition Touch com APP-Connect e tela tátil de 6,5 polegadas, saídas traseiras do ar-condicionado, controlador de velocidade, volante multifuncional revestido em couro com shift paddles e duas entradas USB para quem senta atrás. A versão 200 TSI Comfortline, com câmbio automático, custa R$ 99.990, e acrescenta sistema de frenagem automática pós-colisão e ar-condicionado com controle eletrônico de temperatura, rodas de liga leve de 17 polegadas, banco do motorista com ajuste lombar, porta-luvas refrigerado, porta-malas com sistema de ajuste variável de espaço, câmera de ré, monitoramento da pressão dos pneus e sensores dianteiros e traseiros de estacionamento.
O modelo tem as três primeiras revisões gratuitas, o que significa uma economia de cerca de R$ 1.700 para o proprietário do carro. Além disso, o VW T-Cross recebeu cinco estrelas para proteção de adultos e crianças no teste de impacto realizado pelo Latin NCAP (confira os detalhes na página 5).

(*) Jornalista viajou a convite da Volkswagen do Brasil


Publicidade