Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Altos e baixos de um ícone

Editora Alaúde lança título dedicado aos apaixonados pelo Chevrolet Corvette, da sua chegada, em 1953, passando por períodos tumultuados, até os dias atuais


postado em 26/01/2019 05:11

Chevrolet Corvette 1953, como o esportivo veio ao mundo(foto: Editora Alaúde/Divulgação)
Chevrolet Corvette 1953, como o esportivo veio ao mundo (foto: Editora Alaúde/Divulgação)



Já não é de hoje que a Editora Alaúde se dedica, além de outros temas, a resgatar a memória automotiva com o lançamento de títulos dedicados a modelos nacionais e clássicos intergaláticos. O mais recente livro da editora diz respeito a essa última categoria, sendo dedicado ao Chevrolet Corvette, um dos esportivos mais populares e cobiçados do mundo. O trabalho é assinado pelo experiente jornalista Fernando Miragaya, com mais de 20 anos dedicados à cobertura especializada de automóveis, tendo colaborado com as principais publicações e sites do gênero no país.


A publicação traz 108 páginas recheadas de fotografias coloridas do Corvette, naquele formato quadradinho de 18 por 18 centímetros. A história do modelo é contada em detalhes, desde a apresentação feita pela General Motors do protótipo EX-122 num evento chamado Motorama, realizado em Nova York em janeiro de 1953. Tendo despertado muito o interesse, o Corvette seria lançado ainda naquele ano. O desenho foi inspirado nos esportivos europeus, mas com alma americana. O nome do veículo remete a uma embarcação de guerra chamada corveta.


Mas, engana-se quem pensa que a vida desse esportivo foi fácil. Foram diversos os desafios enfrentados até hoje, quando o modelo se encontra na sétima geração. Para começar, o Corvette foi lançado com preço inicial de US$ 3.498, muito elevado, quase o mesmo valor de um Cadillac. Para piorar, seu desempenho não tinha nada de empolgante e em pouco tempo a Ford responderia com o lançamento do Thunderbird, seu maior adversário. Por pouco a trajetória do “Vette”, como é carinhosamente chamado, não se encerra já no terceiro ano.


Para vencer essa zica, foi preciso que o engenheiro belga Zora Arkus-Duntov, com ampla experiência em competições, entrasse em cena. Em 1955, o motor 2.3 de seis cilindros em linha e 150cv de potência foi trocado por um V8 4.3 litros de bloco pequeno, mais leve e com 195cv. Não foi só debaixo do capô que houve mudanças. O esportivo ganhou um banho de loja e, no ano seguinte, um tapinha no visual. Já os faróis duplos vieram em 1958. Em 1961, outras pequenas mudanças no estilo, além do motor V8 de 5.4 litros ter alcançado 360cv de potência.

STINGRAY A segunda geração do Corvette viria em 1963, e marca a chegada do lendário Stingray, além do vidro traseiro bipartido do modelo fechado, que duraria apenas um ano, tornando-se raridade, tendo sido substituído por um inteiriço para melhorar a visibilidade. O esportivo perdeu 10cm de distância entre-eixos e a potência dos motores variava entre 250cv e 360cv, na versão equipada com o pacote ZO6 com o V8 e suspensões mais firmes.


Como Zora era um apaixonado por corridas, houve uma tentativa de levar o Corvette para as pistas. Para isso, o veículo perdeu peso, teve a aerodinâmica aprimorada e ganhou um V8 de 550cv. Foi o bastante para derrotar os terríveis Shelby Cobra, em Nassau. Porém, como a GM era avessa às corridas, logo a carreira das cinco unidades produzidas teve fim, elevando seu valor para algo em torno de US$ 5 milhões.


TUBARÃO Apelidada de Tubarão, a terceira geração foi lançada em 1968 e foi a mais longeva, tendo durado até 1982. O design musculoso e o capô longo ganharam como aliado faróis escamoteáveis. A carroceria cupê tinha o vidro traseiro e o teto em duas peças, que podiam ser removidos para transformar o veículo num belo targa. A versão de entrada trazia um V8 de 300cv, potência que chegou a 435cv na versão apimentada L71. Eram motores tão grandes que exigiam um ressalto no capô. Grande contraste em relação a 1975, quando, na crise do petróleo, o modelo chegou a usar um motorzinho de 165cv. Quer saber o resto dessa história? Então, não deixe de ler a edição dedicada ao Corvette da série Clássicos Esportivos, disponível em várias livrarias, com preço sugerido de R$ 39,90.


Publicidade