Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

2019 repleto de novidades

Deve-se destacar que um híbrido flex apresenta emissão de CO² quase igual à de um carro elétrico


postado em 22/12/2018 05:04

A chegada da picape Renault Alaskan ao mercado brasileiro ainda é uma incógnita, já que a marca não confirmou a vinda do modelo(foto: Enio Greco/EM/D.A Press %u2013 4/10/16)
A chegada da picape Renault Alaskan ao mercado brasileiro ainda é uma incógnita, já que a marca não confirmou a vinda do modelo (foto: Enio Greco/EM/D.A Press %u2013 4/10/16)

 

 

A transformação em lei do programa Rota 2030 e a regulamentação de alguns dos seus itens principais vão impactar as estratégias de lançamentos de produtos fabricados no Brasil ou na Argentina, já a partir do próximo ano. Um dos pontos sensíveis foi o enquadramento de modelos híbridos com motor flex em uma nova categoria fiscal. Eles não estavam contemplados com nenhuma diferenciação de imposto sobre os que usam apenas gasolina.


Antes, é preciso explicar o IPI nos carros atuais. Até 1.0 litro de cilindrada a alíquota de 7% aplica-se a qualquer combustível. Entre 1.0 e 2.0 litros, gasolina tem alíquota de 13%, e motores flex (ou só a etanol), 11%. Acima de 2.0 litros, 25% e 20%, respectivamente. Agora, um híbrido flex se enquadra numa faixa de IPI de até 8%.


Deve-se destacar que um modelo com essa motorização, se abastecido com etanol, apresenta emissão de CO² (gás de efeito estufa) quase igual à de um carro elétrico, cuja bateria seja recarregada por energia de fonte fóssil (termelétrica a carvão, gás ou diesel). Tudo dentro do conceito de ciclo fechado (do “poço” à roda, no jargão técnico).


A mudança fiscal levou a Toyota a anunciar, imediatamente, que fabricará um automóvel com essa solução alternativa no Brasil, sem marcar data ou apontar um produto. Mas é fácil concluir que se trata da 12ª geração do Corolla, a ser lançada em agosto ou setembro, e sua versão híbrida flex, em novembro ou dezembro. Como o preço deverá ser um pouco mais em conta que o atual híbrido Prius, este provavelmente deixará de ser comercializado aqui.


Outra japonesa, a Nissan, aproveitará para lançar o Kicks e-Power, elétrico de baixo custo por usar um motor/gerador para carregar uma pequena bateria de tração. O motor poderá usar etanol ou gasolina (flex) e alcançar entre 25km/l e 35km/l, respectivamente. Talvez fique para 2020.


Em 2019, haverá muitas novidades, embora não seja possível prever todos os meses exatos. Logo em janeiro, surge o Caoa Chery Tiggo 8 (versão de sete lugares do 5X). Ainda no final do primeiro trimestre, chega às concessionárias o VW T-Cross, nova referência entre SUVs compactos. A marca alemã também terá Polo e Virtus GTS, além do híbrido Golf GTE. Será um ano muito forte para a GM. As principais atrações são a segunda geração de Onix e Prisma (hatch e sedã mais vendidos no país) e a estreia de novos motores de três cilindros. Previsão: meados do segundo semestre.


Para a Hyundai, 2019 será importante com a segunda geração dos HB20/HB20S (hatch e sedã), ainda no primeiro semestre, cuja diretriz de estilo é o conceito Saga, exibido no recente Salão do Automóvel de São Paulo. Renault terá reestilização de meia-geração do Sandero e do Logan, no segundo trimestre. Peugeot 2008 e Suzuki Jimny (este apresentado no salão paulista) também receberão atualizações mais profundas no primeiro trimestre.


O mercado de picapes também terá novidades. Além da Mercedes-Benz Classe X no segundo semestre, Ranger Storm foi confirmada para novembro. Incógnita continua sendo a Renault Alaskan, irmã gêmea da Nissan Frontier, em razão do imbróglio Carlos Ghosn que abala a aliança franco-nipônica.

 

 

alta roda

 

TIGGO 5X é aposta forte da Caoa Chery nos SUVs. Com 2,63m de distância entre-eixos, garante espaço interno superior aos atuais rivais. Conjunto mecânico de primeira linha: motor turboflex de 1.5/150cv (etanol) e câmbio automatizado de dupla embreagem (seis marchas) proporciona trocas bem rápidas. Freio de imobilização elétrico automático é muito útil no
para e anda do trânsito.

DESTACAM-SE ainda no Tiggo 5X banco do motorista elétrico, monitoramento de pressão e temperatura dos pneus, multimídia de nove polegadas e rodas de 18 polegadas de diâmetro. Suspensão poderia ser um pouco mais firme, mas o mercado tem preferido esse tipo de acerto. Porta-malas de 340 litros é um ponto fraco. Preços bastante competitivos: R$ 86.990 a R$ 96.990.

EVOLUÇÃO de meia-geração do Honda HR-V destaca-se pelo acerto da suspensão. Um pouco mais macia, sem comprometer comportamento em curvas, absorve melhor as irregularidades do piso. Novos bancos aumentaram o conforto e “abraçam” melhor o corpo. Câmbio CVT evoluiu discretamente, mas só na posição S da alavanca desempenho ganha vida.

OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária (ONSV) analisou números de mortos no trânsito de 2011 a 2016. Houve redução de 15%, mas o Brasil não deve alcançar a meta proposta pela ONU até 2020. Neste ritmo, a previsão é de que o Brasil registre 33 mil óbitos/ano ao fim do prazo. Para cumprir o acertado, a mortalidade deveria cair de 62 mil/ano para 31 mil/ano.


Publicidade