Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

A volta do camelo

Depois de dois anos de desenvolvimento, modelo 2019 é apresentado em sua versão definitiva, equipado com motor de dois cilindros e visual inspirado nas competições


postado em 08/12/2018 05:09

A Ténéré 700 é compacta para proporcionar maior agilidade(foto: yamaha/divulgação)
A Ténéré 700 é compacta para proporcionar maior agilidade (foto: yamaha/divulgação)



Ainda sem saber que estava fazendo história, inaugurando o segmento das big trail, a Yamaha XT 500 foi lançada em 1976, para logo em seguida vencer o badalado rali Paris-Dakar, em sua primeira edição, com o francês Cyril Neuveu, em 1979. Robusta, equipada com motor de um cilindro e pronta para encarar grandes distâncias sem escolher o caminho, conquistou prestígio e sucesso comercial, devidamente aproveitado pela montadora para batizar a sucessora, a XT 600, com o nome de Ténéré, a partir de 1983, e que também chegaria ao Brasil em 1988.
O nome Ténéré, termo do povo nômade tuaregue para batizar um dos mais temidos desertos do continente africano e rota do rali Paris-Dakar, estaria definitivamente vinculado à família de motocicletas aventureiras, que agora apresenta sua mais nova “filha”: a Ténéré 700, em sua versão final, depois de cerca de dois anos de desenvolvimento. Mostrada inicialmente como protótipo, a nova Ténéré 700 incorporou muitas soluções usadas pelas motos de rali de competições para melhorar a performance no fora de estrada.

DESENVOLVIMENTO O processo de evolução e desenvolvimento da Ténéré 700 contou com a contribuição de consagrados pilotos, que participaram de um tour mundial por regiões inóspitas, como por exemplo o francês recordista de vitórias no Paris-Dakar, Stéphane Peterhansel. Esse tour mundial passou inclusive pela América do Sul, em regiões onde hoje é disputado o Rali-Dakar, que saiu da África, mas conservou o nome. O protótipo então virou motocicleta definitiva, conservando praticamente tudo da versão original e que vai chegar ao mercado mundial em meados de 2019.
O Brasil também receberá a nova Ténéré 700, embora ainda sem data definida, e vai preencher a lacuna deixada pela descontinuidade da XT 660 Ténéré. O modelo usa o mesmo motor de dois cilindros que equipa a MT-07, também comercializada no Brasil, o que igualmente facilita a logística de produção e manutenção. O propulsor, com 689cm³ e um arranjo na movimentação dos pistãos batizado de crossplane, é bastante vigoroso e fornece 75cv a 9.000rpm e torque de 6,9kgfm a 6.500rpm. Esses números ainda podem ser ajustados para apresentar ainda mais torque.

VISUAL As características técnicas na porção fora de estrada continuam com a suspensão dianteira invertida regulável, com tubos de 43mm de diâmetro e 210mm de curso. A suspensão traseira, do tipo mono, tem 200mm de curso e possibilidade de ajustes manuais. Além disso, a distância livre do solo é de 240mm e a distância entre-eixos é de 1.590mm. O banco tem formato plano para facilitar as manobras e altura de 880mm, para “protesto” de quem tem pernas curtas. O pacote conta ainda com tanque de 16 litros de capacidade, o que permite autonomia de cerca de 350 quilômetros.


A Ténéré 700 conta também com roda de 21 polegadas de diâmetro na dianteira, para facilitar a transposição de obstáculos, e aro 18 na traseira. Os freios têm duplo disco na dianteira, equipados com sistema ABS, que pode ser desligado para rodar na terra. Aliás, um dos poucos itens eletrônicos do modelo. O painel digital segue a filosofia das competições, com formato de totem vertical para facilitar a visualização na pilotagem em pé. O conjunto de iluminação é destaque, com quatro faróis em LED, também do tipo rali, no mesmo conjunto do para-brisa.


Publicidade