Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Conforto e bem-estar

Arquitetas dão dicas de como potencializar a incidência da iluminação natural em casa e economizar energia


postado em 08/12/2018 05:08

A arquiteta Flávia Roscoe observou o Sol durante processo de criação para definir as aberturas por onde a luz entra no ambiente(foto: Jomar Bragança/Divulgação)
A arquiteta Flávia Roscoe observou o Sol durante processo de criação para definir as aberturas por onde a luz entra no ambiente (foto: Jomar Bragança/Divulgação)



Uma casa bem-iluminada é o sonho de muitas pessoas que preconizam mais amplitude e naturalidade dentro do imóvel. A incidência de luz dentro do lar é uma alternativa importante para a avaliação da decoração, aconchego, qualidade de vida e bem-estar. Aproveitar melhor a luz do Sol, além de acrescentar beleza e charme à arquitetura, ainda é grande aliada da economia de energia.


De acordo com a arquiteta Gislene Lopes, é preciso num primeiro momento analisar a posição do terreno e da casa para verificar que lado o Sol “nasce” e qual lado ele se põe para uma melhor logística dentro dos cômodos. “Você deve colocar os quartos virados para o sol da manhã o que vai permitir ter um quarto mais fresco”, aconselha. Além disso, é necessário tentar fazer com que toda a casa tenha essa vantagem, que às vezes fica impossível em função da localização do terreno, das normas de afastamento, das leis do condomínio, das normas da prefeitura.


Observando a posição do sol para fazer uma implantação adequada da casa, principalmente durante o processo de criação, é possível definir as aberturas e janelas por onde a luz entrará no ambiente. “Está em nossas mãos, pela análise dos caminhamentos do Sol durante o dia, criar sensações agradáveis, valorizando a luz natural e evitando ofuscamento. Também neste momento criamos uma ligação com o entorno”, destaca a arquiteta Flávia Roscoe. Ela diz que é possível brincar com os espaços trazendo fluidez para integrar e criando privacidade onde é importante.

CÁLCULO No projeto, é importante considerar o tamanho dos vãos dentro das normas da arquitetura em termos de metros quadrados de janela em função do tamanho do espaço. “Você tem que calcular a área de luminosidade. Cada ambiente que você for projetar tem um mínimo de iluminação prevista e exigida pela lei”, afirma Gislene Lopes. Se o uso correto é uma janela de 2mx1,5m e você colocar 3mx1,8m, a luz que vai passar por essa janela pode estragar os móveis, o tapete etc.
Além disso, há iluminação específica para cada espaço. Tem ambientes em que você tem necessidade de muita luz, que seja muito claro. “Banheiro, por exemplo, você vai olhar cada detalhe do seu rosto, da sua pele, então precisa de muita luz. Canto de leitura é outro que precisa de muita luz”, destaca Gislene Lopes. Já nos quartos, tem momentos em que você precisa de muita luz e em outros pouca luz, por isso o projeto luminotécnico ajuda a criar cenas artificiais de luz que auxiliam nessa necessidade.


Flávia Roscoe destaca que a luz pode entrar por panos de vidro, janelas, claraboias e pergolados e pode-se usar brises e venezianas para controlar e direcionar a luz de acordo com o resultado desejado. Uma outra preocupação é com questões termoacústicas dos imóveis. “Hoje, a questão térmica e acústica é de extrema importância para o atendimento às normas de desempenho e consequente conforto dos usuários dos imóveis.”


A arquiteta afirma que o bom resultado vem da sinergia entre intenção, conceito e projeto. “O trabalho do arquiteto e as escolhas de projeto vão definir não só a valorização de um imóvel, mas também, e ainda mais primordialmente, a forma de viver daquele espaço, a energia, a vida de cada casa”, finaliza.


Quem mora em apartamentos há uma barreira na possibilidade de interferir no posicionamento de janelas ou estruturas. “As dicas são você ter um leiaute que permite ficar com a janela aberta. Usar persianas ou tecidos que absorvem de 80% a 90% os raios ultravioleta, sem escurecer o ambiente e não pôr anteparo nenhum que possa tampar ou fazer com que perca um pouco da luminosidade que vem da janela”, diz.

DICA DE OURO Um dos melhores truques é colocar película incolor nas janelas mais a cortina. Dessa forma, você mantém a luz natural e protege o tapete, móveis e objetos de arte porque esses elementos são iguais à pele. Estragam, desbotam. É importante ter esse tipo de cuidado.

* Estagiário sob a supervisão da editora Teresa Caram


Publicidade