Publicidade

Estado de Minas CAMPEONATO MINEIRO

Briga direta por posição

Diante do surpreendente Athletic, o Atlético vai mais uma vez de mistão, de olho no duelo do fim de semana pela Supercopa


15/02/2022 04:00 - atualizado 14/02/2022 22:00

O zagueiro Réver
O zagueiro Réver deve participar do jogo, que coloca frente a frente o Galo, vice-líder, contra o terceiro colocado (foto: PEDRO SOUZA/ATLÉTICO - 12/2/21)

O Atlético está de olho na decisão da Supercopa do Brasil, domingo, às 16h, na Arena Pantanal, em Cuiabá, contra o Flamengo. Mas antes tem de se concentrar no confronto com o Athletic, hoje, às 21h, no Mineirão, pela sétima rodada do Campeonato Mineiro, com briga direta por posições.

A promessa é que só depois do apito final nesta terça-feira é que os atleticanos vão pensar no rival do Rio. Mas, na prática, isso já está ocorrendo, tanto que o técnico Antonio “El Turco” Mohamed antecipou que vai escalar um time misto contra a equipe de São João del-Rei, preservando alguns dos principais jogadores para o jogo valendo taça no fim de semana.

“A escalação depende da recuperação dos atletas, mas devemos, sim, usar um time misto. Sabemos da importância da partida de domingo, mas também queremos ganhar nesta terça-feira, para nos manter na briga pela liderança do Mineiro”, afirmou o treinador.

O discurso dos jogadores é parecido. “Nosso planejamento de viagem vai ser o melhor possível. Mas antes de pensar na viagem a Cuiabá, temos de nos concentrar no jogo com o Athletic. Depois, vamos focar na primeira decisão do ano, contra o Flamengo. Queremos esse título”, disse o zagueiro Réver, que deve ser titular hoje, depois que Nathan Silva e Godín formaram a dupla de zaga no clássico contra o América, sábado passado, no Independência, vencido pelo Galo por 2 a 0.

O Atlético é o segundo colocado no Estadual, com 13 pontos em seis jogos, dois a menos que o Cruzeiro. Se vencer, assume provisoriamente a liderança. A classificação para as semifinais é praticamente certa, mas terminar a fase de classificação em primeiro dá vantagem no mata-mata que reunirá os quatro melhores. Já a final será em jogo único.

Igualmente em jogo único é a decisão da Supercopa do Brasil, cujo mando pertence à CBF, que demorou bastante a definir onde a partida seria disputada. Ao anunciar Cuiabá, depois de cogitar Brasília, desagradou aos atleticanos, que foram campeões tanto do Campeonato Brasileiro quanto da Copa do Brasil, mas mesmo assim terão de disputar o título contra o vice do Nacional, conforme previsto anteriormente em regulamento.

Além de considerarem que os rubro-negros levam vantagem por ter mais torcida na capital mato-grossense. Para piorar, consideram que o adversário recebeu informação do local antecipadamente, podendo reservar o melhor hotel e preparar a logística com mais tempo.

Alegando falta de locais adequados para treinamento em Cuiabá, a diretoria alvinegra anunciou ontem que não vai cumprir a cláusula do regulamento que determina que a delegação deve chegar à cidade do jogo com três dias de antecedência. Assim, vai em voo fretado no início da tarde de sábado, não estando prevista qualquer atividade lá antes da decisão.

“Na semana passada, quando se definiu Cuiabá como palco do jogo, o Atlético buscou informações sobre locais de treinamento. Para ir três dias antes, o ideal para uma boa preparação é que haja campo, academia, equipamentos de fisioterapia, fisiologia. Na ausência de local que atendesse a essas necessidades, o clube ponderou isso com a CBF e comunicou que viajará no sábado, após o treino da manhã na Cidade do Galo”, diz a nota divulgada pela assessoria de imprensa do Atlético.

As acusações de favorecimento ao Flamengo geraram bate-boca entre dirigentes. Já os jogadores preferem se concentrar no que podem fazer com a bola rolando.

“A rivalidade sempre vai existir, são duas grandes equipes, vitoriosas. A questão do local gerou desconforto, mas nosso pessoal responsável pela logística tomou as medidas necessárias. E nós vamos dar nosso melhor em campo”, declarou Réver.

FORTE 

Mesmo de olho no jogo de domingo, a expectativa é que o Galo tenha um time forte diante do Athletic hoje. Afinal, mesmo os reservas são considerados jogadores de alto nível, sobretudo tendo alguns titulares ao lado. Caso de Keno, que entrou contra o América e foi decisivo. Ele teve COVID-19 e só agora começou a atuar, podendo começar jogando pela primeira vez na temporada.

Atlético x Athletic


Atlético

Rafael; Guga, Vítor Mendes (Igor Rabello), Réver e Dodô; Tchê Tchê, Calebe e Dylan Borrero; Eduardo Sasha, Fábio Gomes e Keno
Técnico: Antonio Mohamed


Athletic

Pedro; Wallison Nunes, Danilo, Sidimar e Vinicius Silva; Wallison Luiz, Kadu e Michael Paulista; Willian Mococa, Alason Carioca e Rafhael Lucas
Técnico: Roger Silva


7ª rodada do Campeonato Mineiro

Estádio: Mineirão
Horário: 21h
Árbitro: Paulo Cézar Zanovelli da Silva
Assistentes: Felipe Alan Costa de Oliveira Magno Arantes Lira
TV: Premiere
Atleticano pendurado: Guga


O adversário

Veterano é opção

Sensação do Campeonato Mineiro, o Athletic vem a Belo Horizonte com o objetivo de se manter por mais uma rodada no G-4 – tem os mesmos 13 pontos que o adversário de hoje, levando desvantagem nos critérios de desempate pelo saldo de gols. Para tentar chegar ao quinto jogo de invencibilidade, o técnico Roger Silva terá de mudar o time, pois não pode contar com o volante Diego Fumaça e com o atacante Douglas Santos, suspensos. Outra baixa é o meio-campista Emerson, preservado por orientação do Departamento Médico do clube. Por outro lado, poderá lançar mão do experiente artilheiro Ricardo Oliveira, ex-Atlético, que ainda não estreou.

Atleticana

Atacante vendido
O Atlético anunciou ontem a venda do atacante Marquinhos, de 22 anos, para o Ferencvárosi, da Hungria. O clube mineiro receberá cerca de R$ 10 milhões e ainda manterá 25% dos direitos do atleta. Ele estava emprestado ao Botev Plovdiv, da Bulgária.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade