Publicidade

Estado de Minas SÉRIE A

Mesmo desfalcado pela COVID-19, Atlético busca a vitória contra o Ceará hoje

São 28 casos de coronavírus entre jogadores, integrantes da comissão técnica e da administração, mas o Galo precisa vencer para manter a liderança


22/11/2020 04:00

De volta ao time depois de atuar pela seleção de seu país, o atacante Savarino é um dos poucos reforços que o técnico Leandro Zago terá (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
De volta ao time depois de atuar pela seleção de seu país, o atacante Savarino é um dos poucos reforços que o técnico Leandro Zago terá (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Um time mais uma vez desfigurado, sem suas principais peças, mas que promete superar as dificuldades e honrar o nome do clube. Depois de surpreendentemente ter 28 casos de coronavírus em jogadores, integrantes da comissão técnica e profissionais da direção, o Atlético vai encarar o Ceará hoje, às 16h, no Castelão, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro, com o objetivo de trazer pontos para Belo Horizonte. A equipe tenta superar o abalo da infecção geral sofrida no grupo e também o desgosto da derrota para o Athlético-PR por 2 a 0, em pleno Mineirão, que impediu a equipe de abrir vantagem na ponta da competição.

De qualquer forma, após afastar os infectados, o clube espera que o problema não cause ainda mais prejuízo em meio à disputa pelas primeiras posições. Até o momento, o Galo vem lutando em pé de igualdade com os concorrentes graças a uma campanha sólida em casa, com oito vitórias, dois empates e uma derrota. Como visitante, o desempenho ainda precisa de fôlego maior: 33,3% de aproveitamento, com três triunfos e seis resultados negativos.

O Galo não é a primeira equipe que sofre com desfalques por COVID-19. Seus concorrentes ao título, Flamengo e Palmeiras, já entraram em campo muito desfigurados por causa dos testes positivos. Ao todo, 10 atletas estão cumprindo quarentena em casa: os goleiros Everson e Victor, o lateral Guga, os zagueiros Réver e Gabriel, os volantes Allan, Alan Franco e Jair, e os atacantes Sávio e Vargas. Franco, que foi contaminado enquanto esteve defendendo a Seleção Equatoriana, está cumprindo isolamento em seu país. Já o lateral-direito Mariano sofreu lesão muscular e também desfalca o time alvinegro.

O técnico Leandro Zago, que comanda a equipe de transição e deve ficar no banco, entende que os casos nas equipes tendem a mudar o panorama do Brasileiro: “Vai desequilibrar, mas vai desequilibrar para um lado e para o outro. Se alguma equipe conseguir não passar por esses desfalques, terá vantagem. Isso ocorreu com outras equipes. Tivemos uma situação de lockdown e agora têm crescido os casos com a retomada da rotina normal. Temos de estar preparados para isso. O importante é que todos estejam preparados e cumpram as devidas prevenções para evitar. Mas o que conseguirmos fazer nesses jogos em que tivemos impacto fará toda a diferença”.

Mesmo com os problemas, Leandro Zago terá menos dor de cabeça para armar a formação que atuará no Nordeste. O Galo contará com os retornos do zagueiro Junior Alonso e do atacante Savarino, que serviram suas seleções nas Eliminatórias Sul-Americanas. Ambos passaram por testes, junto com o restante do grupo, e estão confirmados nesta tarde.

Improvisado como lateral-esquerdo, Alonso atuou durante todo o jogo no empate do Paraguai por 1 a 1 com a Argentina, na Bombonera. Em nova igualdade, desta vez com a Bolívia (2 a 2), em Assunção, ele deixou a partida aos 16min do segundo tempo. Já Savarino entrou aos 33min da etapa final na derrota para o Brasil por 1 a 0, em São Paulo, e foi titular na vitória sobre o Chile por 2 a 1, em Caracas, deixando a partida aos 23min do segundo tempo.

ATAQUE COM FORÇA 
Com o retorno do venezuelano, o Galo terá sua formação de frente usada em vários jogos do Brasileiro. Juntos, Savarino, Sasha e Keno balançaram as redes 15 vezes na competição – 40,5% dos gols da equipe, dona do melhor ataque entre os 20 representantes da Série A. Keno lidera a artilharia alvinegra, com nove gols. No banco, ainda terá a opção de Marrony, que balançou as redes quatro vezes e foi o autor do gol da vitória sobre o Corinthians por 2 a 1, a última do Galo na competição.

Ceará X Atlético

Ceará
Fernando Prass; Samuel Xavier, Tiago Pagnussat, Luiz Otávio (Eduardo Brock) e Bruno Pacheco; Charles, Fabinho e Vina; Fernando Sobral,Leo Chú  e Felipe Vizeu
Técnico: Guto Ferreira

Atlético
Rafael; Talisson (Gustavo Henrique), Igor Rabello, Junior Alonso e Guilherme Arana; Hyoran, Nathan e Zaracho; Savarino, Keno e Eduardo Sasha
Técnico: Leandro Zago

22ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Castelão
Horário: 16h
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Assistentes: Danilo Ricardo Manis e Alex Alg Ribeiro (SP)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
TV: Globo
Atleticanos pendurados: Dylan Borrero, Guilherme Arana, Jair, Junior Alonso, Keno, Réver e Savarino



O adversário
Uma equipe combalida

Eliminado da Copa do Brasil pelo Palmeiras no meio de semana, o Ceará agora apostará todas as fichas para chegar às primeiras posições no Brasileiro. Mas a equipe não vence desde os 2 a 1 sobre o Coritiba, em 20 de outubro, no Castelão, aspecto que ajudou a distanciar a equipe do pelotão de frente. Como o Atlético, o clube também sofre com desfalques por COVID-19. Nesta semana, Saulo, Gabriel Lacerda e André Luiz foram infectados e estão em quarentena. Antes, o zagueiro Eduardo Brock e o armador Vina já haviam sido diagnosticados com a doença. Ambos estão recuperados.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade