Publicidade

Estado de Minas SÉRIE B

Alívio e esperança

Na reestreia de Felipão, Cruzeiro marca aos 39min do segundo tempo, vence o Operário e põe fim à série de quatro jogos sem triunfo. Sobe posições, mas continua na zona de rebaixamento


21/10/2020 04:00 - atualizado 21/10/2020 08:04

Maurício felicita Arthur Caíke pelo gol da vitória em Ponta Grossa, que marca o início da segunda passagem de Felipão (abaixo) pela Toca da Raposa(foto: Fotos: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)
Maurício felicita Arthur Caíke pelo gol da vitória em Ponta Grossa, que marca o início da segunda passagem de Felipão (abaixo) pela Toca da Raposa (foto: Fotos: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)
A comemoração do técnico Luiz Felipe Scolari no gol marcado por Arthur Caíke e logo após o apito final exemplifica bem a importância da vitória por 1 a 0 do Cruzeiro sobre o Operário-PR, na noite de ontem, em Ponta Grossa.

Além dos três pontos, o resultado é fundamental para que o treinador inicie o trabalho de recuperação da confiança dos atletas da Raposa, que ainda está na zona de rebaixamento da Série B do Campeonato Brasileiro, mas começa a ver uma luz no fim do túnel.
 
Assim, a equipe celeste interrompe série de quatro jogos sem vitória – nos quais perdeu dois e empatou dois. O próximo compromisso será domingo, às 16h, no Recife, contra o Náutico, que tem dois pontos a mais e ontem venceu o Oeste-SP, fora de casa, por 1 a 0.
 
 “Os jogadores estão desconfiados deles próprios, não estão acreditando totalmente na qualidade que têm. E a gente sabe como é a Série B. O Operário tinha um jogador de 18 anos. Nós tínhamos cinco vindos da base. Os atletas deles eram bem mais altos. São detalhes que, se a gente quer que o Cruzeiro volte, a gente vai ter de fazer diferente. E estou tentando passar confiança. Afinal, todos passamos dificuldades na vida e tivemos oportunidade de retornar melhores. Temos de agradecer pela vitória, mas ainda falta muito. Inclusive temos de melhorar muito tecnicamente para enfrentar equipes em melhores condições”, afirmou o treinador.
 
Justamente por levar em conta as características da disputa e pelas circunstâncias, ele mandou o Cruzeiro a campo com novidades. No meio, o volante Adriano foi escalado ao lado de outro jovem, Jadsom Silva, com os experientes Marquinhos Gabriel e Arthur Caíke entrando pelos lados e Régis mantido centralizado. Na frente, outro veterano, Marcelo Moreno, que reassumiu a titularidade.
 
O time nem de longe foi brilhante, mas ao menos se mostrou mais seguro. Até porque o adversário também pareceu bem sem confiança, pois completou o quinto jogo seguido como mandante sem vencer, o que custou o emprego do técnico Gérson Gusmão.
 
No segundo tempo, o jogo ficou um pouco mais aberto. Aos 14min, Marcelo obrigou Fábio a trabalhar. Cinco minutos depois, o Cruzeiro fez o mesmo com Thiago Braga, em falta cobrada por Marquinhos Gabriel. Já aos 23min foi a vez de Arthur Caíke, de cabeça, exigir intervenção do goleiro paranaense.
Aos 39min, o Cruzeiro chegou ao gol, depois de boa jogada de Aírton, que substituiu Régis. Ele cruzou rasteiro e Arthur Caíke teve tempo de ajeitar antes de bater firme. Já nos acréscimos, Fábio garantiu a vitória ao pegar chute à queima-roupa de Rafael Bonfim. E Lucas Batatinha, todo sem jeito, já no fim, finalizou para fora, aliviando a barra celeste.
 
Apesar de feliz de reestrear com vitória, Felipão mantém os pés no chão: “Estou com barro até o pescoço. Primeiro, tenho de sair de onde estamos. Ainda faltam muitos jogos, qualidade, treinamento, pontos para a gente conseguir nosso objetivo. Ganhamos uma posição e domingo vamos jogar para ganhar duas. Nossa vitória não foi por qualidade, foi por entrega. Não vamos comemorar nada, pois estamos lá embaixo. No futuro, poderemos falar algo diferente. Nosso objetivo é sair desta situação, acabar com o medo de errar e voltar a confiança para fazer uma jogada”.

FICHA TÉCNICA

Operário-PR 0 X 1 Cruzeiro

Operário-PR: Thiago Braga; Sávio, Rafael Bonfim, Ricardo Silva e Peixoto; Leandro Vilela (Jean Carlo 20 do 2º), Marcelo, Maranhão (Fabiano 28 do 2º) e Thomáz (Diego Cardoso 28 do 2º); Douglas Coutinho e Jefinho (Lucas Batatinha 38 do 2º)
Técnico: Gérson Gusmão
Cruzeiro: Fábio; Rafael Luiz, Cacá, Ramon e Matheus Pereira; Adriano, Jadsom Silva, Marquinhos Gabriel (Maurício 27 do 2º), Régis (Aírton 20 do 2º) e Arthur Caíke (Jadson 44 do 2º); Marcelo Moreno
Técnico: Luiz Felipe Scolari
17ª rodada da Série B do Brasileiro
Estádio: Germano Kruger
Gol: Arthur Caíke 39 do 2º
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)
Assistentes: Alessandro A. Rocha de Matos e Edevan de Oliveira Pereira (BA)
Cartão amarelo: Matheus Pereira, Douglas Coutinho, Sávio, Adriano, Ricardo Silva, Marcelo e Peixoto
Próximos jogos: Náutico (f), Paraná (c) e Botafogo-SP (f)

 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade