Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Clubes seriam prejudicados se paralisação das ligas europeias for definitiva

Muitos clubes, desde os que disputam o título até os que lutam para evitar o rebaixamento, sofreriam graves perdas econômicas


postado em 13/04/2020 04:00

Para o presidente da Uefa, Aleksander Ceferin,
Para o presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, "é impossível que o Liverpool termine sem o título" (foto: Robin van Lonkhuijsen/AFP)


Uma conclusão definitiva pela paralisação dos campeonatos europeus devido à pandemia do novo coronavírus pode prejudicar muitos clubes, desde os que disputam o título até os que lutam para evitar o rebaixamento, ou aqueles que estão prestes a conseguir uma vaga nos torneios europeus. Uma espera que remonta a 1990. O Liverpool, com uma vantagem de 25 pontos sobre o Manchester City no momento da paralisação da Premier League, estava conquistando seu primeiro título da liga em 30 anos. Agora os torcedores dos Reds temem que essa possibilidade possa desaparecer.

Mas o presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, se mostrou contra essa possibilidade: "É impossível que o Liverpool termine sem o título. Se os jogos forem disputados, ele quase certamente vencerá (...) Se o campeonato não puder ser disputado, teremos que encontrar um meio e um critério a partir dos quais os resultados serão declarados e os vencedores designados".

Assim, embora a Uefa use todos os meios para evitá-la, a interrupção definitiva da temporada é sem dúvida uma possibilidade, dado o confinamento imposto nos grandes países do futebol europeu desde o início de março. Nesse caso, a opção de declarar a classificação atual como definitiva poderia ser imposta no lugar de uma temporada em branco, que fosse simplesmente cancelada. Mas essa opção, assim como as outras, não está livre de dificuldades.
 
O Liverpool estava prestes a conquistar seu primeiro título de Premier League em 30 anos(foto: Paul Ellis/AFP)
O Liverpool estava prestes a conquistar seu primeiro título de Premier League em 30 anos (foto: Paul Ellis/AFP)
 

NADA DECIDIDO

Se na Inglaterra com o Liverpool e na França com o PSG – com 12 pontos a mais que o Olympique de Marselha – o campeonato parecia decidido, não é o caso no restante das principais ligas. Na Bundesliga alemã, o Borussia Dortmund está em segundo e quatro pontos atrás do Bayern de Munique. Na Espanha, o Barcelona tem apenas dois pontos a mais do que seu rival, o Real Madrid. E o equilíbrio é ainda maior na Itália, onde a Juventus lidera a Serie A com um ponto a mais que a Lazio, que sonha em conquistar o 'Scudetto' pela terceira vez em 120 anos de história.

Assim, não surpreende que o presidente do clube romano, Claudio Lotito, seja a voz mais proeminente do grupo favorável à retomada do campeonato na Itália, o país europeu mais afetado pela pandemia da COVID-19, com quase 20 mil mortes no saldo e cuja população deve ficar confinada pelo menos até o dia 3 de maio. Caso a classificação atual seja a definitiva, os clubes que estão fora das posições classificatórias para a Liga dos Campeões também seriam prejudicados.

Na Inglaterra, o Tottenham de José Mourinho, finalista da Liga dos Campeões no ano passado, ocupa apenas o oitavo lugar atualmente na Premier League. Logo atrás está o Arsenal, outro tradicional europeu que ficaria de fora, em caso de paralisação definitiva. Na França, o Lyon, 7º da Ligue 1, daria adeus por pelo menos um ano das competições europeias. Seria a primeira vez desde 1995 para o clube francês. Na Espanha, o Atlético de Madrid ficaria de fora da Liga dos Campeões, da qual participou ininterruptamente de 2013 a 2019, e com duas finais incluídas nesse período (2014 e 2016).

SEGUNDA DIVISÃO

Outros clubes que vão lamentar por terem deixado suas lutas pelo salvamento para o fim são aqueles que ocupam as zonas de rebaixamento. Assim, na Premier League, o Bournemouth tem os mesmos pontos que o Watford (o primeiro fora da degola) e cairia devido ao saldo de gols. Situação parecida à do Bournemouth vive o Lecce na Itália, com os mesmos pontos do Genoa, mas seria o primeiro a cair para a Serie B junto com os dois últimos.

Na Espanha, o Mallorca está a apenas um ponto da salvação. São, portanto, vários clubes que poderiam iniciar disputas legais no caso de uma interrupção definitiva das competições. Mas todos, sem exceção, sofreriam perdas econômicas. O presidente da Liga Espanhola, Javier Tebas, fala sobre "um bilhão de euros" de perdas na Liga se a competição não for retomada.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade