Publicidade

Estado de Minas

Chance de voar alto

Com a má fase dos centroavantes atleticanos, Papagaio pode ter primeira oportunidade como titular. Técnico planeja usar força máxima no confronto de amanhã contra o Goiás


postado em 27/07/2019 04:14

Papagaio (entre Elias e Fábio Santos) vira opção diante do jejum de gols enfrentado pelos comandantes do ataque alvinegro(foto: JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS)
Papagaio (entre Elias e Fábio Santos) vira opção diante do jejum de gols enfrentado pelos comandantes do ataque alvinegro (foto: JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS)


Depois de sete meses figurando entre os reservas ou mesmo nem sendo relacionado para os jogos, o jovem atacante Rafael Papagaio, de 20 anos, pode ter sua primeira chance como titular no Atlético. Emprestado pelo Palmeiras, ele é uma das sensações no futebol de base nacional e vive a expectativa de começar uma partida pela primeira vez pelo alvinegro, amanhã, diante do Goiás, no Serra Dourada, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. O técnico Rodrigo Santana planeja mandar a campo a base que atuou na vitória contra o Botafogo, pela Sul-Americana.

Papagaio é a terceira opção no grupo alvinegro, que ainda conta com o experiente Ricardo Oliveira, de 39, e com o prata da casa Alerrandro, de 19. Mas ambos atravessam má fase e foram muito criticados pela torcida. Ricardo vive jejum de 13 compromissos sem marcar gol, o maior desde o início da sua carreira. E Alerrandro nem sequer foi relacionado contra o Botafogo e diminuiu seu prestígio depois de jogar mal nos dois clássicos diante do Cruzeiro, pela Copa do Brasil, além de ter sido figura apagada e perdido um pênalti no 2 a 2 com o Fortaleza.

O momento ruim de ambos favorece a escolha técnica por Papagaio, mas o jogador adota o discurso de respeitar o legado dos companheiros de frente: “Não tenho o que falar do Ricardo, uma pessoa que me ajuda diariamente, um cara muito experiente e uma referência para todo o grupo e que está passando por momento difícil. O Alerrandro também é um jovem promissor, um grande amigo aqui dentro. É um momento difícil que nós, do ataque, estamos vivendo. Quem entrar vai dar o máximo para ajudar o Atlético”.

Na última temporada, Papagaio marcou 34 gols em 38 jogos pela base do Palmeiras (times Sub-19 e Sub-20) e chamou a atenção de diversos clubes do país. O jogador chegou a acordo com o Atlético em dezembro, mas demorou a estrear depois de sofrer lesão no tornozelo esquerdo durante a participação no Sul-Americano Sub-20 com a Seleção Brasileira, no Chile. Pelo Galo, foram quatro jogos e nenhum gol – totaliza 80 minutos. Ele teve a chance de atuar em parte do segundo tempo contra o Botafogo, quarta-feira, e foi determinante na expulsão do zagueiro Joel Carli, que fez falta violenta no atacante numa disputa de bola.

O jogador atribui as poucas oportunidades à má condição física depois de se machucar, mas se coloca à disposição a partir de agora, quando se considera 100%: “A lesão em janeiro me atrapalhou um pouco. Estava vivendo momento bom no Sub-20 do Palmeiras, mas me machuquei na Seleção. A expectativa era jogar, mas fiquei fora. Mas o Atlético tem um Departamento Médico qualificado, que me deixou apto para jogar em tempo menor do que a perspectiva inicial. Tenho de seguir trabalhando, esperar a chance e respeitar a opção do treinador e estar pronto na hora em que ele precisar”.

Ele foi muito elogiado por Rodrigo Santana diante do Botafogo quanto à recomposição nos momentos em que o adversário ficou com a bola. Porém, ele sabe que isso não é uma característica essencial para qualquer atleta: “O Rodrigo cobra bastante que a gente faça a marcação inicial com os volantes. Mas acho que isso não é um diferencial. Todos nós estamos aptos a fazer o que ele pedir”.

DOIS DE FORA Rodrigo vai esperar o aval da preparação física para confirmar o time que pega o Goiás. Mas a tendência é que o lateral-esquerdo Fábio Santos e o volante Jair sejam preservados no Serra Dourada, pois alegaram cansaço muscular. Na esquerda, Hernández deve ser titular. Para o meio-campo, Rodrigo Santana tem como opções Zé Welison e o paraguaio Martínez.


O atacante em ação

Data Placar/Adversário  Competição       Minutos
20/3 3 x 1 Tupynambás Mineiro 45
4/5 2 x 1 Ceará Brasileiro   4
14/7 2 x 1 Chapecoense Brasileiro 13
24/7 1 x 0 Botafogo Sul-Americana    18


Publicidade