Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Serena perto de fazer história

A norte-americana decidirá o título de Wimbledon contra Simona Halep. Em caso de vitória, será seu 24º título de Grand Slam e se igualará à atual recordista, Margaret Court


postado em 12/07/2019 04:07

Serena Williams bateu a tcheca Barbora Strycova por 2 a 0, depois de vencer as dores no joelho durante a competição. Halep (abaixo) ganhou da ucraniana Elina Svitolina e disputará sua primeira final em Wimbledon(foto: Ben STANSALL/AFP)
Serena Williams bateu a tcheca Barbora Strycova por 2 a 0, depois de vencer as dores no joelho durante a competição. Halep (abaixo) ganhou da ucraniana Elina Svitolina e disputará sua primeira final em Wimbledon (foto: Ben STANSALL/AFP)
 

Londres – Simona Halep, ex-número 1 do mundo, é a última tenista entre Serena Williams e o recorde de 24 títulos de Grand Slam. Depois de vencer com facilidade nas semifinais, a romena e a americana vão disputar o troféu de Wimbledon amanhã. Williams, de 37 anos e 11ª cabeça de chave, obteve uma vitória contundente sobre a tcheca Barbora Strycova, 54ª do mundo, por 6-1 e 6-2, em apenas 59 minutos. A americana começou um pouco lenta, mas logo encontrou seu jogo e soltou suas demolidoras rebatidas de direita, com as quais quebrou rapidamente o serviço da tcheca. Seu saque arrasador e uma defesa sólida fizeram o resto.

Strycova tentou cansar sua veterana adversária, mas ela acabou se complicando e cometeu erros que contribuíram para o resultado final. Williams, que ao longo de toda esta temporada sofreu com dores no joelho, teve controle total do jogo.

“Sinto-me melhor do que no início do torneio” e “estou melhorando jogo após jogo”, afirmou a americana. “Eu gosto do que faço e todas as manhãs me levanto para me sentir em forma. Hoje eu estava tranquila. Comigo as coisas vão na base do dia a dia, todo mundo sabe disso. Estou longe de ser perfeita", afirmou em referência a seus lampejos de genialidade.

Ano difícil A mais jovem das Williams está a uma vitória de igualar o recorde da australiana Margaret Court com 24 troféus de Grand Slam. Serena vem buscando essa marca desde que em 2017 venceu o Aberto da Austrália. Mas depois fez uma pausa para dar à luz sua filha, Alexis Olympia, e não voltou a competir até há pouco mais de um ano.

Na última edição de Wimbledon, chegou até à final, mas foi derrotada pela alemã Angelique Kerber. Depois foi a japonesa Naomi Osaka quem a venceu na final do US Open, provocando uma cena de ira da americana.

Desde então, tudo parecia ir mal, especialmente devido às dores no joelho direito que a impediram de jogar boa parte desta temporada, na qual foi eliminada na terceira rodada de Roland Garros.

Mas, desde que chegou à grama londrina, ela garante que pôde enfim se concentrar e se sente melhor, embora na terça-feira tenha precisado suar muito para vencer nas quartas sua compatriota Alison Riske, que a colocou em sérias dificuldades.

Sua adversária promete não dar vida fácil. “Joguei muitos jogos contra ela”, disse a romena, que só ganhou um de seus 10 duelos, em 2014. Mas “muitos deles foram acirrados”, destaca. “Agora acho que tenho chances de ganhar dela”, diz Halep.

“É claro que respeito muito o que ela fez e o que está fazendo, mas me sinto mais forte mentalmente contra ela”, afirmou a romena, que ao começar esta temporada era ainda a número 1 do mundo e fez uma campanha muito sólida na grama de Wimbledon.

Esta será a primeira final em Wimbledon para Halep, sétima cabeça de chave, que derrotou com um jogo muito agressivo a ucraniana Elina Svitolina nas semifinais. A campeã de Roland Garros'2018 precisou de 1h13min para derrotar a oitava cabeça de chave por 6-1 e 6-3.

Masculino Hoje, às 9h (de Brasília), o sérvio Novak Djokovic e o espanhol Roberto Bautista abrem as semifinais do torneio masculino. Às 11h, o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal farão um clássico do tênis mundial na outra semifinal. Eles irão reviver o duelo épico de 2008 no torneio londrino, quando Nadal venceu Federer em partida que durou quase cinco horas, conquistando seu primeiro título de Grand Slam na grama. Mas o suíço tem oito títulos em Wimbledon, contra dois do espanhol.

Bruno cai O tênis do Brasil não tem mais representantes em Wimbledon, o terceiro Grand Slam da temporada. Ontem, o mineiro Bruno Soares e a norte-americana Nicole Melichar foram eliminados nas quartas de final da chave de duplas mistas ao ser derrotados pelo holandês Matwe Middelkoop e pela chinesa Zhaoxuan Yang por 2 a 0 (6/4 e 6/3).

Cabeças de chave número 1 no Grand Slam disputado na grama, em Londres, Bruno Soares e Nicole Melichar haviam conquistado no dia anterior uma vitória significativa na competição. Os dois bateram a dupla formada pelo britânico Andy Murray e a norte-americana Serena Williams, dois ex-números 1 do mundo em simples.

Parceiros habituais em Grand Slams, o desempenho do brasileiro e da norte-americana em Wimbledon ficou abaixo da expectativa diante do que aconteceu neste ano no Aberto da Austrália, em Melbourne, em janeiro, e em Roland Garros, em Paris, no mês passado, quando conseguiram alcançar as semifinais.


Publicidade