Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Boladas e botinadas


postado em 09/07/2019 04:05

 

O CHORO É....

Não deu outra. A arbitragem entrou em campo para apitar o jogo entre Brasil e Peru carregando o peso da choradeira do Messi. O argentino, que não consegue ganhar títulos com o selecionado do seu país, se fez de vítima, detonou a arbitragem como se houvesse uma armação contra o seu time. O fato é que até hoje estamos discutindo as penalidades daquela partida. Um chororô que não acaba mais.  Mas fica difícil entender como uma partida de mais de 90 minutos, mesmo para os nossos especialistas, mesmo para os ex-árbitros, pode ser analisada ignorando outros lances. Tudo se resumiu ao que os portenhos apontaram. Mas vejam que o Willian naquele jogo saiu contundido, mas a origem da lesão pode ter sido a entrada que levou logo que entrou em campo. Tentaram quebrar o pé do Daniel Alves ... mas não debatemos isso, somos bonzinhos, ou fazemos pose de bonzinhos....

 

PESOU

Então, o árbitro chileno Roberto Tobar entrou em campo para mostrar aos argentinos que o Brasil não teria boa vida. Mais uma vez ele viu o Gabriel Jesus ser provocado, levar faltas violentas e, quando o brasileiro resolveu jogar duro contra seus agressores, foi expulso. Uma atitude absurda, mas ali não era ele apitando, era o Messi, era a voz do argentino com seu chororô ecoando em campo. Acho que qualquer toque de mão na bola dentro da área deveria ser pênalti. Mas não é isso que orientam a Fifa, a Conmebol e outros bichos que mandam. Então, o pênalti contra o Brasil não existiu. Foi um presente de consolação, não para o Peru, mas para o camisa 10 da argentina.

 

ERRO

Mas o Messi acabou vitimado por sua postura birrenta na Copa América. Após ser peitado pelo Medel e, sem revidar, mas o árbitro Márcio Díaz de Vivar não pensou duas vezes e usou o cartão vermelho. Saiu com o chileno e, se não fosse a bronca entre os dois, poderiam ter formado uma boa dupla sertaneja.: Messi e Medel.

 

MEDALHA

Messi não apareceu para receber a medalha de bronze. Mas, me digam: depois de tudo que ele falou, depois da chiadeira que comandou, como ele iria receber a tal medalha? Não havia como. Interessante é que, se o camisa 10 fosse mesmo um líder respeitado pelo grupo, não teria protestado sozinho. Outros teriam evitado receber a premiação. O menino birrento ficou sozinho.

 

TITE

Seria o momento de investigar quem vazou a notícia de que o Tite deixaria a Seleção Brasileira. A notícia que vazou num momento errado até agora não se confirmou. Então, alguém precisa esclarecer o fato.

 

ATÉ JESUS!!!

Até Jesus perdeu a paciência com a arbitragem. A expulsão do camisa 9 do time brasileiro foi um ato de autoritarismo. O árbitro tinha duas opções: expulsar um jogador de destaque ou dependurar uma melancia no pescoço. Optou pela exclusão do Gabriel. Claro, aquela reação foi exagerada, quase derrubando a cabine do VAR. Mas, pelo menos, vejo em campo alguém que demonstra sua indignação contra a incompetência do árbitro.

 

DE POSITIVO

Muito bom ver o Cebolinha jogando aquele futebol atrevido, foi bom observar a recuperação do futebol do Gabriel de Jesus, e, se não fosse a caxumba, Richarlison teria feito muito mais, mas voltou bem e com personalidade.

 

GRAMA....

As reclamações contra alguns gramados foram corretas. É de assustar a condição que os jogadores enfrentam em alguns estádios. Claro, o Mineirão, por exemplo, foi uma exceção. Mas ocorre que tudo foi preparado para a Copa de 2014. Depois disso, vieram o desleixo, a incompetência. Não demora muito e dirão que nossos estádios, inclusive os elefantes brancos, terão que passar por uma reforma. Haja grana!!!!! 


Publicidade