Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Muita adrenalina de olho em Tóquio

A partir de hoje, atletas de todo o Brasil vão competir nas pistas do Parque das Mangabeiras em série que conta pontos para qualificação olímpica. Destaque para Virgínia Águas, de 13 anos


postado em 06/07/2019 04:06

"Antes era só brincadeira, mas agora é sério, pois quero muito competir e estar na Olimpíada" Virgínia Fortes Águas, 13 anos, 13ª skatista do ranking mundial, durante treino no Parque das Mangabeiras. Abaixo, com a irmã Aurora (foto: Fotos: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


Agora é pra valer. Hoje e amanhã os amantes do skate poderão acompanhar, no Parque das Mangabeiras, o Oi STU Qualifying Series, competição que conta pontos para definir classificação para os Jogos Olímpicos Tóquio’2020. Hoje, a partir das 8h30, treinos livres. Às 11h, as eliminatórias no masculino e feminino na categoria street. Entre os 61 competidores inscritos, cinco atletas da Seleção Brasileira. Entre eles, Virgínia Fortes Águas, de apenas 13 anos, a 13ª do ranking mundial, quarta do brasileiro, que veio de Niterói (RJ) para BH com a família – pai, mãe e três dos cinco irmãos.

“Eu sempre viajo acompanhada deles. Somente na próxima competição, nos EUA – o Street League, em Los Angeles, dentro de três meses –, é que irei sozinha. Estar com a família é ter uma força a mais. Meu pai, Virgílio, minha mãe, Raquel, e meus irmãos, Aurora, Miguel, Ravi e Rafaela, acompanham minha carreira. Devo tudo a eles”, conta.

A família, no caso de Virgínia, é fundamental para que ela siga competindo, como conta sua mãe: “Para que ela possa competir, a família toda, tanto do meu lado, quanto do pai, ajuda. A gente cotiza para conseguir o dinheiro, uma vez que ela não tem patrocinadores, somente apoiadores. Nós mexemos com venda de pastéis e caldo de cana em Niterói. Sempre fazemos promoções para conseguir um dinheiro a mais. Fazemos festas, inventamos qualquer coisa para que ela possa seguir competindo”.

Virgínia diz também que ser atleta exige sacrifícios, em especial por causa dos estudos. “Na minha escola, todos sabem que tenho de viajar para competir. Nesse caso, não me dão folga. Os professores passam a matéria que será dada na minha ausência e eu estudo nas viagens. Quando tem prova, eu as faço antes do restante dos meus colegas. É uma ajuda muito grande, pois somente dessa maneira posso competir. Atleta tem de passar por isso”, diz a adolescente, que anda de skate desde os 4 anos. “Antes era só brincadeira, mas agora é sério, pois quero muito competir e estar na Olimpíada.”

Ao contrário de Virgínia, Lucas Xaparral, de 31, tem uma realidade diferente. Skatista profissional, ele tem quatro patrocinadores – TNT, Elment, Vans e Harley Davidson. Apesar disso, diz que tem que lutar ele mesmo. “Eu sou meu maior adversário. Tenho de me superar, manter a calma para poder fazer as manobras. Se fico nervoso, erro. Isso não pode acontecer.”

Belo Horizonte sedia a segunda etapa desse evento, que faz parte da Seletiva Brasileira. Antes, em janeiro, a disputa foi em Florianópolis. As próximas etapas serão em Brasília, Lauro de Freitas (BA), Sapiranga (RS) e São Paulo.

ENTRADA LIVRE Os interessados em acompanhar a competição terão entrada franca no Parque das Mangabeiras. Os visitantes, porém, devem apresentar comprovante de imunização contra a febre amarela, com vacina aplicada no mínimo 10 dias antes da visita. Quem não apresentar a carteira de vacinação deve portar documento de identidade e preencher na portaria uma declaração de que já foi vacinado.



Publicidade