Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Mata-mata sob a sombra do VAR

Em meio a críticas de que sistema de vídeo teria beneficiado equipes europeias, quartas de final definem hoje o primeiro semifinalista feminino no duelo Inglaterra x Noruega


postado em 27/06/2019 04:06

Mesmo tendo batido Camarões nas oitavas por 3 a 0, triunfo das inglesas foi questionado após decisões da arbitragem: Fifa nega ação do 'apito amigo'(foto: PASCAL GUYOT/AFP)
Mesmo tendo batido Camarões nas oitavas por 3 a 0, triunfo das inglesas foi questionado após decisões da arbitragem: Fifa nega ação do 'apito amigo' (foto: PASCAL GUYOT/AFP)


Com uma só seleção não europeia ainda na disputa, a Copa do Mundo Feminina de Futebol abre hoje na França a fase de quartas de final. A partida será entre Inglaterra e Noruega, às 16h (horário de Brasília). O duelo ocorre num momento em que as inglesas estão no centro de uma polêmica: a de que teriam sido beneficiadas na vitória por 3 a 0 sobre Camarões, nas oitavas de final. Chefe da arbitragem da Fifa, o italiano Pierluigi Collina negou qualquer tipo de ‘apito amigo’ para as nações da Europa na competição.

No rastro de duras críticas, Collina atribuiu a “erros de interpretação” os questionamentos, ao ser confrontado com o fato de o histórico de contestações na aplicação do VAR ter sido monopolizado por representantes da América do Sul, África e Ásia. “Todas as equipes vindas dos seis continentes são importantes e merecem nossa atenção máxima. Todo mundo é livre para reclamar se quiser, mas reclamações precisam ser baseadas em fatos. Se não há fatos, não tenho o que comentar”, reagiu.

O chefão da arbitragem foi questionado particularmente sobre o polêmico uso do sistema de vídeo durante o duelo vencido pela Inglaterra sobre as camaronesas, que por duas vezes ameaçou não deixar a partida ser retomada. “Eu acho que você deveria analisar melhor as regras do jogo e os protocolos. Ficaríamos felizes de fornecer livros para que você pudesse analisar melhor e saber melhor as situações nas quais um árbitro pode ver o vídeo ou não”, ironizou Collina ao responder a um jornalista que lhe perguntou se o árbitro havia agido de maneira “irrepreensível”.

NEGATIVAS Antes dessa resposta ríspida, Collina se defendeu de toda pergunta sobre este confronto, garantindo que o árbitro acertou na decisão tomada no segundo gol inglês, inicialmente anulado por impedimento, mas depois confirmado. “O gol foi validado após o apito porque o assistente levantou a bandeira (por erro) somente quando a bola já estava dentro do gol”, o que não teria afetado o comportamento da defesa camaronesa, afirmou.

“Às vezes, há notícias estranhas que complicam nosso trabalho, mas sempre encontramos um jeito de mostrar que tínhamos razão ao fazer o que fizemos”, concluiu. Além de Inglaterra x Noruega, haverá os jogos França x Estados Unidos (amanhã), e Itália x Holanda e Alemanha x Suécia, ambos no sábado.

E MAIS...
Um mês parada
A atacante Cristiane teve confirmada lesão de grau dois no músculo posterior da coxa direita. Ela se lesionou no domingo, durante o duelo em que o Brasil foi eliminado pela França, na derrota por 2 a 1 pelas oitavas de final do Mundial Feminino. A previsão de retorno da atleta do São Paulo é de quatro semanas, de acordo com o clube. Na Copa, ela marcou quatro gols e foi a artilheira da Seleção Brasileira.

Temor por vaga
Campeã olímpica de futebol feminino no Rio’2016, a Alemanha teme não poder defender seu título em Tóquio’2020. Há sete equipes europeias presentes nas quartas de final da Copa do Mundo e somente as três melhores seleções do Velho Continente estarão classificadas para os Jogos. Em caso de semifinais 100% europeias (os Estados Unidos são a única representante de fora), a partida pelo terceiro lugar, entre as duas derrotadas nas semis, se tornará uma verdadeira final.


Publicidade