Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Meninas perto da fase final


postado em 18/06/2019 04:07


Com um time totalmente renovado, sem veteranas – pediram dispensa Adenízia, Thaísa, Camila Brait, Tássia, Dani Lins, Gabi Cândido, Monique e Fernanda Garay –, a Seleção Brasileira Feminina de Vôlei estreia hoje, às 10h (de Brasília), na quinta semana da Liga das Nações: enfrenta a Itália, em Ankara, na Turquia. As brasileiras estão em terceiro lugar, com 28 pontos, três a menos que as italianas, que lideram e já estão garantidas na fase final da competição. A Turquia aparece em segundo na classificação, com 29.

O Brasil está a uma vitória da vaga na próxima etapa – as cinco melhores avançam. Turquia, Brasil e EUA (a diferença é de apenas um ponto) são ameaçados por Japão, Polônia (somam 21) e Bélgica (17). República Dominicana e Sérvia, com 15; Holanda e Tailândia, com 13, têm chances remotas. Rússia, Bulgária e Coreia do Sul estão eliminadas. A fase final será disputada na China, que por sediar a decisão, já está classificada.

O técnico José Roberto Guimarães se diz satisfeito com o desempenho da Seleção Brasileira: “Passamos por um processo evolutivo. É o primeiro ano deste grupo. Elas têm de ficar juntas, jogar o máximo que for possível. Disputar uma competição internacional é importante para que haja evolução. E é o que está acontecendo. A evolução é grande em pouco tempo”.

Ele admite que as jogadoras que estão na equipe largam na frente no projeto para a Olimpíada de Tóquio. “Vamos disputar outras competições internacionais. Entre elas, a classificação para Tóquio’2020. A Liga das Nações é o primeiro passo. E será importante ver essas jogadoras na classificatória olímpica. Temos de pensar, primeiro na vaga, e será um teste de fogo”, conta.


Publicidade