Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

História e títulos em quadra


postado em 21/04/2019 05:06

A decisão da Superliga Feminina entre Minas e Praia, reúne a equipe mais antiga do vôlei nacional e uma das mais novas. O Minas é o único clube a disputar todas as competições nacionais de vôlei, em 59 anos ininterruptos. Começou em 1960, quando entrou em quadra pelo Troféu Guarani, que se transformaria na Taça Brasil. Foi bicampeão do primeiro, em 1963 e 1964, e campeão do segundo, em 1974.

O ano de 1978 foi um marco para o vôlei no país, com a criação do Campeonato Brasileiro. Pela primeira vez, disputava-se um torneio de todos contra todos, em turno e returno – nos anteriores, as equipes (oito), além de convidadas, eram divididas em dois grupos, jogando entre si, com os dois melhores de cada chave indo às semifinais. Durava uma semana.

As primeiras edições do Brasileiro foram em intervalo de dois anos, com duração de cinco meses. A partir de 1980, a competição ganhou força, com o aumento do interesse do público. O vôlei se tornou, então, um dos esportes mais populares do país. Em 1988, passou a se chamar Liga Nacional de Vôlei, nome mantido até 1994, quando foi rebatizada, por questões estratégicas, para Superliga Nacional. Tornou-se uma das competições mais importantes deste esporte no mundo. Paralelamente, houve a evolução dos atletas, que passaram a ganhar espaço no cenário europeu e asiático, principais mercados internacionais.

A primeira conquista do Minas veio em 1993, quando o time formado por Andréa Marras, Hilma, Ana Flávia, Ana Paula, Leila, Mariana Cenni, Arlene, Kátia Caldeira, Fernanda Doval, sob o comando de Cebola, derrotou o São Caetano, no Grande ABC. O segundo título foi em 2002, no Mineirinho, com a vitória sobre o Osasco. O MTC tinha Fofão, Cristina Pirv, Elisângela, Ana Volponi, Érika, Fabíola, Flávia, Sheilla, Fabiana, Juciely, Marina, Joyce, Ângela e Keila, e era dirigido por Antônio Rizola. Também foi vice-campeão cinco vezes: em 1978, 1992, 2000, 2003 e 2004. E terceiro em seis oportunidades: 1995, 1998, 2001, 2007, 2016 e 2018.

JOVEM EQUIPE A história do Praia é recente. Está em sua 10ª  Superliga – a primeira foi em 2009 – e, embora seja um time jovem, já tem um título. No início, a base da equipe era de jogadoras de Uberlândia e região. Com a chegada de patrocinadores, o clube passou a buscar reforços de peso.

A  taça foi levantada no ano passado, e o time, já com o técnico Paulo Coco, tinha Claudinha, Fawcett, Fabiana, Walewska, Fernanda Garay, Ananda, Suellen, Andréia, Carla, Ellen, Laís, Amanda e Bruna Pavan. Na decisão, bateu o Rio de Janeiro, de Bernardinho, no golden set (set extra).

Mas o Praia já havia chegado à final em 2016, quando foi derrotada pelo Rio. Em 2017, terminou a Superliga na terceira colocação. Os resultados mostram a força do Praia, que é hoje um dos clubes mais poderosos do país. (ID)


Publicidade